Mercado: os milhões do Chelsea em campo e negócios em português

6 ago, 00:20

As principais movimentações e curiosidades da semana nas grandes Ligas

A semana que antecedeu o arranque dos campeonatos em algumas das principais Ligas foi intensa no mercado e teve muito que contar, do enorme investimento do Chelsea à transferência de Renato Sanches para o PSG, um de vários jogadores portugueses a centrar atenções por estes dias nas «Big 5». Não fica seguramente por aqui, uma vez que mesmo com a bola a rolar o mercado continua aberto e com muitos processos por fechar.

O negócio da chegada de Marc Cucurella ao Chelsea entrou direto para o top-5 das maiores transferências no ano, uma lista de que fazem parte nesta altura dois portugueses, Vitinha e Nuno Mendes, e que pode consultar aqui. Também atirou o Chelsea para o topo dos mais gastadores (186 milhões, de acordo com o site Transfermarkt), a liderar um pelotão de oito clubes que já superaram os 100 milhões de gastos estimados. A lista tem cinco ingleses: além do «Blues», também o Manchester City, o Arsenal, o Tottenham e o menos óbvio Leeds. Fora da Premier League, só Barcelona, Bayern Munique e PSG se intrometem para já neste ranking.

O Maisfutebol continua a olhar semanalmente para as principais mudanças e curiosidades, bem como para as tendências do mercado nas principais ligas europeias.

Inglaterra

O Chelsea tardou a concretizar contratações e falhou vários alvos neste mercado, dois deles, Raphinha e Koundé, perdidos para o Barcelona. Mas reagiu, à força de muito dinheiro. A fechar a semana, foi buscar ao Brighton o lateral espanhol Cucurella, numa transferência estimada em 65 milhões de euros. Mais um negócio astronómico entre clubes ingleses, um mundo à parte. Dias antes os «Blues», agora com novos proprietários norte-americanos, tinham avançado para duas contratações de futuro, assegurando Carney Chukwuemeka, médio de 18 que chega do Aston Villa e é uma das grandes promessas do futebol inglês, e trazendo da MLS o jovem guarda-redes Gabriel Slonina, ex-Chicago Fire. Estes nomes juntam-se em Stamford Bridge aos reforços Raheem Sterling, contratado cedo ao Manchester City, e Koulibaly, que chegou do Nápoles. Para já, claro.

Continua de resto o ruído de mercado em torno do futuro de Bernardo Silva, com Pep Guardiola a repetir que quer manter o português, mas lembrando que há muitas variáveis que podem ditar transferências. Quanto a Cristiano Ronaldo, está integrado no Manchester United e Ten Hag também voltou a dizer que conta com Ronaldo, depois de o ter criticado por abandonar mais cedo o estágio quando a equipa jogava. Estará a chegar ao fim o folhetim?

O City, que foi buscar Erling Haaland e Kalvin Philipps, e também o Liverpool, que tem em Darwin Nuñez a contratação mais avultada da época em Inglaterra, garantiram os principais reforços cedo na pré-temporada, ainda que não fechem a porta a mais movimentações. Tal como o Arsenal, que deixou uma demonstração do potencial para a nova época no jogo de estreia da Premier League frente ao Crystal Palace, depois de ter apostado forte: foi buscar Gabriel Jesus e Zinchenko ao City, além de ter contratado Fábio Vieira ao FC Porto. O Manchester United, pelo contrário, continua sem fazer grandes operações de mercado, para lá da contratação do central Lisandro Martínez. O movimento mais relevante da semana em Old Trafford foi a saída de Alex Telles, cedido ao Sevilha.

Quem não pára de contratar é o recém-promovido Nottingham Forest, que já vai em nada menos que 12 reforços – esta semana chegou o médio belga Orel Mangala – e continua no mercado, tendo nomeadamente como alvo o benfiquista Gonçalo Ramos.

O Fulham de Marco Silva, outra equipa que está de volta à Premier League, tem estado bem mais comedido. O clube, cujo maior investimento foi até agora a contratação de Palhinha ao Sporting, recebeu esta semana o central Duffy, por empréstimo do Brighton. Ainda mais discreto tem sido até agora o Wolverhampton de Bruno Lage, que para já apenas contratou o defesa Nathan Collins ao Burnley, depois de ter visto sair vários jogadores, entre eles os portugueses Trincão, que terminou empréstimo e rumou ao Sporting, e Fábio Silva, cedido ao Anderlecht. 

Espanha

O Barcelona abrandou o ímpeto avassalador das últimas semanas, quando contratou Lewandowski, Koundé e Raphinha, para falar apenas dos principais nomes, embora continue no mercado e a alimentar as notícias sobre o interesse em Bernardo Silva. Depois dos muitos milhões gastos, antecipando receitas para cumprir as regras da Liga espanhola e poder inscrever os reforços, os catalães procuram também aliviar algum peso no plantel e estiveram esta semana do lado vendedor.

Riqui Puig deixou o Barça para jogar no LA Galaxy, enquanto Óscar Mingueza saiu para o Celta Vigo. Os galegos preparam-se de resto para selar a transferência de Gonçalo Paciência. O avançado português deixa o Eintracht Frankfurt e o futebol alemão, onde jogou nas últimas quatro épocas, para jogar em Espanha. O Celta, recorde-se, já tinha vindo esta semana a Portugal contratar o guarda-redes Marchesín ao FC Porto.

A uma semana do arranque da Liga, Real Madrid e At. Madrid continuam tranquilos no que diz respeito ao mercado, depois de ambos terem feito poucas contratações – ao Bernabéu chegaram Tchouameni e Rudiger, no Metropolitano as caras novas são Axel Witsel e Nahuel Molina, além de Samuel Lino, contratado ao Gil Vicente e cedido de imediato ao Valencia.

Ambos os clubes viram sair vários históricos em fim de contrato e um deles, Luis Suarez, protagonizou esta semana um emotivo regresso a casa, para jogar no Nacional Montevideo. Por resolver continua o futuro de dois jogadores que deixaram o Real Madrid, Isco e Marcelo.

Itália

José Mourinho tem finalmente um reforço que pretendia há muito: o médio neerlandês Giorginio Wijnaldum, que chega cedido pelo PSG. Em sentido contrário, a Roma negociou a transferência de Jordan Veretout para o Marselha. Também de saída está Justin Kluivert, que jogou no Nice na época passada e não entra nos planos de Mourinho.

O campeão Milan, até agora pouco ativo, protagonizou a contratação mais sonante da semana na Serie A, garantindo o avançado belga De Ketelaere, que chega do Club Brugge num negócio estimado em 32 milhões. Até agora, o único jogador que tinha chegado de novo aos «rossoneri» era Divock Origi, que chegou do Liverpool a custo zero.

Itália foi o destino de alguns dos nomes mais mediáticos entre os muitos jogadores de topo que ficaram livres esta época, a começar por Pogba e Di María, reforços da Juventus, que de resto investiu forte na contratação de um central, Bremer, depois de ter perdido De Ligt para o Bayern Munique.

O Inter, por seu lado, tem baseado a sua abordagem ao mercado em jogadores que chegam por empréstimo - entre eles o regressado Lukaku, cedido pelo Chelsea – ou a custo zero, como o guarda-redes Onana, ex-Ajax, e o arménio Henrikh Mkhitaryan, ex-Roma. Também viu partir vários jogadores em fim de contrato, tal como a Juventus, entre eles Ivan Perisic e Matias Vecino, que assinou esta semana com a Lazio. Voltou ainda a ceder Valentino Lazaro, agora ao Torino. Em Itália, também ficou por estes dias definido o futuro de outro ex-benfiquista: Djuricic, que estava sem clube depois de deixar o Sassuolo, voltou à Sampdoria.

As movimentações dos últimos dias incluíram ainda novo reforço para a Atalanta, que já tinha feito uma aposta forte no médio Ederson, ex-Salernitana, e contratou agora o extremo Ademola Lookman, que chega do Leipzig. Ao estreante Monza chegou o brasileiro Marlon, mais um jogador a deixar o Shakhtar Donetsk.  

Ainda em Itália, mas na Serie B, além da chegada ao Pisa de Tomás Esteves, jovem lateral português cedido pelo FC Porto, esta semana trouxe a confirmação de uma transferência inusitada, a de Cesc Fabregas para o Como.

Em aberto continua o futuro de Dries Mertens, que terminou contrato com o Nápoles. É um dos craques ainda sem destino, numa lista onde se mantêm, por exemplo, dois jogadores que deixaram o Manchester United, Edinson Cavani e Juan Mata.

França

Renato Sanches já mora em Paris. O médio trocou o Lille pelo PSG, assinando por cinco anos e reforçando o contingente português do campeão francês, que já tinha Vitinha, Nuno Mendes e Danilo. É o quarto reforço do PSG, depois de Vitinha, Mukiele e Ekitike.

Ainda que ninguém se aproxime do investimento dos parisienses, houve muitas movimentações nos restantes clubes na semana de arranque da Ligue 1. Com especial protagonismo para o Nice, onde chegou, para começar, Kasper Schmeichel. Aos 35 anos, o guarda-redes dinamarquês deixou o Leicester depois de mais uma década e vai jogar pela primeira vez longe de Inglaterra. Mas não foi o único. O Nice também garantiu por estes dias o galês Aaron Ramsey, que tinha deixado a Juventus, além do médio francês Beka Beka e do defesa italiano Mattia Viti.

Na semana em que viu sair Renato Sanches, o Lille de Paulo Fonseca assegurou dois reforços, mas para a defesa: o lateral Ismaily, que se deu a conhecer em Portugal e deixou o Shakhtar Donetsk depois de muitos anos na Ucrânia, e o central Bafodé Diakité, ex-Toulouse. Confirmada também por estes dias foi a chegada do lateral português Nuno Tavares ao Marselha, cedido pelo Arsenal.

Alemanha

O Bayern Munique abriu e muito os cordões à bolsa, contratando nomes como De Ligt ou Sadio Mané na época em que perdeu Lewandowski, o Borussia Dortmund também investiu forte depois da saída de Erling Haaland, mas na semana de arranque da Bundesliga a principal transferência foi protagonizada pelo Leipzig, que contratou o internacional alemão David Raum ao Hoffenheim.

O Hoffenheim é por sua vez o destino de Eduardo Quaresma. O defesa de 20 anos chega cedido pelo Sporting, para a sua primeira experiência no estrangeiro. Mais uma presença portuguesa na Bundesliga, a contrapor à saída de Gonçalo Paciência do Eintracht Frankfurt.

O recém-promovido Schalke também anunciou esta semana um reforço para o ataque com apelido familiar: Jordan Larsson, filho do lendário avançado sueco Henrik Larsson, que pertencia aos quadros do Spartak Moscovo.

Acompanhe aqui todas as últimas informações sobre o mercado de transferências

Patrocinados