Cerca de 1.800 operacionais combatem fogos. O ponto de situação do terreno

Agência Lusa , FMC
22 ago, 09:56
Incêndio na Covilhã (Miguel Pereira Da Silva/ Lusa)

O incêndio que gera maior preocupação atualmente é o do concelho de Vila Real

Cerca de 1.800 operacionais estavam pelas 09:30 envolvidos no combate aos incêndios em território continental, sendo que mais de 600 combatiam os três maiores em curso, nos distritos de Vila Real e Viana do Castelo, segundo a Proteção Civil.

De acordo com a informação disponível na página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), no total estavam envolvidos no combate aos incêndios 1.815 elementos das forças de socorro e segurança, dos quais 623 em fogos ainda ”em curso”, 600 em incêndios já “em resolução” e 592 em fogos “em conclusão”.

O incêndio ainda em curso que mais meios mobilizava pelas 09:30 desta segunda-feira era o que deflagrou no domingo em Samardã, no concelho de Vila Real, onde estavam 442 elementos, apoiados por 128 viaturas e sete meios aéreos.

Segundo o comandante distrital de operações de socorro (CODIS) de Vila Real, Miguel Fonseca, “o incêndio mantém-se ativo, com três frentes, embora uma delas a apresentar maior preocupação, que é esta frente que se desenvolve na cumeada do Alvão (serra)”.

No concelho de Mesão Frio, também distrito de Vila Real, combatiam o incêndio que deflagrou pelas 15:00 de domingo, na localidade de Rojão do Meio, 82 elementos, apoiados por 21 viaturas e três meios aéreos.

No concelho de Monção, distrito de Viana do Castelo, o incêndio que deflagrou pelas 15:30 de domingo na freguesia de Troporiz e Lapela estava a ser combatido por 98 elementos, apoiados por 30 viaturas.

Já em Ourém, distrito de Santarém, no incêndio que gerou preocupações no domingo e que já está em resolução, mantinham-se 257 elementos, apoiados por 86 viaturas e um meio aéreo.

No incêndio de Alenquer, distrito de Lisboa, no fogo que teve início no domingo e que pelas 09:00 estava “em conclusão”, mantinham-se 144 elementos, apoiados por 49 viaturas.

Em Bragança, no incêndio de Carrazeda de Ansiães, que segundo a Proteção Civil também já está “em resolução”, mantinham-se no terreno 109 elementos, apoiados por 37 viaturas e um meio aéreo.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou esta segunda-feira em risco máximo de incêndio mais de 100 concelhos dos distritos de Bragança, Vila Real, Porto, Aveiro, Viseu, Coimbra, Leiria, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro.

Dezenas de outros concelhos de todos os distritos de Portugal continental estão em perigo muito elevado e elevado de incêndio rural.

Segundo o instituto, o perigo de incêndio rural vai manter-se elevado em algumas regiões do continente pelo menos até sexta-feira.

O perigo de incêndio, determinado pelo IPMA, tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo e os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Relacionados

Meteorologia

Mais Meteorologia

Patrocinados