Macron telefonou a António Costa para lhe pedir que apoie a Guiné-Bissau, revela presidente guineense

Agência Lusa , CF
28 jul, 17:11
Umaro Sissoco Embaló - ex-primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Umaro Sissoco Embaló assinalou que a primeira visita de um chefe de Estado francês ao país “foi um sucesso total" e considerou o telefonema de Macron ao primeiro-ministro português "extremamente importante"

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, disse esta quinta-feira que o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron telefonou ao primeiro-ministro português, António Costa, durante um encontro que ambos mantinham à sós, a solicitar-lhe que apoiem a Guiné-Bissau “nos esforços de desenvolvimento”.

Em declarações à Televisão da Guiné-Bissau e à Lusa em crioulo, feitas no aeroporto de Bissau, momentos após a descolagem do avião que transportava Macron de regresso a França após uma visita de poucas horas à Guiné-Bissau, Embaló assinalou que a primeira visita de um chefe de Estado francês ao país “foi um sucesso total”.

“O Presidente Macron ligou, à minha frente, ao primeiro-ministro português, António Costa, a pedir-lhe que Portugal e a França apoiem a Guiné-Bissau. Isso é extremamente importante”, disse o Presidente guineense.

Umaro Sissoco Embaló afirmou ainda que transmitiu a Emmanuel Macron a vontade da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) em realizar, no próximo mês, num país africano a determinar, uma cimeira em que serão convidados Portugal e a França, para debater a questão do terrorismo.

O Presidente guineense frisou que a visita de Macron, “a primeira de um chefe de Estado de um país que é membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas” representa “o relançamento da Guiné-Bissau”.

Umaro Sissoco Embaló destacou também a visita, em maio de 2021, do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Para mim isto é um marco. É como a visita do Presidente português, agora veio Macron. No dia em que o Presidente americano vier a esta sub-região tenho a certeza que virá à Guiné-Bissau”, sublinhou Embaló.

O Presidente francês chegou na quarta-feira à noite a Bissau para uma visita de algumas horas, deixando hoje a capital guineense, após um périplo que o levou ainda ao Benim e aos Camarões.

No final do encontro com o seu homólogo da Guiné-Bissau, Emmanuel Macron anunciou que a França vai apoiar a formação de militares guineenses e desembolsar três milhões de euros para a estabilização do país.

África

Mais África

Patrocinados