Reino Unido avança com imposto sobre petrolíferas de que Portugal abdicou

CNN Portugal | CNN , Anna Cooban
30 mai, 07:01

Governo português chegou a acenar com um imposto sobre os lucros extraordinários das petrolíferas em tempo de guerra, mas acabou por recuar. O Reino Unido acaba de avançar precisamente com um imposto semelhante

Portugal falou mas não avançou, o Reino Unido não disse mas criou: um imposto sobre os lucros extraordinários das petrolíferas, que estão a ganhar mais dinheiro este ano com o aumento da cotação internacional do petróleo.

O nome técnico é “windfall tax”, um imposto que tributa lucros obtidos por empresas que beneficiam de condições que não controlam nem provocaram.

A 8 de abril, o ministro da Economia admitiu lançar essa solução em Portugal, afirmando poucos dias depois que "para já não há nenhuma medida desse teor". A 19 de abril, a ideia do imposto caiu definitivamente, “nesta altura não estamos a considerar de todo”, afirmou António Costa e Silva. No dia seguinte, o presidente executivo da Galp, que aumentou consideravelmente os lucros no primeiro trimestre deste ano, elogiou o ministro da Economia por não avançar com o imposto.

(A Galp lucrou 155 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, seis vezes mais do que no mesmo período do ano passado.)

Mas houve um país onde a ideia passou à prática.

Reino Unido atinge empresas de petróleo e gás com imposto de 5,6 mil milhões

O governo do Reino Unido vai introduzir um imposto de cinco mil milhões de libras [5,6 mil milhões de euros] sobre os lucros inesperados das empresas de petróleo e gás, cedendo à pressão de ativistas para arrecadar dinheiro para ajudar milhões de pessoas que lutam com a pior crise de custo de vida em décadas.

O ministro das Finanças, Rishi Sunak, divulgou na quinta-feira o novo imposto de 25% sobre os lucros de produtores de energia como BP e Shell. A taxa será eliminada quando os preços do petróleo e do gás voltarem a níveis mais normais, afirmou.

"O setor de petróleo e gás está a obter lucros extraordinários, não em resultado de mudanças recentes, riscos, inovação ou eficiência, mas em resultado do aumento dos preços globais das matérias-primas", disse Sunak no parlamento.

O imposto ajudará a financiar um novo pacote de benefícios no valor de cerca de 15 mil milhões de libras (17,6 mil milhões de euros). Sunak afirmou que o governo fará pagamentos diretos pontuais a milhões das famílias mais vulneráveis ​​do país. Cerca de oito milhões de famílias de baixo rendimento receberão 650 libras [764 euros] em duas parcelas ainda este ano, enquanto outros oito milhões de pensionistas receberão 300 libras [352 euros].

Empresas como a BP e a Shell arrecadaram um lucro combinado de 32 mil milhões de dólares [quase 30 mil milhões de euros] no ano passado, devido ao aumento dos preços globais do petróleo e do gás natural. A invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro elevou os preços ainda mais, por receios de que o conflito leve à escassez de energia.

As famílias sofreram um grande golpe. Na terça-feira, o chefe do regulador de energia do Reino Unido disse esperar que as contas anuais de milhões de residências saltem 40% para cerca de 2.800 libras (cerca de 3.250 euros) a partir de outubro. Isso é apenas seis meses depois de o regulador elevar o seu preço máximo - o máximo que os fornecedores podem cobrar aos clientes por unidade de energia - em 54%, o maior aumento desde que começou a limitar os preços há cinco anos.

As contas de energia têm alimentado aumentos de preços em toda a economia. Em abril, a inflação dos preços ao consumidor no Reino Unido atingiu 9% – seu nível mais alto em 40 anos. E como os salários não conseguiram acompanhar o aumento dos custos de alimentos e combustíveis, os padrões de vida caíram para o nível mais baixo desde a década de 1950, de acordo com o Office for Budget Responsibility do Reino Unido.

Em fevereiro, Sunak deu algum alívio, oferecendo às famílias 200 libras [235 euros] de desconto nas suas contas de energia a partir de outubro, que serão pagas em parcelas nos próximos anos. Na quinta-feira, Sunak duplicou o desconto e disse que nada precisaria ser devolvido. "Este apoio é agora inequivocamente oferecido", disse.

O Financial Times informou no início desta semana que o governo também visaria os lucros abundantes de grandes empresas produtoras de eletricidade, como EDF e a RWE. Mas Sunak disse que é necessário mais tempo para que o seu departamento apresente um plano para o setor de energia.

Ativistas saudaram medidas

“O chanceler ouviu claramente as preocupações de que o apoio aos que sofrem de pobreza de combustível precisa de ser generalizado, mas também focado nos grupos mais vulneráveis”, disse Simon Francis, coordenador da End Fuel Poverty Coalition, à CNN.

Francisco acrescentou que, embora as novas medidas "retirem o ferrão" dos recentes aumentos nos preços da energia, as pessoas em situação de pobreza de combustível precisam de mais garantias de que o apoio estará disponível no médio prazo.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Negócios

Mais Negócios

Patrocinados