II Liga: Rio Ave-Desp. Chaves, 3-0 (crónica)

15 mai, 12:52

O regresso anunciado de um campeão precoce

Um ano depois, o Rio Ave está de regresso ao escalão principal. A equipa de Vila do Conde garantiu o primeiro lugar e o troféu da II Liga, na sequência de um triunfo frente ao Desp. Chaves (3-0) na derradeira jornada da competição.

O Casa Pia acompanha o Rio Ave na subida direta, enquanto a formação flaviense termina na 3.ª posição e vai disputar um play-off decisivo com o Moreirense, 15.º classificado da Liga.

O filme do regresso vila-condense à Liga tem um ator principal. Aos 36 anos, a cumprir a décima temporada como treinador, Luís Freire garantiu neste domingo a sétima (!) subida de divisão.

O jovem técnico iniciou a caminhada a solo com 26 anos e promoveu duas vezes o Ericeirense e o Pêro Pinheiro nos distritais de Lisboa. Em 2018, venceu o Campeonato de Portugal com o Mafra. Em 2020, terminou em primeiro na II Liga com o Nacional. Dois anos mais tarde, garante nova promoção ao escalão principal. Descubra a epopeia incrível do «ninja».

A decisão em 52 segundos de jogo

A história deste campeão precoce passa igualmente por Aziz, o avançado ganês que abateu a resistência do Desportivo de Chaves em apenas 52 segundos de jogo. Gabrielzinho, uma seta no flanco esquerdo do Rio Ave, cruzou para o centro da área, Joca atirou para defesa de Paulo Vítor e Aziz marcou na recarga.

À mesma hora, o Casa Pia arrancava para uma goleada impressionante no Estádio do Mar, reduto do Leixões. Face a este cenário, a equipa orientada por Vítor Campelos precisaria de uma reviravolta para evitar a terceira posição na tabela classificativa.

Os flavienses assumiram o domínio territorial do encontro, perante um Rio Ave que se escolheu em demasiada, não disfarçando a ansiedade.

Ainda assim, em contra-ataque, os locais ainda tentaram o 2-0 antes do intervalo, na sequência de um grande trabalho individual de Costinha (30m). O melhor que o Desp. Chaves conseguiu foi uma ameaça de golo por intermédio de Patrick, aproveitando uma falha de Jhonatan (40m).

A segunda parte do encontro, perante casa cheia em Vila do Conde, prometia os mesmos ingredientes. Porém, a equipa de Luís Freire regressou com maior serenidade, enquanto os flavienses iam denotando um progressivo descontrolo emocional, à medida que os ponteiros do relógio avançavam.

O Rio Ave, clube com estrutura de Liga, agarrou-se à perspetiva de um regresso que se adivinhava desde o início da temporada. De facto, as condições que os vila-condenses apresentam, aliadas a um treinador talentosos e a um punhado de jogadores com qualidade superior, eram ingredientes fortes para o sucesso.

Jogadores como Joca, Guga, Costinha ou Gabrielzinho merecem os principais palcos.

Desnorte flaviense na festa de Aderllan

O Desportivo de Chaves de Vítor Campelos, também ele com fortes argumentos para discutir a subida, demonstrou ser uma equipa com mais músculo, mais centímetros até que o Rio Ave, mas foi uma sombra de si mesma na segunda metade do encontro e não conseguiu evitar o último lugar do pódio.

O treinador, votado como o melhor da II Liga em abril, ainda tentou agitar o jogo com as entradas de Juninho e Platiny ao minuto 66. Porém, o cabeceamento de Patrick à trave, pouco antes, foi o melhor que os transmontanos conseguiram fazer na etapa complementar.

Na reta final do encontro, já depois de Luís Rocha ter sido expulso por acumulação de cartolinas amarelas, o experiente Aderllan Santos foi à área contrária bisar em lances de bola parada (77m e 80m), confirmando a manhã gloriosa dos locais.

O Rio Ave festeja o regresso à Liga e o título de campeão do segundo escalão. Para o Desportivo de Chaves, que está afastado do convívio com os grandes desde 2019, segue-se o play-off decisivo com o Moreirense.

Relacionados

Patrocinados