Hotelaria enfrenta “tempestade perfeita” para falta de trabalhadores

Agência Lusa , WL
12 dez 2021, 12:28
Hotel
Hotel

Diretores de hotéis avisam que salários baixos e horários pouco flexíveis estão a afastar jovens do setor

PUB

A Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal (ADHP) alerta que há vários fatores a contribuir para a falta de mão-de-obra no setor, conduzindo a "uma tempestade perfeita". O presidente da direção da ADHP lembrou que a associação tem colocado o tema em cima da mesa “há vários anos”.

“Iria acontecer naturalmente, quer pela evolução da economia e pela diminuição do desemprego, quer pela falta de alternativa de capital que a área do turismo tem e depois pela competitividade exterior com outros países", afirmou Raul Ferreira à Lusa.

PUB

O responsável lembra que os salários baixos são “um problema interno do país”, realçando que no setor turístico e hoteleiro “é mais visível”: isto porque se pedem “qualificações maiores às pessoas, como seja o falar línguas” ou a “seriedade para se mexer em dinheiro”. Na opinião deste porta-voz dos diretores de hotéis, estas exigências não são contrapostas por “um valor acrescentando à vida das pessoas”.

"Qualquer pessoa serve para tudo – na receção é necessário falar inglês – e depois nada disto é coerente com o serviço, com os prémios que queremos ganhar ou com a imagem que queremos passar", avisou.

PUB
PUB
PUB

Um dos setores onde há “um fugir da mão-de-obra”, aponta, é o dos hospitais privados, que “hoje em dia têm receções com pessoas como os hotéis”. A esta concorrência interna junta-se a do mercado internacional, como acontece com os cruzeiros.

Há ainda que ter em conta, juntou, o facto de muitos alunos das escolas superiores de turismo optarem por trabalhar no estrangeiro por aí encontrarem maior margem de progressão.

O presidente da ADHP admitiu que quando os hotéis reabriram na pandemia não havia mão-de-obra para "aguentar esse crescimento rápido, porque muitos [trabalhadores] mudaram de profissão, estão em fundos de desemprego, e não sabem quando é que iriam ser dispensados outra vez, como foram".

Falta “vontade” para resolver o problema”

A ADHP defende que "não há vontade ainda" para se trabalhar em conjunto em soluções para a falta de mão-de-obra no setor, embora comece "a haver espaço" para esse diálogo.

"A Agenda para o Trabalho Digno, se avançar, cria grandes constrangimentos com as empresas de trabalho temporário. Quer dizer que vai aumentar mais esta dificuldade que o setor sente em contratar [trabalhadores]. Acho que é um trabalho que vai ter de ser pensado a médio prazo. Se calhar é altura de todos darmos as mãos, trabalharmos em conjunto e percebermos o mercado", considerou Raul Ferreira.

PUB
PUB
PUB

Entre as prioridades, o porta-voz destacou a “flexibilização de horários”, também numa perspetiva de captar jovens para o setor. Para que, “por exemplo, possamos aumentar os horários uns dias e as pessoas por sistema poderem trabalhar quatro dias em vez de trabalharem cinco”, argumentou. No entanto, diz não sentir ainda abertura por parte dos sindicatos ou do patronato.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Economia

Mais Economia

Patrocinados