Centeno defende que não se adoptem medidas pró-cíclicas contra a inflação

Agência Lusa , MJC
1 set, 13:05
Mário Centeno (Lusa/ José Sena Goulão)

O governador do Banco de Portugal alerta para medidas que "depois possam vir a ter que ser corrigidas com outras políticas”

O governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, defendeu hoje que não se devem implementar medidas pró-cíclicas para responder ao impacto da inflação.

“Aquilo que eu volto a apelar é para que não se promovam políticas pró-cíclicas que depois possam vir a ter que ser corrigidas com outras políticas”, disse Mário Centeno em declarações aos jornalistas à margem das conferências do Estoril, que começaram hoje na Nova School Business & Economics (SBE), em Cascais.

O ex-ministro das Finanças foi questionado sobre o impacto da inflação, numa altura em que o Governo se prepara para aprovar na próxima segunda-feira o pacote de medidas de apoio ao rendimento das famílias.

Para o responsável do supervisor bancário, “não devemos ser exuberantes quando a economia cresce, quando o desemprego está em mínimos históricos, quando os salários crescem mais do que cresceram nos últimos anos, quando a economia está em recuperação”.

Mário Centeno justificou que, posteriormente, quando houver um período de desaceleração essas políticas tendem a ter uma restrição maior sobre si próprias e tendem a ser também nesses momentos pró-cíclicas, que, disse, “é tudo o que devemos evitar”.

“Há uma regra básica das políticas económicas, que é evitar a pró-ciclicidade”, vincou, considerando ser necessária uma “enorme” coordenação de políticas a nível nacional e europeu.

“Devemos olhar para os números, devemos olhar para a realidade, para aquilo que o mercado de trabalho nos diz. Os salários estão a crescer em Portugal, em média, próximo de 4%, o crescimento do emprego nas declarações feitas à segurança social é próximo dos 6%”, disse.

Apesar de admitir que todos devem "ficar preocupados, agir como consumidores, como decisores de política face a números como aquele" que tem sido visto da inflação, Centeno acredita que se deve olhar para a situação com “alguma tranquilidade”.

“Devemos todos ter a consciência da necessidade de ter esta perspetiva mais longa nestes processos”, vincou, exemplificando que os preços em termos anuais de algumas matérias-primas, como o cobre e o alumínio, já começaram a descer.

Centeno reiterou a convicção de que a inflação vai desacelerar e "voltar paulatinamente, provavelmente mais paulatinamente do que desejávamos, para níveis compatíveis com os objetivos do Banco Central Europeu".

Relacionados

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados