Adepta fez tributo a Mahsa Amini durante o País de Gales-Irão e a organização não gostou

25 nov, 11:26

Iraniana foi abordada por um segurança do torneio por ter uma camisola com o nome da jovem cuja morte iniciou os protestos no seu país

O Irão entrou em campo esta sexta-feira para o seu segundo jogo no Mundial, frente ao País de Gales, e os protestos contra o governo do país continuaram. Apesar de, desta vez, os jogadores terem cantado o hino, houve um gesto simbólico vindo das bancadas que não passou despercebido.

No estádio Ahmad bin Ali, em Al Rayyan, uma adepta iraniana segurou uma camisola da seleção com o nome de Mahsa Amini e com o número 22, idade com que a jovem morreu após ser brutalmente espancada pela polícia do país por não usar hijab.

Quem não gostou deste protesto foi a organização, que a abordou para tirar satisfações. No entanto, após uma discussão com um dos membros das forças de segurança do torneio, a adepta pôde continuar com a camisola, pelo que deram a entender as imagens das agências internacionais.

Ao lado desta apoiante, estava também um homem com uma bandeira iraniana, onde constavam as palavras "Mulher", "Vida" e "Liberdade", que já se tornaram num lema do povo iraniano que protesta contra a atual administração do país.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados