O seu crédito é revisto em outubro? Prepare-se. Aumento na prestação pode chegar aos 45%

30 set, 18:00
Habitação (GettyImages)

As taxas Euribor subiram muito em setembro e vão penalizar fortemente quem tenha o crédito à habitação revisto no próximo mês. Veja as simulações

Outubro deveria ser um mês de surpresas positivas para o bolso da generalidade dos portugueses. A maioria vai receber 125 euros de apoio do Estado para fazer face às consequências da inflação. Quem tem filhos com menos de 24 anos vai recebe 50 euros por cada filho. E os pensionistas vão receber um bónus equivalente a 50% da sua pensão.

Mas em outubro há outras surpresas a considerar em termos financeiros. E essas não são, de todo, positivas. Para muitos vai subir o preço do gás e da eletricidade. E os portugueses com crédito à habitação que têm os contratos revistos no próximo mês vão ter a mais pesada das surpresas desagradáveis: a sua prestação com a casa vai aumentar muito.

Isto acontece porque a revisão dos contratos de quem tem crédito à habitação é feita com base na média do mês anterior da respetiva taxa Euribor que usa como indexante. E em setembro tanto a Euribor a três meses, como a seis ou a 12 meses tiveram todas o mesmo comportamento: aumentaram muito. Esta é, aliás, a primeira vez que se vai sentir o efeito das taxas euribor com valores positivos. O que leva a subidas na prestação a pagar em outubro que podem ultrapassar os 200 euros.

Mas as más notícias não acabam aqui, já que estes valores devem continuar a aumentar nos próximos meses. Isto porque as taxas Euribor estão intimamente ligadas às movimentações nas taxas de juro feitas pelo Banco Central Europeu e, esta quarta-feira, o organismo tutelado por Christine Lagarde deu indicação de um novo aumento para outubro que pode mesmo chegar aos 0,75 pontos.

Aumentos de 95 aos 200 euros

Os contratos indexados à Euribor a seis meses, que são aqueles que constituem a maior parcela do stock dos créditos à habitação em Portugal, vão sentir pela primeira vez o efeito da taxa em terreno positivo, onde se mantém desde 6 de junho. E esta é já a segunda revisão este ano.

Isto significa que, para um empréstimo de 150 mil euros a 30 anos, com um spread de 1%, e utilizando a média da taxa Euribor para setembro, a prestação mensal vai chegar aos 600,51 euros, mais 146,44 euros face ao que pagava desde que o crédito foi revisto pela última vez. Corresponde a um aumento de 32%.

A média da Euribor a seis meses subiu de 0,466% em julho para 0,837% em agosto e, em setembro está nos 1,596% %. A Euribor a seis meses esteve negativa durante seis anos e sete meses (entre 06 de novembro de 2015 e 03 de junho de 2022).

   
 

Prestação em outubro

 

150 mil euros, 30 anos, spread 1%

 

Euribor 6 meses

Está a pagar

454,07

Vai pagar

600,51

Aumento

146,44

Um aumento maior vai ser sentido por quem tem contratos indexados à Euribor a 12 meses e que vai sentir pela primeira vez a subida das taxas de juros em 2022. Sendo que o contrato é revisto de ano a ano, o seu titular vai ter de pagar mais 201,72 euros na prestação da casa, quando tiver de entregar os 651,16 euros ao banco. Durante os últimos 12 meses pagava 449,44 euros. Corresponde a um aumento de 45%.

Após ter disparado em 12 de abril para 0,005%, pela primeira vez positiva desde 5 de fevereiro de 2016, a Euribor a 12 meses está acima dos 0% desde 21 de abril. A sua média avançou também de 0,992% em julho para 1,249% em agosto. E em setembro a média já está nos 2,33%.

   
 

Prestação em outubro

 

150 mil euros, 30 anos, spread 1%

 

Euribor 12 meses

Está a pagar

449,44

Vai pagar

651,16

Aumento

201,72

Por outro lado, nos contratos indexados à Euribor a três meses, o efeito vai ser menor, mas aproxima-se de uma centena de euros. A prestação vai subir para os 561,96 euros, um aumento de mais de 95 euros desde julho. A subida corresponde a um aumento de 21%.

É a terceira revisão para cima deste tipo de contratos este ano, em abril ficaram a pagar mais seis euros e em julho mais 17 euros.

A taxa Euribor a três meses esteve negativa entre 21 de abril de 2015 e 13 de julho último (sete anos e dois meses). A média da Euribor a três meses subiu de 0,037% em julho para 0,395% em agosto e, neste momento, fixa-se nos 1,011%.

   
 

Prestação em outubro

 

150 mil euros, 30 anos, spread 1%

 

Euribor 3 meses

Está a pagar

466,10

Vai pagar

561,96

Aumento

95,86

 

As Euribor começaram a subir mais significativamente desde 4 de fevereiro, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter admitido que poderia subir as taxas de juro diretoras este ano devido ao aumento da inflação na zona euro e a tendência foi reforçada com o início da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Christine Lagarde acredita que o BCE deve fazer “tudo aquilo que pode fazer” para trazer, "a médio prazo a inflação de volta aos 2%”, sublinhou a presidente do BCE num evento em Frankfurt esta quarta-feira. 

Segundo Lagarde, se o banco não avançar com uma nova subida das taxas de juro, as consequências para a economia serão mais graves do que o aumento do custo do crédito. "O nosso objetivo não é reduzir o crescimento, o nosso objetivo essencial é assegurar a estabilidade dos preços. Isso é algo que o BCE tem de conseguir", acrescentou.

Economia

Mais Economia

Patrocinados