Carla Castro promete “respeito pelo legado” da Iniciativa Liberal, mas quer “fazer diferente”

Agência Lusa , BCE
27 out, 07:43
Carla Castro

A candidata espera uma campanha “boa, construtiva, com respeito e elevação” e, no dia seguinte às eleições seja qual for o resultado, quer todo o partido unido “a continuar a lutar por um Portugal mais liberal”

A deputada Carla Castro concorre à liderança da Iniciativa Liberal (IL) com “respeito pelo legado”, mas com “vontade de fazer diferente”, comprometendo-se a ser “presidente de todos os liberais” com uma “matriz profundamente tolerante e humanista”.

Depois da surpresa conhecida no domingo das eleições antecipadas para a liderança da IL e da decisão de João Cotrim Figueiredo não se recandidatar ao cargo, foi da bancada parlamentar e da atual comissão executiva que saíram os candidatos à sucessão até agora conhecidos: Rui Rocha e Carla Castro.

Em declarações à agência Lusa, Carla Castro, que anunciou na terça-feira a decisão de concorrer, promete “um respeito pelo legado” construído pelo partido nestes anos, mas com “vontade de fazer diferente”.

Na análise da dirigente liberal, a sua candidatura não representa uma rutura com a atual liderança de João Cotrim Figueiredo – de cuja comissão executiva faz parte -, mas sim “uma continuidade naquilo que é para continuar que são as ideias liberais” sendo a IL um “partido liberal política, económica e socialmente”.

Assegurando que tem uma “matriz liberal profundamente tolerante e humanista”, Carla Castro compromete-se com “um programa claro”, quer do ponto de vista interno como externo, e apesar de ainda não ter nomes para a sua direção, tem já “claro que tipo de comissão executiva” pretende que será, uma “comissão executiva ágil, boa executante, descentralizadora, independente e desafetada”.

Comprometendo-se a ser a “presidente de todos os liberais”, a liberal considera que, em relação a Rui Rocha, tem “a oferecer um projeto diferente dentro da continuidade dos princípios liberais e do programa liberal”.

“Partilhámos efetivamente a mesma moção de estratégia [na convenção de 2021], mas agora há uma ação de futuro diferente, há outra dinamização e um projeto diferente quer interno quer na forma de atuar externamente”, refere, antecipando que durante a campanha haverá uma diferenciação entre as propostas dos candidatos.

A data da realização da convenção marca, para já, uma diferença entre os opositores.

Se Rui Rocha, em declarações à agência Lusa na terça-feira, anunciou que iria propor ao Conselho Nacional que a convenção se realizasse em janeiro, um mês depois do previsto, para que o tempo não seja uma limitação para quem quiser concorrer, Carla Castro afirma que “dezembro está bem”.

“Não vejo qualquer necessidade em adiar porque o problema das datas foi o condicionamento e os 15 dias antes. Se houve algum problema foi nessa altura”, considera.

A candidata espera uma campanha “boa, construtiva, com respeito e elevação” e, no dia seguinte às eleições seja qual for o resultado, quer todo o partido unido “a continuar a lutar por um Portugal mais liberal”.

Carla Castro acusa Cotrim Figueiredo de condicionar processo eleitoral interno

Questionada sobre o apoio manifestado por João Cotrim Figueiredo a Rui Rocha, Carla Castro demarcou-se da decisão do ainda líder: “posso dizer que, enquanto presidente, eu não o faria”.

Sobre o facto de não ter até ao momento qualquer apoio de colegas de bancada parlamentar – Bernardo Blanco, Joana Cordeiro e Patrícia Gilvaz também estão com Rui Rocha – a liberal vê esta situação “com tranquilidade”.

"Eu tenho uma candidatura e vou ter um programa, um projeto livre, independente, desafetado, que respeita um legado e com propostas positivas e construtivas, focadas em ação e com caráter muito reformista, interno e externo”, refere.

No entanto, para Carla Castro, há um "condicionamento na forma e no 'timing'" quando "uma pessoa apresenta logo” uma candidatura – como aconteceu com Rui Rocha no próprio dia –, lembrando que foi assumido publicamente que o seu opositor soube desta decisão de Cotrim Figueiredo “duas semanas antes”.

Na opinião da liberal, o ainda líder do partido condicionou todo este processo eleitoral “porque deu tempo a quem se pudesse preparar ou a pensar uma Comissão Executiva”.

Relacionados

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados