Mercado nas grandes Ligas: o louco verão do Barcelona

13 ago, 00:10

Os principais negócios, tendências e curiosidades da semana, com a situação do gigante catalão a marcar e a condicionar os negócios nos principais campeonatos

Depois de todos os malabarismos e milhões gastos, o Barcelona só no final da semana de arranque da Liga espanhola conseguiu cumprir as condições para inscrever os seus reforços – entre eles um tal de Robert Lewandowski. A situação esquizofrénica dos catalães, que no meio disto continuam a definir alvos no mercado, enquanto procuram promover saídas para aliviar carga salarial na tentativa de recuperar a hegemonia desportiva perdida, é o fenómeno mais marcante do mercado de verão nas grandes Ligas. Que continua a ter muitos negócios em perspetiva, mesmo com a bola já a rolar.

Além do Barcelona, também o Chelsea já superou a barreira dos 150 milhões de euros gastos neste verão, de acordo com os dados do site Transfermarkt. Mas foi o Real Madrid a fazer aquela que é estimada como a contratação mais cara do defeso até agora, numa lista que tem dois portugueses no top-20 e que pode consultar aqui.

Quando faltam menos de três semanas para o fecho da janela de transferências, o Maisfutebol continua a olhar a cada semana para as principais movimentações e curiosidades nas grandes Ligas.

Espanha

A transferência mais mediática da semana que antecedeu o arranque da Liga espanhola foi a mudança de Isco para o Sevilha. Depois de terminar contrato com o Real Madrid, o internacional espanhol tenta, aos 30 anos, relançar a carreira longe do Bernabéu.

Mas mais uma vez é a situação do Barcelona a dominar a atualidade. Foi apenas na véspera de entrar em campo frente ao Rayo Vallecano que o clube formalizou aquilo que em Espanha chamam a quarta «palanca», uma alavanca que se traduz em mais uma «tranche» de antecipação de receitas para conseguir sair do vermelho e cumprir o equilíbrio salarial imposto pela Liga.

Em causa estava a impossibilidade imediata de inscrever os reforços Lewandowski, Raphinha, Koundé, Kessié e Christensen. E ainda a utilização de Dembelé e Sergi Roberto, que renovaram depois de terminados os contratos. Para já, o clube formalizou todas as inscrições, menos a de Koundé. O defesa contratado ao Sevilha deverá ter de esperar por eventuais saídas do plantel. O Barça tem tentado reduzir massa salarial por aí, através da renegociação de contratos ou promovendo saídas. Esta semana foi o guarda-redes Neto a deixar o Camp Nou, rumo ao Bournemouth, mas esse processo deve continuar. O que por sua vez contribui para alimentar o carrossel do mercado internacional.

Quem assiste a tudo isto tranquilo é o Real Madrid, que arranca a Liga com mais um troféu fresquinho no museu, depois da conquista da Supertaça Europeia a meio da semana, na reta final de uma janela de mercado que acabou por ser discreta no Bernabéu. Falhada a grande aposta que seria a contratação de Mbappé, os merengues apenas contrataram Tchouameni ao Mónaco, sendo que os 80 milhões estimados fazem desta a maior transferência da época até ao momento, seguida de Darwin Nuñez, contratado pelo Liverpool ao Benfica. De resto, a única cara nova no Bernabéu é Rudiger, que chegou livre depois de deixar o Chelsea. Na gestão da nova época e das contas, o Real também viu sair vários jogadores, de Isco a Gareth Bale, passando por Luka Jovic ou Marcelo, este ainda sem clube.

Daqui para baixo, o cenário não tem comparação, na reta final de um mercado particularmente parado em Espanha para a generalidade dos clubes. O At. Madrid apenas investiu na contratação de Nahuel Molina à Udinese, recebendo ainda Axel Witsel a custo zero. O Sevilha assumiu que precisava era de vender, negociando Koundé e Diego Carlos e, até aqui, recebendo apenas Isco e Alex Telles, cedido pelo Manchester United, além de ter contratado o defesa Marcão. Mais limitada ainda a situação no Valência, que só nesta semana perdeu Gonçalo Guedes e Jasper Cillessen, de volta à Holanda, e continua sem reforços. Ainda há potenciais negócios por acontecer, mas os sinais que chegam de Espanha, também no mercado, são de uma Liga cada vez mais enfraquecida.

Inglaterra

A Premier League ganhou mais um reforço português com a chegada de Gonçalo Guedes ao Wolverhampton. Foi uma das principais movimentações da semana em Inglaterra, para lá de muita especulação em torno de possíveis reforços de Chelsea e Manchester United. Os dois clubes continuam no mercado, ainda que os Blues já tenham investido e muito em contratações como Sterling, Koulibaly ou Cucurella. O United depara-se ainda com mais dificuldades em assegurar os alvos definidos. Alguns deles serão comuns a ambos os clubes, como Frenkie de Jong, processo que depende por sua vez do evoluir da situação no Barcelona.

Em Old Trafford, por outro lado, vai pelo menos diminuindo o ruído em torno de Cristiano Ronaldo, integrado finalmente no Manchester United. Mas há outro português a dar e muito que falar: Bernardo Silva, que continua com o futuro no Manchester City em aberto. Por falar em Barcelona.

Para lá dos negócios dos gigantes, entre as transferências formalizadas nos últimos dias na Premier League está mais um reforço para o Fulham de Marco Silva, com a chegada do central Issa Diop, contratado ao West Ham. Quanto ao Wolverhampton, para lá de ter aumentado o contingente português com Gonçalo Guedes, Bruno Lage viu sair Conor Coady. O capitão dos Wolves nas últimas temporadas rumou ao Everton, por empréstimo, quando alimenta a esperança de estar com a Inglaterra no Mundial 2022.

O Everton de Frank Lampard, que já tinha assegurado também o português Ruben Vinagre por empréstimo do Sporting e garantido a custo zero o central James Tarkowski, concretizou esta semana o seu maior investimento até agora, na contratação do médio Amadou Onana ao Lille de Paulo Fonseca. Como curiosidade, o Leicester é o único clube da Premier League que ainda não contratou qualquer reforço. Nem sequer encontrou ainda uma alternativa ao guarda-redes Kasper Schmeichel, que saiu para o Nice.

França

Não é apenas o PSG. O Marselha também tem estado muito ativo no mercado. De volta à Liga dos Campeões, o clube que mudou de treinador já a meio da pré-temporada tem apontado em várias direções e passou agora a contar com Alexis Sanchez, que chega livre depois de deixar o Inter e se junta a uma dezena de reforços, entre eles o português Nuno Tavares e o ex-portista Chancel Mbemba.

Quanto ao PSG, depois do investimento «português» em Vitinha, Renato Sanches e na aquisição definitiva do passe de Nuno Mendes, continua no mercado. Também aqui há muita especulação, para já ainda sem novos negócios confirmados. Do lado das saídas, há agora a confirmação do afastamento de Mauro Icardi, para já sem novo clube.

O Lille viu sair mais um jogador importante esta semana, perdendo agora Onana, depois de Renato Sanches (PSG) ou Sven Botman (Newcastle). É de esperar que cheguem mais reforços para a equipa de Paulo Fonseca, cuja principal aposta foi até aqui o avançado Mohamed Bayo, contratado ao Clermont Foot. Na Ligue 1, nota ainda para a chegada ao Mónaco de Malang Sarr, cedido pelo Chelsea.

Itália

A Juventus já tem Filip Kostic. O avançado sérvio deixou o Eintracht Frankfurt e juntou-se na lista de reforços bianconeros aos veteranos Di María e Pogba, bem como ao central Bremer, o maior investimento do clube até aqui, contratado para compensar a baixa de De Ligt, que rumou ao Bayern Munique.  

Até ao arranque da Serie A a Juventus foi a equipa que mais investiu, depois de passar dois anos a ver os rivais de Milão festejar. E ambos partem para a nova época na reta final de um mercado tranquilo. O campeão Milan viu sair Kessié e Romagnoli em fim de contrato, mas de resto não teve baixas de peso e, além de apostar no jovem avançado belga De Ketelaere, apenas contratou Origi, ex-Liverpool. Também o Inter teve várias saídas em fim de contrato mas apostou na continuidade e em alguns reforços consagrados como Lukaku, de volta agora por empréstimo do Chelsea, ou Mkhitaryan, além do jovem médio Asllani.

Em Nápoles, a semana ficou marcada pela chegada do veterano guarda-redes Sirigu, bem como pela resolução da situação de Dries Mertens, que rumou ao Galatasaray depois de fechar o ciclo napolitano. O clube turco também garantiu Lucas Torreira, outro jogador consagrado em fim de contrato, que deixou o Arsenal. Mas ainda há vários craques nessas circunstâncias, como os ex-Manchester United Cavani e Juan Mata.

Alemanha

O Bayern Munique  parece ter abrandado o ímpeto gastador, numa época em que perdeu Lewandwsk e abriu muito os cordões à bolsa em contratações como De Ligt, Sadio Mané, Gravenberch ou a promessa Mathys Tel, mas a semana na Alemanha ficou marcada por várias chegadas relevantes. O Borussia Dortmund voltou ao mercado para contratar novo avançado, depois do infortúnio de Sebastian Haller, diagnosticado com um tumor no testículo. O escolhido foi o veterano Anthony Modeste, que deixa o Colónia e assina por um ano.

Também o Leipzig reforçou o ataque, para promover o regresso de Timo Werner. O avançado deixa o Chelsea e está de volta dois anos depois, para fazer companhia a André Silva. Mas o Leipzig já olhou mais para a frente e garantiu desde já junto do «irmão» Salzburgo a contratação do avançado Benjamin Sesko, promessa eslovena de 19 anos que reforçará o clube a partir da próxima temporada.

Patrocinados