Depois de "Sexo e a Cidade": agora são só três e há muito menos sexo

9 dez 2021, 21:59

Já estão disponíveis na HBO os primeiros episódios de "And Just Like That", a sequela da série que em 1998 nos apresentou Carrie, Miranda, Samantha e Charlotte. As personagens envelheceram e a série também

PUB

"Sexo e a Cidade" estreou em 1998 e tornou-se bastante popular, na altura, pela forma como colocou as mulheres no centro da narrativa, falando abertamente sobre os problemas e as paixões das mulheres. Carrie (interpretada pela atriz Sarah Jessica Parker), Charlotte (Kristin Davis), Miranda (Cynthia Nixon) e Samantha (Kim Catrall) eram as quatro amigas que saíram do romance de Candace Bushnell para a série de televisão produzida pela HBO e assinada por Darren Star. E que nos puseram a falar de sexo (e de todas as suas posições), de casos de uma noite e de orgasmos, de vibradores e masturbação, mas também de infertilidade, de cancro da mama e mastectomia, da dificuldade em subir na carreira sendo mulher e da dificuldade em encontrar o amor, de sapatos, vestidos, brunches e Cosmopolitans.

No total, houve seis temporadas. A série durou até fevereiro de 2004 e depois ainda deu origem a dois filmes - que não adiantaram nada à história, antes pelo contrário. "Sexo e a Cidade" ganhou sete prémios Emmy (em 54 nomeações) e oito Globos de Ouro (dos 24 para que estava nomeada). 

PUB
PUB
PUB
PUB

Dezassete anos depois da última temporada, a HBO estreia a sequela e chama-lhe "And just like that", uma expressão que Carrie costuma usar e que se poderá traduzir por "e assim". Em vez de um grupo de amigas trintonas, temos agora um grupo de cinquentonas a viver num mundo com smart phones e aplicações de encontros. O que mudou na vida de Carrie e das amigas?

Nova Iorque depois da pandemia

"Lembram-se quando tínhamos que manter uma distância de dois metros?" A primeira frase que se ouve no primeiro episódio tinha tudo para ser atual e, no entanto, de alguma forma, parece-nos já um pouco desatualizada. Afinal, os criadores da série não podiam prever que no momento da estreia estaríamos a passar por uma nova vaga de covid-19 e muitas das restrições sanitárias iriam outra vez ser aplicadas.

Portanto, aqui estamos em Manhattan, Nova Iorque. As amigas Carrie, Miranda e Charlotte regressam à sua vida social após uma pandemia e um confinamento total - e certamente já vacinadas, pois ninguém usa máscaras. Reina o otimismo e fazem-se piadas. "Abraçamo-nos, tocamos os cotovelos, usamos língua gestual, sinais de fumo?"

PUB
PUB
PUB

E ficaram só três

A atriz Kim Katrall recusou participar nesta sequela. Este poderia ter sido um entrave à série, mas a produção decidiu avançar mesmo assim. Samantha, que estará agora na casa dos 60, mudou-se para Londres, ficamos a saber logo no início do primeiro episódio, e a sua relação com as amigas - sobretudo com Carrie - não sobreviveu. Mas Samantha, com o seu espírito livre, faz muita falta.

O tempo passa

Logo no início da série, à mesa do café, surge o assunto: as amigas estão mais velhas e isso nota-se. Carrie, Miranda e Charlotte já têm mais de 50 anos. Miranda deixou de pintar o cabelo, adotou o estilo grisalho e defende que é importante assumir a sua idade: "Há coisas mais importantes do que tentar parecer jovem", diz a advogada, que deixou o escritório e vai começar a fazer uma pós-graduação em direitos humanos.

O tempo passou sobre estas mulheres e, apesar dos vestidos coloridos, dos sapatos caros que continuam a usar e das intervenções cirúrgicas que até podem esconder as rugas, há algo que nem o botox pode contrariar: à medida que envelhecemos a morte está cada vez mais presente.

PUB
PUB
PUB

Carrie tem um podcast

"Sexo e a Cidade" era o título da coluna que Carrie escrevia no jornal, na qual comentava assuntos mundanos da vida em Nova Iorque e, sobretudo, como era ser mulher e solteira na "cidade que nunca dorme". Mas agora Carrie já não escreve no jornal. Tem uma conta de Instagram dedicada ao estilo de Manhathan e participa num podcast, onde a sua chefe, Che (a atriz Sara Ramirez, de "Anatomia de Grey"), a desafia a falar mais livremente sobre todos os assuntos, incluindo sexo (a idade tornou-a mais pudica?).

Os filhos já são adolescentes

A primeira coisa que sabemos sobre Brady, o filho de Miranda e Greg, é que o jovem tem uma namorada, Luisa, e costuma deixar os seus preservativos usados no chão do quarto. Charlotte também está a enfrentar a adolescência das filhas: Lily toca piano, Rose prefere praticar desporto e só obrigada usa os vestidos que a mãe lhe compra. A adolescência é um novo tema que surge em "And Just Like That" e que não havia em "Sexo e a Cidade".

Diversidade precisa-se

PUB
PUB
PUB

Uma das críticas que mais foi apontada a "Sexo e a Cidade" é que era uma série que mostrava apenas a vida de quatro mulheres brancas, heterossexuais e privilegiadas. Pois em "Just Like That" os argumentistas tiveram a preocupação de incluir novas personagens que trazem alguma diversidade: além de Che, a chefe negra e não-binária de Carrie, temos ainda Nya Wallace, a professora de Miranda (interpretação de Karen Pittman) e mais duas novas amigas: Lisa (interpretação de Nicole Ari Parker) e Seema Patel (interpretação de Sarita Choudhury).

Continua a ser um mundo de glamour e privilégio, obviamente, onde todas as mulheres se vestem bem, frequentam bons restaurantes e têm filhos em escolas particulares, mas estas personagens trazem outros pontos de vista e preocupações que antes estavam ausentes.

O adeus a Willie Garson

O ator Willie Garson, que interpretava o melhor amigo de Carrie, Stanford Blatch, em "Sexo e a Cidade", está de volta nesta nova série. 

Apesar de a sua personagem, assim como a do seu namorado Anthony Marentino (interpretada por Mario Cantone), ter sido uma das mais criticadas por corresponder a muitos dos estereótipos gay, não deixa de ser uma bela homenagem podermos despedir-nos do ator com uma das suas personagens mais populares: Garson morreu em setembro de 2021.

PUB
PUB
PUB

E foram felizes para sempre?

Era uma vez. Eram estas as primeiras palavras de Carrie Bradshaw no primeiro episódio de "Sexo e a Cidade" que foi para o ar nos Estados Unidos a 6 de junho de 1998. Como num conto de fadas. Mas a ilusão terminava logo ao fim de dois minutos. Desenganem-se as cinderelas dos tempos modernos. "Bem-vindos ao fim da inocência." Não há nenhum Cupido a cuidar de nós, nem príncipe encantado pronto a aparecer, no seu cavalo branco. "Há milhares de mulheres assim na cidade. Viajam, pagam impostos, gastam quatro mil dólares num par de sandálias e estão sozinhas. Porque há tantas mulheres fantásticas solteiras e não há assim tantos homens solteiros fantásticos?", perguntava Carrie. E era aqui que tudo começava. 

Ao longo de seis temporadas, as quatro amigas tiveram vários relacionamentos, apaixonaram-se e desapaixonaram-se, traíram e foram traídas. No final, Samantha opta por ficar sozinha (em vez de ficar com Smith, que era praticamente o seu príncipe encantado) mas as outras três amigas acabam por encontrar o amor.

PUB
PUB
PUB

E, 17 anos depois, aqui as encontramos, casadas e felizes: Carrie com Big, Miranda com Steve e Charlotte com Harry. Ainda que as relações não sejam perfeitas e haja muito menos sexo, parece que, afinal, para elas, os contos de fada existem. Pelo menos, até que num instante ("and just like that") tude mude novamente.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Séries

Mais Séries

Patrocinados