Adolescente indiano mata duas pessoas enquanto conduz embriagado. Como castigo tem de escrever um texto sobre segurança rodoviária

CNN , Rhea Mogul e Esha Mitra
22 mai, 19:06
Índia (AP)

Decisão do tribunal está a provocar a revolta popular na Índia

A raiva está a crescer na Índia depois de um adolescente, que alegadamente matou duas pessoas enquanto conduzia embriagado, ter sido condenado, como castigo, a escrever apenas um texto. Muitas pessoas exigem uma pena mais severa e acusam o poder judicial de clemência.

No domingo, o jovem de 17 anos seguia supostamente a alta velocidade num Porsche, na cidade de Pune, quando o veículo bateu numa motocicleta, matando duas pessoas, segundo o vice-ministro do Estado de Maharashtra, Devendra Fadnavis.

O menor foi detido e posteriormente apresentado ao Conselho de Justiça Juvenil, tendo sido libertado sob fiança e punido com 15 dias de serviço comunitário, além de ter de escrever um texto sobre segurança rodoviária, disse Fadnavis.

“A indignação cresceu depois disso. Segundo a polícia, o rapaz tem 17 anos e 8 meses. Este é um crime hediondo”, disse aos jornalistas na terça-feira, apontando para as alterações de 2015 às leis juvenis da Índia, que permitem que jovens com mais de 16 anos sejam julgados como adultos se cometerem um crime considerado “hediondo”. “Esta ordem que foi aprovada (pelo Conselho de Justiça Juvenil) foi surpreendente ”, considerou Fadnavis.

A CNN tentou entrar em contato com o advogado do jovem, Prashant Patil.

Fadnavis acrescentou que a polícia de Pune está a investigar o menor por suposto homicídio qualificado, que não equivale a homicídio. E explicou que também pediu ao Tribunal de Menores que revisse a ordem de libertação sob fiança.

Imagens de videovigilância, supostamente de momentos antes do acidente, mostram um Porsche branco a acelerar numa estrada principal movimentada. Depois, pode ver-se várias pessoas a correr para o local do acidente, que não aparece no vídeo que foi amplamente partilhado nas redes sociais e transmitido em canais de notícias locais.

O pai do menor foi preso por alegadamente permitir que o seu filho conduzisse, de acordo com o comissário de polícia de Pune, Amitesh Kumar. Na Índia, a idade legal para conduzir é 18 anos. Três pessoas que serviram bebidas alcoólicas a menores também foram presas, acrescentou Kumar. “Adotámos uma abordagem o mais rigorosa possível e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir que as duas jovens vidas que foram perdidas obtenham justiça e que o acusado seja devidamente punido”, disse o comissário.

O incidente dominou as manchetes na Índia e provocou uma raiva generalizada, com muitas pessoas a recorrer às redes sociais para condenar as condições da fiança do rapaz.

Suresh Koshta, cuja filha de 24 anos morreu no acidente, instou as autoridades a tomarem medidas mais duras contra o condutor. “Foi errado (permitir que o menor dirigisse)”, disse aos repórteres, à porta de casa, enquanto tentava conter as lágrimas. “É preciso primeiro saber conduzir.”

Rahul Gandhi, líder do principal partido da oposição na Índia, o Congresso Nacional Indiano, questionou se um motorista de autocarro ou de táxi receberia a mesma punição. “Se um filho de 16 ou 17 anos de uma família rica, conduzindo um Porsche sob influência de álcool, for apanhado, tem de escrever uma redação”, disse Gandhi num vídeo publicado na rede social X (antigo Twitter). “Por que esses castigos não são atribuídos a camionistas ou motoristas de autocarro?”

Esta não é a primeira vez que o veredito de um tribunal é criticado desta forma. Em 2015, a superestrela de Bollywood Salman Khan, que enfrentava uma longa pena de prisão por um atropelamento fatal, acabou por ficar em liberdade quando o Tribunal Superior de Bombaim rejeitou a sua condenação por falta de provas, causando indignação generalizada. “Com base nas provas produzidas pela acusação, o arguido não pode ser condenado, por mais que as pessoas comuns pensem de maneira diferente", disse o tribunal.

O atropelamento ocorreu à porta de uma padaria de Mumbai em setembro de 2002 e os promotores acusaram Khan de ter perdido o controlo do seu veículo e ter atropelado cinco homens que estavam ali a dormir. O ator regressava de um bar depois de uma noite de bebedeira, disseram. Khan argumentou que não era o motorista. Uma das vítimas morreu; os outros ficaram feridos.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados