Quatro jovens foram detidos por estarem a preparar um ataque terrorista. E nunca tal tinha acontecido na Islândia

Andreia Miranda , com Lusa
23 set, 11:16
Polícia na Islândia (Getty Images)

É a primeira detenção deste género no país. Operação envolveu 50 agentes e a polícia investiga agora se há ligações entre os detidos e organizações extremistas

Quatro pessoas foram detidas, na quarta-feira, na Islândia, numa operação "sem precedentes", por serem suspeitas de estarem a planear um "ataque terrorista" que tinha como alvo várias instituições e cidadãos de Estado do país, avança a AFP. É a primeira detenção deste género na Islândia, país com uma das mais pequenas taxas de criminalidade do mundo, embora o aumento da delinquência nos últimos anos tenha causado preocupação às autoridades.

"A origem das operações policiais de ontem [quarta-feira] (...) faz parte de uma investigação sobre a preparação de um ataque terrorista", anunciou em conferência de imprensa, na quinta-feira, o comissário nacional da polícia da Islândia, Karl Steinar Valsson.

Várias armas semiautomáticas, algumas impressas em 3D, foram apreendidas em nove locais diferentes, e também milhares de munições, numa operação que envolveu 50 agentes.

Quatro islandeses na faixa dos 20 anos foram presos em Kopavogur, um subúrbio da capital Reiquiavique, e na cidade de Mosfellsbaer, no sudoeste do país. 

Embora os motivos ainda sejam desconhecidos, os alvos provavelmente incluiriam o parlamento e a própria polícia. No entanto, o comissário Valsson negou-se a explicar a natureza dos alvos.

"É seguro afirmar que a nossa sociedade está mais segura do que estava. Estamos a iniciar algum trabalho e estamos a apreender uma grande quantidade de telefones e computadores e outras coisas. Todo este trabalho está nos estágios iniciais. Tomámos algumas medidas enquanto controlávamos a situação. Obviamente, não queremos revelar qual foi a resposta exata da polícia", afirmou Valsson.

A polícia disse que estava a investigar se havia ligações entre os homens e organizações extremistas, estando em contacto com autoridades estrangeiras.

"Até onde sabemos, esta é a primeira vez que uma investigação desse tipo é lançada [na Islândia]. A origem das operações policiais de ontem foram no contexto de uma investigação da preparação de um ataque terrorista", disse Valsson, não descartando que possam ser feitas novas detenções.

Por sua vez, o superintendente da Polícia Metropolitana de Reiquiavique fez um apelo à população para que denuncie qualquer avistamento de armas no país. 

“Se as pessoas tiverem informações de que as armas estão na comunidade, incentivamos a que denunciem. Essas armas podem ser semiautomáticas, que são armas extremamente perigosas. Se alguém tiver informações sobre as armas, encorajamos as pessoas que nos informem", afirmou Grímur Grímsson.

A Islândia tem 375.000 habitantes e está no topo do Índice Global da Paz desde que foi incluído no 'ranking' em 2008 como o "país mais pacífico do mundo".

Europa

Mais Europa

Patrocinados