Há 29 anos, a rainha Isabel II vivia um annus horribilis. Como foi o ano de 2021?

24 nov 2021, 08:00

Uma entrevista que abalou a monarquia, a morte do duque de Edimburgo e a saúde da rainha que começa a dar preocupações. O ano de 2021 não foi um ano favorável para a coroa britânica e a esperança está agora em 2022, ano do jubileu de platina de Isabel II

1992 não é um ano para o qual possa olhar com especial prazer. Nas palavras de um dos meus correspondentes mais queridos: acabou por ser um annus horribilis”.

A 24 de novembro de 1992, dia em que assinalava as quatro décadas de reinado, a rainha Isabel II proferia um dos discursos que o mundo nunca iria esquecer.

Nesse ano, a monarca britânica enfrentou o divórcio de três filhos - o príncipe Andrew e a mulher, a duquesa de York, separaram-se em março, a princesa Anne e o marido separaram-se em abril e o príncipe Carlos e a mulher, a princesa Diana, separaram-se em dezembro -, foi publicado o livro “Diana: a sua verdadeira história", em junho, onde eram revelados detalhes sobre os problemas no casamento dos príncipes de Gales, principalmente o seu romance com Camilla Parker Bowles. Em agosto do mesmo ano, foram publicadas fotos da duquesa de York em topless, e viram a luz as conversas indiscreta que a princesa Diana teve com o suposto amante James Gilbey. Um verão escaldante que culminaria com um incêndio em vésperas de inverno: a 20 de novembro, um fogo deflagrou na capela privada da rainha no Castelo de Windsor.

1992 não é, por isso, um ano do qual a rainha Isabel II guarde boas memórias. No entanto, 2021 não lhe fica atrás.

Novo annus horribilis?

Se 2021 não foi um annus horribilis para a família real britânica, pouco faltou. 

Em plena pandemia, com a rainha e o duque de Edimburgo isolados no Castelo de Windsor, o ano começou com a entrada em vigor do Brexit (que tinha sido assinado a 30 de janeiro do ano anterior) e com um país a braços com o impacto económico dessa decisão e a tentar retomar a normalidade perante uma pandemia que devastou o mundo. 

E se a família real se aguentou estoicamente durante a pandemia, o mesmo não se pode dizer no que aos escândalos reais diz respeito.

Entrevista deixa Reino Unido em suspenso

Em março, a entrevista de Harry e Meghan a Oprah Winfrey caiu como uma bomba no Reino Unido, abalando a monarquia com pesadas acusações de racismo, insensibilidade e relações familiares tensas.

Entre as confissões e desabafos, os duques de Sussex, agora a viver nos EUA, disseram-se aliviados por terem deixado a família real, afirmaram que não lhes foi dado apoio durante a primeira gravidez de Meghan, alegaram que membros da família questionaram “quão escuro” seria Archie, o primeiro filho do casal, - o que levou William a afirmar que não eram uma família racista -, a desconfiança de que existiria disputa entre duquesas foi também adensada na mesma entrevista, com Meghan a contar o que tinha acontecido no casamento, Harry revelou que o príncipe Carlos não lhe atendia os telefonemas e que o apoio financeiro lhe tinha sido cortado por parte da família real, na qual se sentiu preso a maior parte do tempo da sua vida. 

Morte do Duque de Edimburgo

Família que voltaria a reencontrar em abril, mês em que a rainha Isabel II voltaria a sofrer novo golpe. A 9 de abril, a monarca despedia-se do amor da sua vida. Depois de ter passado quatro semanas internado, o príncipe Phillip morreu no Castelo de Windsor aos 99 anos. 

Naquela que foi a primeira vez que o príncipe Harry viajou para o Reino Unido desde que os duques de Sussex deixaram a família real, o neto da rainha viajou sem Meghan - que estava grávida da segunda filha do casal - e reencontrou-se com a família que atacou um mês antes. 

As regras impostas pela pandemia de covid-19 determinaram que apenas 30 pessoas podiam estar na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, e que cada membro da família deveria sentar-se com outro elemento do seu agregado familiar, mantendo uma distância de dois metros dos outros grupos. A Rainha, atualmente com 94 anos, passou o último ano apenas com o marido, e por isso assistiu à cerimónia sozinha, vestida de preto, com um discreto chapéu e uma máscara na cara.

E se o dia do funeral do seu companheiro de vida já foi por si difícil, o dia ficou ainda pior quando a rainha foi informada que o seu melhor amigo, Sir Michael Oswald, tinha morrido naquele mesmo sábado aos 86 anos. 

Problemas de saúde

Após a morte do marido, a rainha ficou um mês afastada da vida pública. A 12 de maio, Isabel II reabriu formalmente o parlamento britânico e contou com o apoio do filho, o príncipe Carlos.

Mas, em outubro, durante um serviço religioso na Abadia de Westminster, em Londres, o apoio de Isabel II foi outro. Acompanhada pela filha, a princesa Anne, a rainha chegou ao centenário da Legião Real Britânica, organização de beneficência das Forças Armadas, apoiada numa bengala, acessório com o qual não era vista desde 2004.

O acessório é sinal de que a saúde da rainha começa a pedir mais cuidados e prova disso foi que, sete dias depois, a monarca cancelou uma viagem à Irlanda do Norte depois de ter sido aconselhada por uma equipa de médicos a "descansar uns dias" e acabou mesmo por passar a noite no hospital - a primeira em oito anos - para fazer exames. 

As notícias de que a saúde de Isabel II começa ser motivo de preocupação deixou os britânicos em alerta e o Palácio de Buckingham fez questão de dar a conhecer que, apenas seis dias depois de ter passado a noite no hospital, a monarca voltou ao trabalho e que mantém uma agenda atarefada, ainda conduz (sobretudo à volta das suas propriedades) e ainda é capaz de montar os seus cavalos em Windsor.

Mas foi sol de pouca dura. Três dias depois, a rainha foi mais uma vez aconselhada a descansar durante pelo menos duas semanas. E, relutantemente, a rainha assim o fez. Perante o cumprimento das recomendações, a equipa médica que a acompanha acabou por autorizar que se deslocasse a Sandringham para dar início às preparações para o Natal, mesmo tendo a presença na missa do "Domingo da Memória", a 14 de novembro, na agenda.

A viagem decorreu sem sobressaltos e, a 9 de novembro, a rainha voltou a Windsor "refrescada". Mas a boa disposição de Isabel II rapidamente se dissipou quando, no dia 14 teve de cancelar a presença na cerimónia do "Domingo da Memória" devido a uma lesão muscular nas costas.

O Domingo da Memória é um dos eventos mais relevantes no calendário da rainha, que serviu na Segunda Guerra Mundial como motorista do exército e esta seria a primeira aparição pública da monarca, de 95 anos de idade, depois de, por conselho médico, ter cancelado vários eventos em outubro e novembro.

Com o jubileu de platina marcado de 2 a 5 de junho de 2022, as preocupações com a saúde da rainha Isabel II adensam-se a cada dia que passa. 

Espera-se que 2022 seja um ano positivo e em cheio para a monarquia britânica que ao longo do ano irá assinalar as sete décadas de Isabel II ao serviço da coroa britânica com vários eventos para os súbditos.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados