Biden ganha tempo, mas todos os dias são uma prova - como o discurso na cimeira da NATO

CNN , Stephen Collinson
10 jul, 12:00
Joe Biden e Donald Trump (AP)

 

 

 

ANÁLISE || Após o desastre do debate com Donald Trump, Biden está em modo de controlo de danos. Mas a estratégia democrata de argumentar que uma noite má não diminui os sucessos anteriores de Biden ignora a questão crítica com que muitos eleitores se debatem: estará Biden simplesmente demasiado diminuído física e cognitivamente para cumprir mais quatro anos de mandato?

O Presidente dos EUA, Joe Biden, travou uma intensa batalha no fim de semana para salvar a sua candidatura à reeleição, após o seu desastroso desempenho no debate, mas não conseguiu afastar as questões existenciais sobre a sua candidatura, que são mais evidentes do que nunca.

Biden está isolado com a família em Camp David, após vários eventos em que tentou acalmar o pânico entre os eleitores, equipa e doadores democratas, depois de o debate ter multiplicado as preocupações de que está demasiado velho para derrotar o antigo Presidente Donald Trump ou para cumprir um segundo mandato. O seu comportamento fraco e incoerente durante o evento de quinta-feira à noite na CNN [já madrugada de sexta feira em Portugal] criou uma reviravolta extraordinária na campanha e deixou-o a enfrentar apelos para ceder o palco a um candidato mais jovem a pouco mais de quatro meses do dia das eleições.

Os aliados de Biden passaram o fim de semana a atacar os críticos nos meios de comunicação social que pediam que se afastasse e a insistir que os primeiros dados mostravam que a calamitosa exibição de Biden não tinha alterado a forma fundamental da corrida. Entretanto, os grandes nomes do Partido Democrata foram aos talk shows de domingo para tentar desviar as atenções da confusa e dolorosa exibição de Biden no debate e voltar a colocar as atenções em Trump.

"Não façamos juízos de valor sobre uma presidência com base num único debate", disse a antiga Presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, a Dana Bash, da CNN, no programa "State of the Union". "Vamos falar sobre o que isso significa para as pessoas em suas vidas ... a diferença entre Joe Biden e o ex-presidente é tão clara." O deputado da Carolina do Sul James Clyburn, um apoiante de longa data de Biden, admitiu a Bash que o seu amigo teve um debate "mau", mas atribuiu a culpa a Biden por ter sido sobrecarregado com factos pelos funcionários.

A família do presidente, que seria fundamental em qualquer decisão sobre o futuro da campanha, acredita atualmente que Biden deve manter-se na corrida e continuar a lutar enquanto aguardam os dados das sondagens e se preparam para uma certa erosão da sua posição, noticiaram no domingo MJ Lee e Jeff Zeleny da CNN. No entanto, essa opinião pode mudar se houver uma espiral descendente e o Presidente se convencer de que abandonar a corrida será a melhor decisão.

A estratégia democrata de controlo de danos, que consiste em argumentar que uma noite má não diminui os sucessos anteriores de Biden, ignora a questão crítica com que muitos eleitores se têm debatido há meses: estará Biden simplesmente demasiado diminuído física e cognitivamente para cumprir mais quatro anos de mandato?

Os republicanos estão a insistir na questão. "Toda a América viu isto. E sabem quem mais viu? Os nossos adversários viram-no. Putin viu, Xi viu, o Ayatollah viu", disse o governador do Dakota do Norte Doug Burgum, um potencial candidato a vice-presidente de Trump, no programa "Meet the Press" da NBC, referindo-se aos líderes da Rússia, China e Irão.

Principais democratas apoiam publicamente Biden

Até agora, não há sinais de que o presidente de 81 anos esteja a pensar em abandonar a sua campanha para dar lugar a uma tentativa apressada do partido de encontrar outro candidato.

"Joe Biden não se vai retirar desta corrida, nem deve fazê-lo", disse o governador democrata de Maryland, Wes Moore, no programa "Face the Nation" da CBS.

Uma vez que Biden é o candidato presumível depois de ter dominado as primárias democratas, não existe uma forma realista de o partido avançar, a menos que o presidente decida que chegou a altura. Alguns líderes do partido temem que uma nova disputa de nomeação neste momento corra o risco de desencadear uma guerra civil interna que poderia efetivamente entregar a presidência a Trump. Entretanto, Biden tem insistido repetidamente que está apto a servir. E qualquer estrela democrata em ascensão que se apresentasse seria acusada de traição por muitos no partido e arriscaria as suas próprias aspirações futuras.

O presidente disse num evento de angariação de fundos em New Jersey, no sábado à noite, que compreendia a preocupação, admitindo que "não teve uma grande noite" em Atlanta e que anda mais devagar e fala menos suavemente do que costumava. Mas prometeu continuar a lutar.

Por enquanto, a equipa de Biden parece ter afastado o perigo imediato para a sua campanha. A sua angariação de fundos continua a ser robusta, com mais de 33 milhões de dólares angariados nos dias que se seguiram ao debate, segundo a sua equipa. Os pesos pesados dispostos a ir à televisão para o defender mostraram que ele ainda não perdeu o seu partido - mesmo que esteja a ocorrer um colapso total nos bastidores.

Mas qualquer conjunto de más sondagens que mostre que uma candidatura à reeleição, já difícil, foi seriamente prejudicada pelo debate pode desencadear novamente o pânico. E nenhum presidente moderno ou candidato presumível enfrentou algo comparável aos apelos de comentadores dos meios de comunicação social, normalmente simpáticos, que estão agora a instar Biden a anunciar que não aceitará a nomeação democrata em Chicago, em agosto.

A CNN noticiou no sábado que os doadores democratas estão divididos entre manter Biden ou procurar outro candidato, por mais complicado que isso possa ser. Qualquer sinal de que o presidente também pode acabar com as esperanças democratas de manter o Senado e reconquistar a Câmara poderia reforçar o caso daqueles que querem mudanças, especialmente depois de uma semana em que o Supremo Tribunal demonstrou até que ponto o domínio conservador sem controlo pode remodelar a nação.

O Supremo Tribunal deverá pronunciar-se na segunda-feira sobre a alegação de Trump de que gozava de imunidade para as suas acções como presidente - num caso que aponta para a sua crença de que terá poderes quase ilimitados se ganhar um segundo mandato. Biden colocou no centro da sua candidatura à reeleição as alegações de que Trump destruiria a democracia, mas o seu fracasso no debate está apenas a levantar novas questões sobre se a ameaça é tão grave que os democratas deveriam recorrer a uma aposta mais segura.

Um indício de um movimento contra Biden

Embora as principais figuras do partido estejam publicamente ao lado de Biden - fazer qualquer outra coisa seria visto como traição - muitos democratas ficaram profundamente abalados com o debate de quinta-feira à noite. Muitas pessoas no partido passaram o fim de semana a lamentar a situação em privado, disseram várias fontes, e estão agora a encarar as eleições de novembro com receio.

No entanto, apenas uma figura sénior deu a entender um movimento contra Biden nos bastidores. O deputado Jamie Raskin, de Maryland, disse à MSNBC que o partido estava a ter "uma conversa muito séria sobre o que fazer". Raskin acrescentou: "Independentemente do que o presidente Biden decidir, o nosso partido estará unido e o nosso partido também precisa dele no centro das nossas decisões na nossa campanha".

Raskin continuou: "Quer (Biden) seja candidato ou outra pessoa seja o candidato, ele vai ser o orador principal na nossa convenção".

A campanha de Biden enviou uma série de memorandos, apelos à angariação de fundos e declarações durante o fim de semana, insistindo que ele não iria desistir. "Joe Biden vai ser o candidato democrata, ponto final. Fim da história", escreveu a campanha aos seus apoiantes num e-mail. "Os eleitores votaram. Ele ganhou esmagadoramente. E se ele desistisse, isso levaria a semanas de caos, lutas internas e um grupo de candidatos que se arrastariam para uma luta brutal na convenção, enquanto Donald Trump teria tempo para falar aos eleitores americanos sem ser contestado".

No entanto, o desempenho de Biden foi tão fraco na noite de quinta-feira que deu a Trump muito tempo para falar aos eleitores sem ser contestado, com o ex-presidente a safar-se com uma torrente de mentiras. Muitas vezes, Biden perdeu a oportunidade de criticar Trump em questões democratas fundamentais, como o aborto, e voltou o foco para as suas próprias vulnerabilidades, como a imigração.

O feroz contra-ataque da campanha de Biden, no entanto, não está a responder a questões fundamentais colocadas no rescaldo de um debate que abalou a confiança na capacidade de Biden para derrotar Trump para muitos dos seus colegas democratas.

O Presidente estava sob uma pressão extrema a caminho do confronto porque as sondagens há muito que mostram que a maioria dos eleitores acredita que ele está demasiado velho para cumprir um segundo mandato que terminaria aos 86 anos. Biden tornou-se visivelmente mais frágil nos últimos anos e parece uma figura muito diferente desde que assumiu o cargo em 2021.

Mas, em vez de acabar com esses receios, exacerbou-os num momento crucial da campanha, com mais de 50 milhões de espectadores a assistir. E embora Biden tenha recuperado com um forte desempenho num evento de campanha programado na Carolina do Norte na sexta-feira, será impossível apagar a imagem dolorosa de um presidente vítima da devastação do tempo no seu confronto televisivo com Trump. Os eleitores viram com os seus próprios olhos o estado reduzido e pungente de Biden.

Nova sondagem mostra preocupação crescente com a idade de Biden

A campanha de Biden há muito que nega que a idade do presidente seja um fator de desqualificação, apesar de ser uma das primeiras questões que os eleitores levantam fora da bolha política de Washington. Os esforços para proteger Biden do escrutínio público correm agora o risco de parecer uma tentativa de esconder do público a sua verdadeira condição. O debate abalou a credibilidade das frequentes tentativas dos que rodeiam Biden de argumentar que, embora ele seja muitas vezes instável em público, à porta fechada é uma força dinâmica que faz rodeios intelectuais em torno de jovens assessores.

A directora de campanha de Biden, Jennifer O'Malley Dillon, chegou mesmo a culpar os meios de comunicação social, e não o Presidente, por quaisquer sondagens fracas que viessem a ser realizadas. "Se virmos mudanças nas sondagens nas próximas semanas, não será a primeira vez que as narrativas exageradas dos meios de comunicação social provocam quedas temporárias nas sondagens", escreveu, referindo-se aos números do antigo Presidente Barack Obama depois de ter perdido o primeiro debate para o senador do Utah Mitt Romney em 2012. No entanto, a comparação não é exacta. Obama teve de facto um desempenho muito fraco e colocou a sua campanha em crise. Mas nunca houve qualquer dúvida de que ele não estava física ou mentalmente apto para servir mais quatro anos como presidente.

Uma nova sondagem da CBS/YouGov realizada após o debate revelou que 72% dos eleitores registados acreditam agora que Biden não tem saúde mental e cognitiva para ser presidente. Este número é sete pontos superior ao registado semanas antes do debate. Apenas 28% dos eleitores dizem que Biden deveria candidatar-se à presidência. Cerca de 46% dos eleitores democratas registados consideram que ele não deveria ser candidato.

Por um lado, estes são números devastadores para um presidente que tem assistido à erosão de aspectos fundamentais da sua coligação - especialmente entre os jovens, os progressistas e os eleitores das minorias - e que tem um caminho cada vez mais estreito nos estados de batalha. Mas se há um lado positivo para Biden, é o facto de os eleitores pensarem há muito tempo que ele é demasiado velho para se candidatar e de estar muito próximo de Trump nas sondagens nacionais, o que levanta a possibilidade de o criminoso condenado, duas vezes impugnado, alienar tantos eleitores que o presidente pode ainda ser visto como uma melhor escolha por muitos.

O diretor-adjunto da campanha de Biden, Rob Flaherty, levantou esta questão num e-mail de incentivo aos apoiantes de Biden, observando que "as pessoas foram lembradas daquilo que odeiam em Donald Trump: que ele é desequilibrado, quer vingança e está nisto por si próprio".

Flaherty também fez críticas notáveis à "brigada de molhar a cama" dos democratas, que pedia a Biden que desistisse, e sugeriu que os eleitores não se importam com as análises das notícias da televisão por cabo ou com os "podcasters auto-importantes", uma aparente referência aos antigos assessores de Obama no podcast "Pod Save America", que foram duros nas suas críticas.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados