Hospital S. João não cumpre mínimos legais nas escalas de obstetrícia

20 set, 07:15
Hospital de São João, no Porto

REVISTA DE IMPRENSA. Recurso a médicos internos em causa. Ordem dos Médicos já questionou a direção clínica

O Hospital S. João, no Porto, não está a cumprir os mínimos legais nas escalas da Urgência de Ginecologia/Obstetrícia. Em causa, denuncia o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) ao Jornal de Notícias, está o recurso abusivo a médicos internos.

Só este mês, de acordo com o sindicato, há 22 irregularidades no mapa das escalas. Os horários, noturnos e diurnos, estão a ser ocupados por internos que têm menos experiência que a exigida.

De acordo com um documento a que o JN teve acesso, o próprio hospital reconhece o problema. “Uma vez que algumas das equipas têm internos do 4.º ano como terceiro elemento [quando só poderiam ser do 5.º ou 6.º] e de 1.º ano como quarto elemento [quando só poderiam ter do 2.º ao 6.º], haverá um especialista que poderá dar apoio, caso o chefe de equipa ache necessário”, pode ler-se.

Ao JN, o bastonário da Ordem dos Médicos Miguel Guimarães afirma que o problema é “grave” pois reduz a qualidade do serviço, e garante que já enviou “um ofício comum à diretora clínica e à diretora do serviço de Obstetrícia a pedir explicações sobre a escala”. “Em agosto, já tinha havido problemas, poucos, mas agora há demasiados problemas”, refere.

O jornal explica que, por ter 1500 a 2500 partos anuais, o S. João é um hospital de apoio perinatal diferenciado, precisando sempre de um mínimo de quatro especialistas em presença física na escala de urgência, de acordo com as regras definidas pela Ordem dos Médicos.

País

Mais País

Patrocinados