Ucrânia está “a fazer progressos” na região de Kherson. Como Kiev está a usar as armas que recebe da "forma correta"

CNN , CNN, Ellie Kaufman
3 out, 13:52
Lloyd Austin, secretário da Defesa do EUA

O secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), Lloyd Austin, acredita que a Ucrânia está “a fazer progressos” na região de Kherson à medida que continua a combater a invasão russa, acrescentando que tem havido uma “espécie de mudança na dinâmica do campo de batalha”.

Austin atribuiu a mudança à competência dos soldados ucranianos e à sua utilização estratégica das armas fornecidas pelos EUA e aliados da NATO, especificamente a sua utilização dos sistemas de foguetes aéreos de alta mobilidade, ou HIMARS. Fez estes comentários numa entrevista exclusiva com Fareed Zakaria, da CNN, que foi transmitida no domingo no programa “Fareed Zakaria GPS”.

“Estamos agora a assistir a uma espécie de mudança na dinâmica do campo de batalha”, afirmou Austin. “Eles têm-se saído muito, muito bem na área de Kharkiv e mudaram-se para tirar partido das oportunidades. A luta na região de Kherson está a ir um pouco mais devagar, mas estão a fazer progressos.”

Austin referiu que as forças ucranianas utilizaram “tecnologia como a HIMARS” e a empregaram da “forma correta” para “conduzir ataques a locais como armazéns logísticos e comando e controlo, isto é, vão tirando aos russos os seus recursos de forma significativa.”

Ao fazê-lo, os ucranianos “alteraram a dinâmica, e isso deu-lhes oportunidade de manobra”, acrescentou.

Quando lhe foi questionado por que razão os EUA não forneceram as armas de longo alcance que os ucranianos pediram, Austin afirmou que tem estado em comunicação com o seu equivalente ucraniano, o ministro da Defesa Oleksii Reznikov, “frequentemente”, e acredita que os EUA têm sido “muito eficientes em fornecer-lhes instrumentos que são muito, muito eficazes num campo de batalha”.

Embora os EUA tenham fornecido à Ucrânia o sistema HIMARS e tenham guiado sistemas de mísseis de lançamento múltiplos, ou GMLRS, para serem utilizados com os sistemas HIMAR, a Ucrânia fez-lhes um pedido de Army Tactical Missile Systems (sistema de mísseis de tática do exército), ou ATACMS, que têm um alcance mais longo do que os sistemas GLMR que os EUA forneceram até agora.

Os ATACMS têm um alcance de cerca de 300 km. O alcance máximo das armas fornecidas pelos EUA à Ucrânia é de cerca de 80 km.

Austin elogiou os sucessos que os ucranianos tiveram no campo de batalha e notou que estão a utilizar as armas e tecnologia que lhes foram fornecidas pelos EUA “da forma correta”.

“Não se trata apenas do equipamento que se tem. Trata-se da forma como se emprega esse equipamento, como se sincronizam as coisas para criar efeitos no campo de batalha que depois podem criar oportunidades”, referiu.

Austin disse que é “difícil de prever” o que vai acontecer na Ucrânia, mas que os EUA “continuarão a prestar assistência de segurança aos ucranianos durante o tempo que for necessário”.

“Os ucranianos surpreenderam o mundo no que diz respeito à sua capacidade de contra-ataque, da sua capacidade de iniciativa, do seu empenho na defesa da sua democracia”, afirmou. “E essa vontade de lutar tem reunido a comunidade internacional num esforço para ajudar a fornecer-lhes a assistência de segurança para que possam continuar nessa luta.”

China e Taiwan

Austin disse que embora não “veja uma invasão iminente” de Taiwan pela China, acredita que o presidente chinês, Xi Jinping, utilizou a visita de 3 de agosto à ilha autogovernada pela presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, como uma oportunidade para “começar a tentar criar um novo normal”.

Pelosi foi a primeira presidente da Câmara dos representantes dos EUA a visitar a ilha em 25 anos. A China respondeu lançando exercícios militares nos mares e no espaço aéreo em torno de Taiwan.

“Vimos uma série de travessias da linha central do Estreito de Taiwan pelas suas aeronaves, e esse número aumentou ao longo do tempo. Vimos mais atividade com as suas embarcações de superfície nas águas dentro e à volta de Taiwan”, afirmou Austin.

O Partido Comunista dominante da China considera Taiwan parte do seu território, apesar de nunca o ter governado, e prometeu “reunificá-lo” com o continente chinês, à força, se necessário.

Austin disse ter conversado com o seu equivalente chinês, o ministro chinês da Defesa Nacional, Wei Fenghe, “ao telefone e pessoalmente” durante o seu tempo enquanto secretário de Defesa, mas que o canal de comunicação entre os dois não está “aberto” neste momento.

“Vamos fazer tudo o que pudermos para continuar a sinalizar que queremos esses canais abertos, e espero que a China comece a permitir alguma proximidade e a querer colaborar connosco”, afirmou Austin.

Quando lhe foi questionado se os militares americanos estavam preparados para defender Taiwan, Austin respondeu que os militares estão “sempre preparados para proteger os nossos interesses e estar à altura dos nossos compromissos”.

Numa entrevista no programa “60 Minutos” da CBS que foi transmitido no mês passado, o presidente Joe Biden reiterou um compromisso anterior de defender Taiwan no caso de uma invasão, mas especificou que “homens e mulheres americanos” estariam envolvidos neste esforço.

“Penso que o presidente foi claro ao dar as suas respostas a uma pergunta hipotética. Mas, mais uma vez, continuamos a trabalhar para garantir que temos as capacidades certas nos locais certos para assegurar que ajudamos os nossos aliados a manter um Indo-Pacífico livre e aberto”, salientou o secretário de Defesa.

Austin relembrou que a política da administração de Biden em relação a Taiwan, à ‘Política de Uma China’ (One-China Policy), “não se alterou”.

Sob a política de “Uma China”, os EUA reconhecem a posição da China de que Taiwan faz parte da China, mas nunca reconheceu oficialmente a reivindicação do Partido Comunista para com a ilha com uma população de 23 milhões. Os EUA fornecem a Taiwan armas de defesa, mas têm permanecido intencionalmente ambíguos quanto à sua intervenção militar no caso de um ataque chinês.

“De acordo com a Lei das Relações com Taiwan, estamos empenhados em ajudar Taiwan a desenvolver a capacidade de se defender, e tem sido dada continuidade a esse trabalho ao longo do tempo”, afirmou.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados