Assembleias de voto abertas em Itália. Extrema-direita pode alcançar o poder

Agência Lusa , PF
25 set, 07:00

Cerca de 46 milhões de transalpinos irão decidir a nova composição do parlamento

As assembleias de voto em Itália já abriram, e cerca de 46 milhões de italianos estão elegíveis para votar e eleger um novo parlamento, num escrutínio em que a extrema-direita é a favorita.

Antes mesmo da abertura das assembleias de voto, às 07:00 (06:00 em Lisboa), eleitores faziam já fila, de acordo com a agência de notícias France-Presse.

A votação termina às 23:00 (22:00 em Lisboa).

De acordo com o resultado das últimas sondagens publicadas, o partido de extrema-direita Fratelli d'Italia, ou Irmãos de Itália, soma 24% a 25% das intenções de voto, à frente do Partido Democrático, de centro esquerda, que deverá conquistar entre 21% e 22% dos votos.

O novo governo, que irá substituir a coligação liderada pelo primeiro-ministro cessante Mário Draghi, deverá ser constituído por uma coligação de direita e extrema-direita, com 45% a 55% dos assentos parlamentares.

Caso o cenário se confirme, o cargo de primeira-ministra será ocupado por Giorgia Meloni, uma admiradora confessa de Benito Mussolini, que deverá assumir a liderança do Governo exatamente 100 anos depois da chamada marcha sobre Roma, uma grande manifestação fascista que aconteceu em 28 de outubro de 1922, na capital italiana, e que representou a ascensão ao poder do Partido Nacional Fascista pela nomeação de Mussolini como chefe de Governo.

Europa

Mais Europa

Patrocinados