Sistema de emergência médica reforçado a partir de agosto

Agência Lusa , CF
28 jul, 17:09
Ambulância. Foto: AP

INEM especifica que o reforço do dispositivo de emergência se traduz "no acréscimo de 33 meios a nível nacional", que deverá "torná-lo mais eficiente" nos meses de agosto e setembro

O Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) será reforçado, a partir de 1 de agosto, com mais 10 ambulâncias a funcionar em zonas onde se tem verificado uma maior procura dos serviços, anunciou esta quinta-feira o INEM.

Segundo um comunicado do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), no total, "o reforço do dispositivo de emergência médica traduz-se no acréscimo de 33 meios a nível nacional".

O comunicado refere que, face ao aumento do volume de serviços de emergência médica que se tem verificado, o INEM em articulação com os seus parceiros do SIEM – corpos de bombeiros (CB) e Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) - "preparou um novo reforço do dispositivo dos meios de emergência médica, de forma a torná-lo mais eficiente" nos meses de agosto e setembro.

No norte do país, o dispositivo passa a contar com mais três Postos de Emergência Médica (PEM) nas delegações da CVP de Braga, Vila do Conde (ambulância a operar em Matosinhos) e Sanguedo (Santa Maria da Feira).

Na zona sul, e concretamente no distrito de Setúbal, haverá o acréscimo de sete novos PEM: Bombeiros de Pinhal Novo, de Santo André, de Alvalade (Sado), de Grândola, do Barreiro - Corpo de Salvação Pública, e bombeiros de Sesimbra e Santiago do Cacém.

"A atividade destes novos PEM decorrerá até 30 de setembro, juntando-se assim aos meios que desde o início de junho têm reforçado o dispositivo, num total de 33 meios de emergência médica", esclarece o INEM.

Na qualidade de entidade responsável pelo SIEM em Portugal continental, cabe ao INEM "acompanhar e analisar de forma constante as necessidades reais da população" e, sempre que necessário, "ajustar ou reforçar os meios de emergência para adequar a capacidade do sistema".

"Desta forma, o presente plano continuará a ser monitorizado, com acompanhamento constante da evolução dos níveis de acionamentos por região, podendo ser ajustado ou reforçado em função da procura operacional, em termos temporais e geográficos", precisa o INEM.

Na quarta-feira, a Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) mostrou-se preocupada com a incapacidade manifestada pelo INEM em responder às solicitações diárias no que toca aos Serviços Médicos de Emergência.

"Insistir na tecla `casos pontuais´ é um erro e os dados de que dispomos atualmente indicam um aumento significativo de inoperância do sistema", refere a ANTEM, aludindo a recentes declarações do secretário de Estado adjunto e da Saúde sobre os problemas existentes.

Em relação às declarações sobre a correção das situações anómalas detetadas, a ANTEM contrapõe que "a tentativa da correção já dura há demasiado tempo", observando que, entretanto, se vai assistindo "à ineficácia de um serviço público que não garante o acesso aos cuidados mínimos de emergência médica de forma igualitária em todo o país".

No entender da ANTEM, a atual situação do INEM não é pontual, mas antes uma "situação recorrente, que tende a tornar-se crónica", afetando todos os dias "cidadãos que aguardam por cuidados, muitas vezes atrasados e insuficientes", que aumentam "a mortalidade e a morbilidade".

País

Mais País

Patrocinados