União Europeia prepara novas sanções contra mais de 100 personalidades russas

9 mar, 11:43

Em causa estão proibições de viagens e congelamento de bens de cerca de 100 personalidades russas, entre empresários e políticos

A União Europeia está a preparar novas sanções individuais contra a Rússia e que visam cerca de 100 pessoas, adiantou o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell. Em causa estão proibições de viagens e congelamento de bens, decisão que será conhecida nesta quarta-feira.

"Os Estados-membros estão a trabalhar num pacote de sanções, que envolvem cerca de 100 pessoas responsáveis em diferentes níveis de gestão", disse Borrell, esperando um acordo "até ao final da sessão de hoje" do Parlamento Europeu, que decorre em Estrasburgo.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, confirmou nas redes sociais as sanções a 160 personalidades:

São implementadas medidas restritivas em relação a pessoas cujas ações "prejudiquem ou ameacem a integridade territorial, soberania e independência da Ucrânia. Trata-se, sobretudo, de empresários, homens de negócios e políticos associados ao governo de Putin.

A lista foi negociada nos últimos e só ficou  fechada esta manhã. Ao contrário do que tinha avançado TVI/CNN, Roman Abramovich não consta da lista final.

Entre as personalidades sancionadas, encontram-se os empresários que se reuniram com o presidente Vladimir Putin e outros membros do governo a 24 de fevereiro para discutir o impacto do curso de ação militar na Ucrânia, como Mikhail Igorevich Poluboyarinov, CEO da companhia aérea Aeroflot, Vladimir Sergeevich Kirikenko, CEO da empresa de internet VK Company Limited,

Na justificação de cada um deles: "O facto de ter sido convidado a participar nesta reunião mostra que é membro do círculo mais próximo de Vladimir Putin e que apoia ou está a participar nas ações ou políticas que prejudicam ou ameaçam a integridade territorial, a soberania e independência da Ucrânia, bem como estabilidade e segurança na Ucrânia. Também mostra que é um dos principais empresários envolvidos nos setores económicos que proporcionam uma fonte substancial de receita para o governo da Rússia, que é responsável pela anexação da Crimeia e desestabilização da Ucrânia."

A lista inclui ainda personalidades do desporto como o antigo lutador Alexander Karelin que entrou na carreira política em 1999 e foi um dos senadores que aprovou a intervenção russa em Donetsk Luhansk; e o piloto de Fórmula 1 Nikita Mazepin (por associação ao seu pai, o empresário Dmitry Arkadievich Mazepin).

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados