Rússia já está em ensaios para o desfile triunfal do Dia da Vitória. Veja as imagens

3 mai, 20:23
Ensaios para a parada do Dia da Vitória, em Moscovo, no dia 28 de abril. Foto: Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images

Forças armadas russas estão há vários dias em ensaios em Moscovo para a parada do 9 de Maio, data que o Ocidente aguarda com ansiedade. Não vá Putin tecê-las.

Há várias semanas que o 9 de Maio é analisado e comentado na imprensa nacional e internacional, por analistas militares e por autoridades oficiais do Ocidente. Todos têm feito conjeturas ou tentado reunir informações sobre o que pode o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, estar a preparar para esse dia. E que vitória estará ele a querer pressionar na guerra na Ucrânia para poder apresentar ao seu povo até lá.

Entretanto, em Moscovo, as forças armadas estão já a fazer ensaios, para uma coreografia de demonstração de força militar e glória nacional. Como todos os anos – mas neste com um significado (e consequências?) especiais: dois meses e meio depois do início da invasão da Ucrânia pela Rússia.

A 9 de maio a Rússia assinala a vitória sobre a Alemanha nazi. Os preparativos para a celebração já começaram. Fotografia tirada a 28 de abril por OIga Maltseva/AFP via Getty Images

O 9 de maio, o “Dia da Vitória” na Rússia, assinala o dia em que a Alemanha nazi se rendeu às forças soviéticas, na Segunda Guerra Mundial. Todos os anos, o regime organiza uma parada triunfal, de inspiração ao seu povo e ao mesmo tempo de demonstração de força no exterior.

Aconteça o que acontecer, “Putin planeia um desfile da vitória a 9 de maio”, escrevia Frida Ghitis na CNN há duas semanas, preconizando que “o seu desespero por uma vitória provavelmente significa que as próximas três semanas trarão mais morte e destruição na Ucrânia”. Nas duas que entretanto passaram, verificou-se de facto um intensificar dos ataques russos, com dizimação de alvos e de pessoas, incluindo civis.

“O Kremlin usou esse aniversário [do Dia da Vitória] durante mais de 70 anos para comemorar o heroísmo bem-sucedido contra os nazis, mas, igualmente importante, também para proclamar ao povo russo e aos amigos e inimigos do país que os líderes de Moscovo governam uma grande e poderosa potência”, escrevia.

Público assiste aos preparativos da parada do Dia da Vitória em Moscovo, junto a um edifício decorado com um "Z" gigante. Foto: Natalia Kolesnikova/AFP via Getty Images

Os primeiros a avançarem com a data de 9 de maio como referência na guerra foram os serviços secretos norte-americanos. A pressa da Rússia em declarar vitória foi sendo notada por diversos analistas. Depois de terem fracassado, numa primeira fase, a tomada de Kiev, o foco de Vladimir Putin passou a ser a região do Donbass e Mariupol.

"O 9 de maio, além do seu simbolismo, é uma oportunidade que Putin utiliza sempre para falar das forças armadas”, comentava o major-general Arnaut Moreira na CNN Portugal há dez dias. “Não é uma data genérica, é uma data simbólica de natureza militar. Ora, só faz sentido um desfile dessa natureza apresentando resultados de natureza militar. Portanto, tem de haver um resultado para se apresentar nesta data e, como tal, vão ser feitos todos os esforços nesse sentido".

Cadetes do movimento Yunarmiya participam nos preparativos da parada do Dia da Vitória em Moscovo. Fotografia tirada a 26 de abril por OIlga Maltseva/AFP via Getty Images

Esta terça-feira, autoridades dos Estados Unidos e do Ocidente citadas pela CNN disseram acreditar que Presidente da Rússia poderá anunciar formalmente a guerra contra a Ucrânia no Dia da Vitória, para efeitos de propaganda, e para poder recrutar mais russos para as forças militares.

"Penso que ele tentará sair de sua 'operação especial'", disse o secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, à rádio LBC na semana passada. "Ele está a preparar terreno para poder dizer 'olhem, agora é uma guerra contra os nazis, e o que eu preciso é de mais pessoas. Preciso de mais carne para o canhão russo."

Até aqui, e desde o seu início, a 23 de fevereiro, Putin chama a invasão da Ucrânia pela Rússia de “operação militar especial”, uma campanha que visa, segundo ele, a suposta "desnazificação", da Ucrânia, “descrição que é rejeitada por historiadores e observadores políticos”.

Em Moscovo, já se prepara a parada do Dia da Vitória. Fotografia tirada no dia 28 de abril por Konstantin Zavrazhin/Getty Images

Citado pela CNN, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse esta segunda-feira que há "boas razões para acreditar que os russos farão tudo o que puderem para usar" o 9 de maio para fins de propaganda.

Essa afirmação do regime pode ser feita através do anúncio formal da guerra, mas também de outras formas e lugares, como o Donbass. “Outras opções incluem anexar os territórios separatistas de Luhansk e Donetsk no leste da Ucrânia, fazer um grande avanço para Odessa, no sul, ou declarar o controlo total sobre a cidade portuária de Mariupol, também no sul. (…) Há também indicações de que a Rússia poderá estar a planear declarar e anexar uma "república popular" na cidade de Kherson, no sudeste do país.”

Ensaios para a parada do Dia da Vitória, em Moscovo, no dia 28 de abril. Foto: Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images

Falta menos de uma semana para o 9 de Maio. Só Vladimir Putin saberá que surpresas reserva até esse dia, se algumas. Mas os ataques na Ucrânia intensificam-se. E os ensaios em Moscovo já começaram. Sempre para projetar uma imagem triunfal do país que ele quer ver ganhar de novo o estatuto de potência mundial.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados