Telescópio James Webb captura nebulosa ‘Cabeça de Cavalo’ com detalhe sem precedentes

Agência Lusa , AM
30 abr, 06:24
James Webb

A nebulosa ‘Cabeça de Cavalo’, também conhecida como Barnard 33, emergiu de ondas turbulentas de poeira e gás

O telescópio espacial James Webb capturou imagens da icónica nebulosa ‘Cabeça de Cavalo’, uma nuvem de gás frio localizada a cerca de 1.300 anos-luz da Terra, com um nível de detalhe e uma resolução sem precedentes.

As observações mostraram uma parte dessa nebulosa sob uma luz totalmente nova que nos permitiu captar toda a sua complexidade, divulgaram esta segunda-feira a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA), responsáveis em conjunto com a agência canadiana (CSA) pelo telescópio.

A nebulosa ‘Cabeça de Cavalo’, também conhecida como Barnard 33, emergiu de ondas turbulentas de poeira e gás e foi formada a partir do colapso de uma nuvem interestelar de material, explicaram agências espaciais, detalhando que esta brilha porque é iluminada por uma estrela quente próxima.

As nuvens de gás que rodeiam esta nebulosa já se dissiparam, mas o pilar saliente é composto por grossos aglomerados de material que é mais difícil de erodir, e os astrónomos estimam que lhe restam cerca de cinco milhões de anos antes de se desintegrar.

A nebulosa está numa região de ‘fotodissociação’, na qual a luz ultravioleta de estrelas jovens e massivas cria uma zona quente e neutra de gás e poeira entre o gás totalmente ionizado que envolve as estrelas massivas e as nuvens nas quais elas estão localizadas.

Esta radiação ultravioleta influencia muito a química dos gases destas regiões e atua como a mais importante fonte de calor, segundo as mesmas fontes.

Estas regiões ocorrem onde o gás interestelar é suficientemente denso para permanecer neutro, mas não suficientemente denso para impedir a penetração da luz ultravioleta distante de estrelas massivas.

A luz emitida por esta ‘fotodissociação’ constitui uma ferramenta única para estudar os processos físicos e químicos que impulsionam a evolução da matéria interestelar em todo o Universo, desde o início da formação estelar até ao presente.

Devido à sua proximidade e geometria, a nebulosa ‘Cabeça de Cavalo’ é um alvo ideal para os astrónomos estudarem as estruturas físicas de tais regiões e a evolução das características químicas do gás e da poeira nos seus respetivos ambientes, bem como as regiões de transição entre estes.

Segundo as agências espaciais envolvidas no Telescópio James Webb, este é considerado um dos melhores objetos do céu para estudar como a radiação interage com a matéria interestelar.

A partir de agora, os investigadores pretendem estudar os dados espetroscópicos obtidos da nebulosa para demonstrar a evolução das propriedades físicas e químicas do material observado através da nebulosa.

Futuro

Mais Futuro

Patrocinados