Zelensky pediu, Biden dá. EUA preparam-se para enviar sistema avançado de mísseis de longo alcance para a Ucrânia

CNN , Jim Sciutto, Natasha Bertrand e Alex Marquardt
28 mai, 09:00
Nesta foto de arquivo de 2020, um soldado americano senta-se num Multiple Launch Rocket System (MLRS), após um evento de fogo de artilharia ao vivo, pela 41ª Brigada de Artilharia de Campanha do Exército dos EUA na Europa, na Alemanha.

A administração Biden está a preparar-se para intensificar o tipo de armamento que oferece à Ucrânia, enviando sistemas de foguetes avançados e de longo alcance, que são agora o principal pedido dos oficiais ucranianos, dizem vários oficiais.

A administração está inclinada a enviar os sistemas como parte de um pacote maior de assistência militar e de segurança para a Ucrânia, que poderá ser anunciado já na próxima semana.

Os altos oficiais ucranianos, incluindo o Presidente Volodymyr Zelensky, apelaram nas últimas semanas para que os EUA e os seus aliados fornecessem o Multiple Launch Rocket System ou MLRS. Os sistemas de armas fabricados pelos EUA podem disparar uma série de mísseis a centenas de quilómetros, muito mais longe do que qualquer um dos sistemas que a Ucrânia já possui, algo que os ucranianos argumentam que poderia ser crucial na sua guerra contra a Rússia.

A Ucrânia pediu ainda outro sistema, o High Mobility Artillery Rocket System, conhecido como HIMARS, um sistema com rodas mais leves, capaz de disparar muitos dos mesmos tipos de munições que o MLRS.

Nas últimas semanas, a Rússia tem fustigado o Leste da Ucrânia, onde esta se encontra em desvantagem em termos de pessoal e de armas, afirmaram oficiais ucranianos.

No entanto, a administração Biden renunciou durante semanas o envio dos sistemas, devido a preocupações levantadas no Conselho de Segurança Nacional, de que a Ucrânia poderia utilizar os sistemas para levar a cabo ataques ofensivos no interior da Rússia, afirmaram os oficiais.

O assunto esteve no topo da agenda das duas reuniões da semana passada na Casa Branca, onde os membros adjuntos do gabinete se reuniram para discutir a política de segurança nacional, disseram os oficiais. No centro da questão, estava a mesma preocupação com que a administração se tem debatido desde o início da guerra, se o envio de armamento cada vez mais pesado para a Ucrânia será visto pela Rússia como uma provocação, podendo desencadear algum tipo de retaliação contra os EUA.

Um dos maiores percalços, segundo as fontes, tem sido o vasto alcance dos sistemas de mísseis. O MLRS e a sua versão mais leve, o HIMARS, permitem o lançamento de mísseis até 300 quilómetros, dependendo do tipo de munição. São disparados a partir de um veículo móvel contra alvos terrestres, o que permitiria aos ucranianos atingir mais facilmente alvos dentro da Rússia.

Pensa-se que a Ucrânia já realizou numerosos ataques além-fronteiras para o interior da Rússia, que os oficiais ucranianos não confirmam nem negam. Os oficiais russos disseram publicamente que qualquer ameaça à sua pátria constituiria um grande agravamento e afirmaram que os países ocidentais estão a tornar-se um alvo legítimo na guerra ao continuarem a armar os ucranianos.

Outra grande preocupação no seio da administração Biden, tinha sido se os EUA se poderiam dar ao luxo de entregar tantas armas de ponta retiradas dos arsenais militares, disseram as fontes.

Quando questionado, na segunda-feira, se os EUA iriam fornecer os sistemas, o secretário da defesa Lloyd Austin respondeu: “Não quero precipitar-me em relação ao ponto em que nos encontramos no processo de requisição de recursos”, disse aos jornalistas.

A administração tinha preocupações semelhantes quanto a fornecer à Ucrânia caças MiG-29 adicionais, o que alguns receavam poder permitir aos ucranianos levar o combate para a Rússia. No final, os EUA decidiram contra o reabastecimento da Polónia com novos caças, o que teria permitido aos polacos equipar a Ucrânia com os MiG da era soviética.

O debate sobre o MLRS é semelhante ao que aconteceu antes de os EUA terem decidido começar a enviar Howitzers mais pesados e de longo alcance para a Ucrânia, no mês passado. Pacotes de armas focados em Javelin antitanque e mísseis antiaéreos Stinger de curto alcance, assim como armas ligeiras e munições. Na altura, os Howitzers M777 marcaram um aumento significativo no alcance e potência em relação aos sistemas anteriores, mas até esses alcançavam cerca de 25 quilómetros de alcance. O MLRS pode disparar para muito mais longe do que qualquer artilharia que os EUA tenham enviado até à data.

Uma solução poderia ser fornecer à Ucrânia sistemas de mísseis de curto alcance, disseram os oficiais, o que também está a ser considerado. Não seria preciso muito tempo para treinar os ucranianos relativamente ao uso de qualquer um dos sistemas de lançamento de mísseis, provavelmente cerca de duas semanas, disseram os oficiais à CNN.

Cada levantamento dos inventários existentes envolve uma revisão do seu potencial efeito na prontidão militar dos EUA. Com os anteriores levantamentos, o risco tem sido “relativamente baixo”, disse o general chefe do Estado-Maior, o General Mark Milley, na segunda-feira. O exército está a observar “com muito, muito cuidado” para garantir que as reservas não descem abaixo dos níveis que criam um risco acrescido, acrescentou ele.

A preocupação aumenta significativamente com sistemas mais capazes, mais caros, dos quais os EUA não têm uma reserva tão grande, dizem as fontes.

Os oficiais do Pentágono reuniram-se com o CEO da Lockheed Martin na semana passada para discutir o fornecimento e o aumento da produção do MLRS, disse à CNN uma fonte familiarizada com a reunião. A reunião foi liderada pelo Subsecretário da Defesa para a Aquisição e Sustentabilidade, Bill LaPlante.

O Reino Unido ainda está a decidir se envia os sistemas, disseram dois oficiais à CNN, e gostariam de o fazer em conjunto com os EUA.

Crianças caminham entre edifícios destruídos durante os combates em Mariupol, em território sob o governo da República Popular de Donetsk, na Ucrânia Oriental, quarta-feira, 25 de maio de 2022.

A frustração aumentou do lado ucraniano com a indecisão dos EUA nas últimas semanas, porque acreditam que assim que os EUA enviarem os sistemas, outros países seguirão rapidamente o exemplo.

Ainda esta semana, o Pentágono disse à Ucrânia “estamos a trabalhar nisso”, contou um oficial ucraniano irritado, que acrescentou que a Ucrânia está a pedir uma atualização sobre a decisão “de hora a hora”.

“Precisamos urgentemente de armas que permitam enfrentar o inimigo a longa distância”, disse, quinta-feira, o principal comandante militar da Ucrânia, o General Valeriy Zaluzhnyi. “E isto não se pode atrasar, porque o preço do atraso é medido pela vida das pessoas que protegeram o mundo do [fascismo russo]”.

Quando o Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, foi questionado na quinta-feira sobre quais eram as necessidades mais urgentes do país, ele respondeu: “Se realmente se preocupam com a Ucrânia, armas, armas e, novamente, armas”.

“A frase que menos gosto é 'Estamos a trabalhar nisso'. Odeio. Quero ouvir ou 'Vamos tratar disso' ou 'Não vai acontecer'”, acrescentou ele.

O deputado democrático Jason Crow, do Colorado, que fez parte de uma viagem da delegação do Congresso a Kiev, no início deste mês, disse à CNN que acredita que os sistemas podem ajudar a Ucrânia a ganhar um impulso significativo contra a Rússia.

“Penso que poderia ser um perigo, para ser sincero”, disse Crow, não só para ataques ofensivos, mas também para a defesa. Explicou que a artilharia convencional russa, que tem um alcance de cerca de 50 quilómetros, “não se aproximaria” dos centros urbanos ucranianos, se os sistemas MLRS fossem ali posicionados. “Isso eliminaria as táticas de cerco deles”, disse ele em relação aos russos.

 

Oren Liebermann e Barbara Starr da CNN contribuíram para este artigo

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados