Como saber quando é a altura certa de se afastar de um irmão (ou mesmo de terminar a relação familiar)

CNN , Kristen Rogers
15 jan, 18:00
Príncipes Harry e William (Associated Press)

ENTREVISTA. Psicólogo explica como abordar um conflito entre irmãos. E como optar entre reparar, terminar ou "dar um tempo". Alterar ou terminar uma relação fraterna pode ter consequências dolorosas, por isso considere vários fatores antes de decidir.

Enquanto os relatos do príncipe Harry sobre a relação conturbada com o seu irmão, o príncipe William, no seu novo livro de memórias “Na Sombra” fazem ondas, pode estar a perguntar-se se há alguma esperança numa relação tão tensa - especialmente se estiver a passar por um tipo de fratura semelhante.

Embora fortes relações entre irmãos tenham sido associadas a maior saúde e felicidade, o afastamento entre irmãos é provavelmente mais comum do que cismas entre pais e filhos adultos, afirma Joshua Coleman, psicólogo na área da Baía de São Francisco, nos EUA, e membro sénior do Council on Contemporary Families. Os pais estão mais motivados para reparar essas relações devido ao seu papel, e à vergonha e tristeza que pode advir do facto de estarem a desavindos com um filho, explica Coleman.

“Nos irmãos, não há o mesmo tipo de expectativas de permanecer em contacto", diz Coleman, autor do livro “Rules of Estrangement: Why Adult Children Cut Ties and How to Heal the Conflict” [tradução livre: “As Regras do Afastamento: Porque as Crianças Adultas Cortam Laços e Como Curar o Conflito"]. “Os irmãos não têm o mesmo tipo de violação de papéis que possam produzir uma vergonha que possa servir de motivação ou de ímpeto para a reparação”.

Distanciar ou terminar uma relação com um irmão pode ainda ser difícil ou fazer sentir vergonha, mas as pessoas que iniciam o afastamento sentem que há benefícios, segundo Coleman.

“Assumindo que fizeram a sua avaliação e que o (outro) irmão permanece incapaz ou indisponível para a modificar ou alterar o seu comportamento, uma rutura da relação pode ser melhor para a saúde mental do que uma continuação", acrescenta Coleman.

Para os casos que não são tão claros, Coleman tem princípios orientadores para saber quando vale a pena salvar a relação e quando é melhor cortar os laços.

Esta conversa foi editada e condensada para maior clareza.

CNN: Quais são os gatilhos mais comuns para o afastamento de irmãos?
Coleman: As razões típicas pelas quais começam as fraturas ou o afastamento de um irmão incluem o tratamento percebido ou objetivamente diferenciado pelos pais, o que pode levar um irmão a distanciar-se porque se sente menos valorizado. Uma história de abuso emocional, físico ou sexual por um irmão pode ser traumatizante, especialmente se não houve lugar a reparação ou se o irmão ferido não tiver sido capaz de perdoar. As rivalidades entre irmãos - por vezes provocadas por um sentimento de ciúmes ou por se sentir ameaçado pelo sucesso do outro - também podem levar a uma fenda.

Por vezes, um irmão pode começar por se afastar dos pais, mas se o outro irmão não se aliar a ele ou se for crítico da separação, isso pode produzir um sentimento de: "Bem, ou estás a meu favor ou contra mim".

CNN: Qual é o primeiro passo quando se é confrontado com conflitos repetidos?
Coleman: Tem de se fazer a devida avaliação da relação, na medida em que se tem de dar às pessoas a oportunidade de reparar e de comunicar as suas necessidades de uma forma que realmente convide à autorreflexão e à empatia da outra pessoa, em vez de mais produzir feridas e posições de ficar à defesa.

Uma pessoa pode sentir-se magoada, envergonhada, humilhada, criticada ou diminuída pelo comportamento do seu irmão. Penso ser razoável, então, dizer: “Preciso que mudes isto para continuares a ter uma relação comigo. Sinto que o meu pedido é muito razoável, e tenho a forte preferência de que mudemos a forma como comunicamos. Talvez haja coisas em que talvez queiras que também eu trabalhe. Mas começo a sentir que, se isto não é algo que possamos mudar, preciso de estar fora de contacto contigo durante um período significativo de tempo”.

Os príncipes William e Harry, fotografados no Palácio de Kensington em 1989, ando em que cumpriam sete e cinco anos. A relação entre ambos evoluiu para um afastamento. Foto Getty Images

Certamente, alguém que é abusivo está fora de controlo e precisa de fortes limites para contrariar o seu comportamento. Isso não significa que nunca lhes deva ser dada a oportunidade de reparar ou de reconciliar, mas apenas depois de terem demonstrado vontade de se comprometerem em fazer reparações e mudanças.

CNN: Quando é que vale a pena reparar a relação?
Coleman: Quando os irmãos afastados procuram a reconciliação, normalmente uma pessoa está mais motivada para curar a relação do que a outra e, portanto, assume mais um papel de liderança na dinâmica da reparação – basta uma espécie de demonstração de empatia, estar disposto a fazer reparações ou a assumir responsabilidades, etc.

Se a outra pessoa está a mostrar empatia genuína, e está disposta a não ser defensiva, a comprometer-se a mudar, a respeitar os seus limites ou requisitos para uma relação saudável, esses são realmente os ingredientes chave para qualquer relação saudável que necessite de reparação.

CNN: Quando é que cortar laços é a melhor coisa a fazer?
Coleman: Eu luto com essa questão, porque sinto que a nossa cultura é demasiado endossante e demasiado rápida a cortar laços, por isso cada pessoa tem de tomar essa decisão por si própria.

Quando alguém está a contemplar uma possibilidade com tantas consequências, isso requer um grau de autorreflexão. Você é demasiado sensível a toda a gente? Está constantemente a afastar-se de pessoas em todos os aspetos da sua vida? Está sempre a acusar pessoas de o manipularem se não concordam com a sua perceção dos acontecimentos? Está apenas a excluir mais uma pessoa porque não pode tolerar conflitos?

Por vezes, fazer uma pausa na relação pode ser útil, se se sentir demasiado envolvido para poder separar a sua própria identidade do que foi desencadeado. Para algumas pessoas, algum período de distância, em que não estão constantemente a serem lembradas de coisas sobre si próprias de que não gostam ou que as perturbam, pode ser útil.

Assumindo que fez todos os outros passos de avaliação, por vezes acabar com o contacto durante algum tempo pode ser um bom toque de despertar para aquele irmão.

CNN: Quanto tempo de graça ou período experimental deve alguém dar?
Coleman: Ninguém vai ser 100% perfeito uma vez estabelecidos novos limites. O objetivo é concordar que a nova dinâmica será trabalhada em conjunto, porque talvez a pessoa que se está a envolver no comportamento prejudicial não esteja ciente disso ou precise de ser educada de uma forma contínua.

Dê-lhe pelo menos alguns meses, durante os quais continue a envolver-se e a falar depois de cada interação. Poderá dizer: “Acho que correu bem. No entanto, fico aborrecido quando começas a defender a mãe e o pai ou te tornas competitivo em relação a mim com alguma coisa”.

CNN: Como é que as pessoas devem distanciar-se ou terminar a relação?
Coleman: Diga: “Sinto que tentei explicar-te os problemas que vejo na relação, e dar-te uma oportunidade de responderes ou trabalhares neles. E parece que não foste capaz de o fazer, ou que não tens estado assim tão motivado, por isso diminuí a minha vontade de passar tempo contigo. Assim, por enquanto, gostaria de fazer uma pausa na relação. E posso avisar-te se ou quando isso mudar”.

CNN: O que é que as pessoas tendem a experimentar depois de mudarem ou cortarem uma relação fraterna, e como é que podem lidar com isso?
Coleman: Tipicamente, a pessoa que terminou a relação não está a sofrer tanto como a pessoa que foi cortada. A pessoa que termina as coisas pode sentir-se aliviada ou feliz.

No entanto, nem sempre é tudo positivo. Acabar a relação significa que não só estamos a perder o contacto com as partes de que não gostamos, como também estamos a perder o contacto com as partes de que gostamos. Pode haver um sentimento de perda ou tristeza por desistir ou reconhecer que a pessoa pode não estar disposta a mudar.

Pode também sentir vergonha e culpa se os outros membros da família estiverem incomodados ou a pressionar a voltar a estar em contacto.

Lembre-se do esforço que faz e que, se se envergonhar da sua decisão, está apenas a acrescentar insulto ao sofrimento. Você deu a essa pessoa um período razoável para a avaliação devida, pelo que isto não é algo que tenha feito de forma caprichosa ou egoísta.

CNN: E se o afastamento causar problemas com outros membros da família?
Coleman: Seja empático em relação à dor deles enquanto expressa firmemente que trabalhou arduamente para conseguir que o seu irmão lhe respondesse de forma diferente, mas ele ou não quis ou não pôde - por isso esta não é uma decisão que tenha tomado de ânimo leve. Não pode simplesmente manter uma relação com o seu irmão porque os seus pais o querem.

Família

Mais Família

Patrocinados