Incêndios: Mais de 1.000 operacionais e 25 meios aéreos combatiam cinco fogos às 18:00

Agência Lusa , PP
31 jul, 19:28
Incêndio nas Colmeias, Leiria (AP Photo/Armando Franca)

Às 18:00 o fogo que deflagrou às 15:25 no concelho de Ourém, distrito de Santarém, era o que mobilizava mais meios, com 333 bombeiros apoiados por 91 viaturas e nove meios aéreos

Mais de 1.000 operacionais, apoiados por 25 meios aéreos, combatiam às 18:00 de hoje os cinco fogos ativos em Portugal continental que geravam mais preocupação, nos distritos de Lisboa, Porto, Bragança e Santarém, segundo a Proteção Civil.

De acordo com a informação disponível às 18:00 no ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o fogo que deflagrou às 15:25 no concelho de Ourém, distrito de Santarém, era o que mobilizava mais meios, com 333 bombeiros apoiados por 91 viaturas e nove meios aéreos.

Pelas 17:10, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém explicou à Lusa que o fogo na localidade de Casal do Ribeiro, na freguesia de Rio de Couros e Casal dos Bernardos, tinha uma frente ativa com diversas projeções.

Também com maiores dimensões, o fogo em Avessada, concelho de Mafra, distrito de Lisboa, era combatido por 321 bombeiros, apoiados por 85 meios terrestres e seis meios aéreos.

Ainda no distrito de Lisboa, em Bairro, concelho de Alenquer, o fogo florestal que teve início às 15:41 mobilizava 103 operacionais, apoiados por 28 viaturas e três meios aéreos.

Já em Meixomil, concelho de Paços de Ferreira, distrito do Porto, o fogo que começou às 12:25 mobilizava às 18:00 151 operacionais com 41 viaturas e três meios aéreos.

Em Sapeira, no concelho de Bragança, o incêndio que lavra desde as 15:01 era combatido com 111 bombeiros, com o apoio de 35 viaturas e quatro meios aéreos.

No total, estes cinco fogos ativos mobilizavam, pelas 18:00, 1.119 operacionais, apoiados por 280 viaturas e 25 meios aéreos.

Nos fogos em resolução, estavam ainda mobilizados, às 18:00, 457 bombeiros, com o apoio de 121 meios terrestres e dois meios aéreos.

O incêndio que teve início na quarta-feira no concelho de Vila Pouca de Aguiar, que foi várias vezes dominado e alvo de reacendimentos, mantinha no terreno 208 operacionais, com 61 viaturas e um meio aéreo, em trabalhos de consolidação.

Cerca de 120 concelhos localizados sobretudo no interior Norte e Centro do país apresentam hoje perigo máximo de incêndio rural, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A maioria dos concelhos do Norte e do Centro estão em risco máximo de incêndio, o Algarve está tendencialmente em risco muito elevado e quase todo o Alentejo em risco elevado de incêndio, segundo o IPMA.

Em risco moderado de incêndio estão apenas 21 municípios do continente, localizados numa faixa amarela junto ao litoral da costa ocidental, entre Oliveira do Bairro (Aveiro) e Póvoa de Varzim (Porto) e na região Oeste, além dos municípios de Setúbal Sines, Albufeira, Faro e Olhão.

O perigo de incêndio rural vai manter-se em risco máximo de incêndio no interior Norte e Centro do continente pelo menos até quinta-feira, prevê o IPMA.

País

Mais País

Patrocinados