Quem é El Deif, alegado mentor do ataque do Hamas?

CNN , Sam Kiley
14 out, 12:05
CNN

Para a maioria dos palestinianos, ele é como um fantasma

É com uma estranha culpa retrospetiva que tenho de admitir: o Hamas salvou-me uma vez de um rapto em Gaza.

O grupo militante responsável por massacres e raptos, pela chacina de civis e pelo cínico perigo para o seu próprio povo, deteve um bando islamista segundos antes de este estar prestes a raptar-me no Hotel Deira, no norte de Gaza, em 2008.

Com uma eficiência silenciosa, os agentes dos serviços secretos do Hamas invadiram o hotel. Não foram disparados quaisquer tiros.

O grupo de raptores, desviado da sua missão, fez explodir os escritórios do British Council nas proximidades, num acesso de raiva.

Esse era o velho Hamas. Sim, um grupo violento com um historial de tácticas de terror dirigidas contra israelitas, um longo compromisso de destruição do Estado de Israel (embora não de genocídio contra judeus ou israelitas), mas também um movimento social do Islão político com reputação de eficiência e probidade no mundo árabe.

No entanto, o grupo militante palestiniano foi sempre cínico no seu uso da violência e na perpetuação de um culto do martírio.

Quando, durante a segunda Intifada, em 2000, as tropas israelitas usaram fogo real contra militantes armados e civis desarmados nos territórios palestinianos, o Hamas desencadeou vagas de bombistas suicidas - e insistiu em "celebrar" a morte de crianças palestinianas como mártires.

Numa reunião clandestina em Khan Younis, no sul de Gaza, no início de 2001, o xeque Ahmed Yassin ofegou e espreitou. Falou comigo através de um intérprete - a única pessoa do grupo que conseguia decifrar os sons que ele emitia.

O fundador do Hamas, que desde jovem se deslocava numa cadeira de rodas, afirmou que, embora "os israelitas adorem a vida", "nós celebramos a maior dádiva do martírio para os nossos filhos. Todas as mães querem isso para os seus filhos".

Algumas semanas depois, os israelitas mataram-no.

Sheikh Ahmed Yassin, o líder espiritual do movimento militar islâmico Hamas, a rezar na cidade de Gaza em 6 de setembro de 2003. Fotografia: Eric Gaillard/Reuters

Mas a intensa combinação de vitimização e paixão pelo martírio do seu grupo manteve-se. Na verdade, aprofundou-se à medida que o Hamas se apoderou de Gaza e se arriscou a sacrificar os seus habitantes aos ataques aéreos e às invasões terrestres israelitas - geralmente provocados por ataques do Hamas.

Os ciclos de violência e de paz já caracterizavam a abordagem do Hamas, consoante a ala militar ou civil que prevalecia.

Uma figura militar influente no Hamas sempre se opôs resolutamente a qualquer tipo de paz com o que o Hamas insiste em chamar de "Entidade Sionista".

Mohammed Diab Ibrahim al-Masri é conhecido como El Deif (o Hóspede), porque, durante décadas, ficou em casas diferentes todas as noites para evitar ser seguido e morto por Israel. Atualmente, é o responsável pela ala militar do Hamas, as Brigadas Al Qassem.

Pensa-se que nasceu nos anos 60, mas El Deif é pouco conhecido dos palestinianos comuns, segundo Mkhaimar Abusada, professor de ciências políticas na Universidade Al Azah, em Gaza.

"Para a maioria dos palestinianos, ele é como um fantasma", disse.

As Brigadas Al Qassem opunham-se ao processo de paz adotado por Yassir Arafat, então líder da Organização de Libertação da Palestina, e aos Acordos de Oslo de 1993, que deveriam abrir caminho a uma solução de dois Estados, com uma nova Palestina a viver em paz ao lado de Israel.

Elementos das brigadas Ezzedine al-Qassam, o braço armado do Hamas, em 31 de janeiro de 2016. Fotografia: Mahmud Hams/AFP/Getty Images

Em 1996, El Deif, um exímio fabricante de bombas, esteve na origem de uma vaga de quatro ataques suicidas que mataram 65 pessoas em Jerusalém e Telavive e de outros atentados destinados a fazer descarrilar o processo de paz.

Quando o Hamas conquistou Gaza à rival Fatah em 2007 (depois de ter ganho as eleições palestinianas no ano anterior), Israel e o Egipto apertaram o cerco ao enclave, onde vivem cerca de 2 milhões de pessoas.

O Hamas é visto por muitos palestinianos como a melhor alternativa ao governo da Autoridade Palestiniana (AP), dominada pela Fatah e pela Organização para a Libertação da Palestina. A AP paga os salários do sector público em Gaza e, este verão, as sondagens mostraram que o apoio à AP, que só governa na Cisjordânia, rondava, apesar de tudo, os 70% em Gaza.

O apoio ao Hamas em Gaza raramente ultrapassa os 50%. E no terreno, em conversas privadas, tem sido difícil encontrar pessoas que apoiem verdadeiramente a campanha militar do Hamas. Mas poucas pessoas estão dispostas a ser abertamente críticas e a arriscarem-se a ser presas.

As políticas de Israel relativamente à Cisjordânia, onde os colonatos judaicos, que são ilegais à luz do direito internacional, se espalham constantemente pelos territórios ocupados, relativamente ao acesso ao complexo da Mesquita de Al Aqsa em Jerusalém, e os esforços moribundos para alcançar uma solução viável de dois Estados, significaram que o Hamas conseguiu transformar as queixas em armas. O movimento não tem falta de voluntários no enclave apinhado de gente a que todos chamam "a maior prisão do mundo".

Quanto mais apertado era o controlo israelita e egípcio sobre as fronteiras de Gaza, mais o Hamas (e outros grupos) desenvolvia meios militares para ripostar.

O principal deles são os mísseis. Primitivos no início, os mísseis foram sendo melhorados e aperfeiçoados ao longo dos anos com a ajuda do Irão.

A teocracia de Teerão, também dedicada à erradicação do Estado judaico, formou engenheiros, organizou transferências de tecnologia e orientou desenvolvimentos para criar foguetes capazes de atingir Jerusalém e Telavive.

Homens como El Deif, os fabricantes de bombas e tomadores de decisões, eram perseguidos por Israel.

Em 2014, um ataque aéreo matou a sua mulher e a sua filha. Ele perdeu parte de um braço, uma perna e a audição. Sem dúvida que o seu ódio por Israel se intensificou nessa altura.

Mas as suas emoções estavam temperadas com uma astúcia zelosa. E o primeiro, e mais importante, engano foi transformar a perceção israelita do Hamas.

Nos últimos dois anos, o Hamas, sob a orientação de El Deif, trabalhou para convencer Israel de que a sua atenção se centrava nas questões internas, na reconstrução de Gaza, na obtenção de autorizações de trabalho para as pessoas procurarem emprego em Israel, na construção das suas infra-estruturas.

"Os israelitas sentiram que, a longo prazo, o Hamas é mais conhecido por estas políticas do que por um apelo a um confronto militar com Israel", diz Abusada, o professor de Gaza.

Israelitas em Rehovot, perto de Tel Aviv, protegem-se contra os rockets lançados a partir da Faixa de Gaza, em 13 de outubro de 2023. Fotografia: Dor Kedmi/AP

No entanto, o Hamas estava a planear um ataque maciço que acabaria com qualquer perceção em Israel, e não só, de que a Resistência Islâmica tinha perdido o seu charme estratégico.

Fundamental para esta mudança foi também outra figura importante da ala militar do Hamas, Yahya Sinwar. Antigo chefe das brigadas Al Qassem, é agora o chefe do Hamas em Gaza.

Concentrou os seus esforços na construção de relações com potências estrangeiras - nomeadamente o Egipto e o Irão.

O ataque do Hamas a Israel no passado fim de semana representa o pior revés militar israelita desde 1973. Nessa altura, a Síria e o Egipto lançaram um ataque surpresa contra Israel durante o feriado do Yom Kippur. Inicialmente bem sucedidos, os árabes foram rapidamente empurrados para trás à medida que Israel se mobilizava.

Agora, Israel está a concentrar tropas nas fronteiras com Gaza e no norte, onde enfrenta o Hezbollah, apoiado pelo Irão, do outro lado da fronteira com o Líbano.

O que é que o Hamas vai acabar por ganhar com esta aposta sangrenta? Karim von Hippel, diretor do Royal United Services Institute, com sede em Londres, diz que "podem ter estado a planear isto durante anos e a pensar no que podem fazer, porque tudo o resto que tentaram não funcionou".

"Mas certamente que isto também não vai funcionar. Acho que isto vai significar o fim do Hamas."

Esta pode ser uma opção de soma zero que nem mesmo o sombrio El Deif tinha adivinhado.

Relacionados

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Mais Lidas

Patrocinados