Número de incêndios diminuiu esta segunda-feira, mas o perigo nos próximos dias é elevado

Agência Lusa , FMC
11 jul, 21:47
Portugal em risco máximo de incêndio (Paulo Cunha/Lusa)

Comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil alertou para a necessidade de todas as pessoas adotarem comportamentos adequados

Portugal registou esta segunda-feira, até às 18:30, 79 incêndios florestais, menos 22 do que em igual período de domingo, estando apenas um ativo, em Vila Nova de Foz Coa, Guarda, informou a Proteção Civil.

Num balanço do dia na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o Comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil, André Fernandes, disse que o incêndio que esta segunda-feira mereceu mais preocupações foi um que eclodiu em Figueira de Castelo Rodrigo, Guarda, que consumiu 72 hectares, e que já está dominado, e que envolveu 151 operacionais.

Porto foi o distrito com maior número de ocorrências, 14, seguindo-se a Guarda, Vila Real e Braga.

O responsável, que destacou as “condições meteorológicas extremas” em cerca de 80% do país e o “risco excecional” de incêndios para os próximos dias, “valores que nunca foram registados”, alertou para a necessidade de todas as pessoas adotarem comportamentos adequados, não só de risco como de autoproteção.

Quanto ao reforço operacional André Fernandes disse que se mantém um reforço substancial nos incêndios dominados nos últimos dias e disse que há mais uma vítima entre os operacionais assistidos (esta segunda-feira em Figueira de Castelo Rodrigo), elevando para 47 o número total desde 8 de julho. Ao todo há um total de 74 pessoas assistidas, o caso mais grave é o de um bombeiro com uma fratura exposta num pulso, e não há vítimas mortais.

Quanto a danos apurados nos grandes incêndios dos últimos dias, no distrito de Santarém, concelho de Ourém, registaram-se danos em 11 habitações, três anexos e uma oficina, e no distrito de Leiria, concelho de Pombal, danos em quatro habitações e uma 'roulotte'. De todas as habitações afetadas só duas são de primeira habitação e as outras devolutas.

Nos incêndios já dominados e que começaram no dia 7 estão ainda empenhados cerca de 1.110 operacionais a fazer operações de rescaldo, 368 meios terrestres e sete meios aéreos. “Não estão afastadas as hipóteses de haver reativações”, avisou.

“Desde o dia 7 até ao dia de hoje (segunda-feira) contamos com uma área ardida estimada em 5.736 hectares”, disse também André Fernandes.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê para os próximos dias temperaturas superiores a 40 graus em grande parte do país.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados