Dezenas de milhares protestam em Israel contra reforma judicial

Agência Lusa , BCE
4 fev 2023, 23:32
Dezenas de milhares protestam em Israel contra reforma judicial (EPA/ABIR SULTAN)

O governo israelita propõe que o parlamento possa anular com uma maioria simples as decisões do Supremo Tribunal que anulam a legislação ou as decisões do executivo.

Dezenas de milhares de pessoas protestaram este sábado em Telavive contra o plano de reforma judicial do governo do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, numa manifestação que também contou com a presença de líderes da oposição.

Além de Telavive, o principal núcleo do movimento de protesto contra o governo, o mais de direita da história de Israel, houve também pequenas manifestações nas cidades de Jerusalém, Herzliya e Modiin. Em Modiin, manifestantes protestaram frente à casa do ministro da Justiça, Yariv Levin.

Como em todos os outros protestos, as bandeiras israelitas proliferaram na manifestação deste sábado, que também incluía cartazes com palavras antigovernamentais ou alertas sobre o “desastre bíblico” que o plano de reforma judicial implicaria.

Se aprovado, entre outras questões, o plano, que o atual governo de coligação propõe, significaria que o parlamento poderia anular com uma maioria simples as decisões do Supremo Tribunal que anulam a legislação ou as decisões do executivo.

O Supremo Tribunal tem o poder de anular as normas que considera contrárias às leis básicas de Israel – o corpo de leis com estatuto constitucional – e os opositores do plano acreditam que a reforma iria corroer a separação de poderes e enfraquecer as bases formais da democracia israelita.

Desde que o Governo anunciou a sua intenção de avançar com a lei, há mais de um mês, os protestos têm sido maciços em Telavive, o principal bastião das posições liberais em Israel.

Estes são os maiores protestos no país em décadas e há duas semanas mais de 120.000 pessoas saíram à rua, um número que ultrapassou os 80.000 de há três semanas.

A 29 de janeiro, no meio de uma forte escalada da violência na região no contexto do conflito israelo-palestiniano, o protesto juntou cerca de 40.000 pessoas, enquanto cerca de 60.000 pessoas estiveram hoje nas ruas, segundo a imprensa local.

Relacionados

Mundo

Mais Mundo

Mais Lidas

Patrocinados