Incêndios: Governo declara situação de alerta entre domingo e terça-feira

19 ago, 13:48
Ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro (António Cotrim/ LUSA)

25 patrulhas das Forças Armadas vão reforçar vigilância no terreno, segundo o ministro da Administração Interna

O Governo declarou esta sexta-feira situação de alerta em todo o território continental para os dias 21, 22 e 23, estando agendada uma reavaliação da situação para segunda-feira.

O anúncio foi feito pelo ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, em conferência de imprensa realizada na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, em Carnaxide, que adiantou que, para estes dias, estão previstas “especiais limitações quanto ao uso de fogo, de máquinas e de trabalhos agrícolas, bem como no que diz respeito ao acesso aos espaços florestais”.

“Foi decidido ainda dar prosseguimento ao reforço do patrulhamento dissuasor” por parte de 25 patrulhas das Forças Armadas, que, disse o ministro, “reforçarão todos os meios já hoje no terreno e em todo o país”, assim como da Guarda Nacional Republicana”.

Irá também ser feito um “reforço às condições de trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Polícia Judiciária, na medida em que combater o incendiarismo é uma prioridade, tendo em consideração que se acentuou muito particularmente nos últimos 15 dias, três semanas”.

O ministro disse que a decisão tem por base o “desgaste que se vai fazendo sentir e a necessidade que se tem vindo a sentir” no que diz respeito à “mobilização dos bombeiros voluntários, que são também trabalhadores no setor público e no setor privado e que necessitam de mecanismos mais ágeis para serem mobilizados”.

Autorizada contratação de mais 500 bombeiros

A Proteção Civil foi autorizada a reforçar o combate aos incêndios com a contratação de mais 500 bombeiros, anunciou ainda José Luís Carneiro.

“A ANEPC fica com autorização para avançar com a contratação de mais 100 equipas de bombeiros, o que significa mais 500 homens, tendo em vista reforçar os meios humanos e permitir que esta reposição de meios mantenha o vigor e a eficácia que tem existido até agora”, indicou o governante, sublinhando que 90% dos incêndios têm sido debelados em 90 minutos.

O ministro confirmou também a antecipação de pagamentos às corporações de bombeiros, num montante que ascende a mais de um milhão de euros.

“Decidimos antecipar os pagamentos às corporações de bombeiros que têm tido o esforço de integração no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR)”, sublinhou.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados