Rússia anexa regiões que já não controla totalmente e o Kremlin já nem sabe quais as exatas fronteiras

CNN , Olga Voitovych e Joshua Berlinger
4 out, 12:13
Vladimir Putin assina nova doutrina naval da Rússia em São Petersburgo (AP/Kremlin)

O parlamento russo aprovou esta segunda-feira a anexação das quatro regiões ucranianas controladas pelas tropas russas e pró-russas.

A aprovação legislativa da anexação, que é ilegal ao abrigo do direito internacional, foi uma formalidade. Putin e os seus aliados controlam efetivamente ambas as câmaras do parlamento e o espaço para a dissidência política na Rússia diminuiu nos últimos anos.

Mas as manobras dentro dos salões ornamentados do Kremlin contrastam fortemente com os factos no terreno, nos campos de batalha do leste da Ucrânia.

As forças russas sofreram uma série de derrotas surpreendentes no leste da Ucrânia, tendo sido forçadas a recuar e abandonar várias posições em zonas que o Kremlin declara que irá anexar. Grande parte do território que Moscovo reivindica como seu na região de Donetsk está sob o controlo das forças ucranianas e o Kremlin parece inseguro quanto às exatas fronteiras das regiões que pretende anexar. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que Moscovo tinha de "continuar a consultar" as populações locais antes de estabelecer as suas fronteiras.

O Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse, no domingo, que o país tinha retomado Lyman e os militares ucranianos disseram que tinham recapturado as aldeias vizinhas de Drobysheve e Torske, colocando Kyiv numa posição melhor, enquanto tentam retomar a região de Luhansk.

Oficiais pró-russos disseram, na segunda-feira, que as forças ucranianas tinham avançado para a região de Luhansk, que se encontra quase na totalidade sob controlo russo ou de forças aliadas da Rússia. As forças ucranianas libertaram a aldeia de Luhansk, em Bilohorivka, no final de setembro, e ganharam agora uma posição de destaque na direção de Lysychansk. Lysychansk foi a última resistência ucraniana em Luhansk, antes de Kyiv retirar as suas tropas, em julho.

Numa terceira região, Kherson, as forças ucranianas estão a avançar e capturaram várias aldeias e povoações, incluindo Zolota Balka, na margem ocidental do rio Dnipro, de acordo com um oficial regional ucraniano e um blogger militar pró-russo. No domingo, Zelensky disse que os militares ucranianos tinham tomado Arkhanhelske e Myroliubivka.

O secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse numa entrevista à CNN, no domingo, que acredita que a Ucrânia está "a fazer progressos" em Kherson, graças, em parte, às armas fornecidas por Washington.

"O que estamos a ver agora é uma espécie de mudança na dinâmica do campo de batalha", disse Austin. "Eles têm-se saído muito, muito bem na área de Kharkiv e moveram-se para aproveitar as oportunidades. A luta na região de Kherson está a ir um pouco mais devagar, mas estão a fazer progressos".

As derrotas despoletaram uma quantidade invulgar de críticas por parte de propagandistas pró-russos, cruciais nos últimos dias. Um tabloide pró-governo russo proeminente, Komsomolskaya Pravda, disse que as forças russas tiveram de recuar na cidade estrategicamente importante de Lyman porque não dispunham de mão-de-obra, comunicavam mal e os oficiais de comando cometeram "erros".

O que a Rússia está a tentar anexar

Donetsk e Luhansk são duas das quatro regiões que a Rússia anexou. Ambas são o lar de repúblicas separatistas apoiadas pela Rússia e os combates têm sido violentos em ambas desde 2014.

As outras áreas, Kherson e Zaporizhzhia, encontram-se ambas no Sul da Ucrânia e têm estado ocupadas pelas forças russas desde pouco depois do início da invasão, em finais de fevereiro.

Num discurso formal no opulento Hall de São Jorge do Kremlin, na sexta-feira, Putin anunciou que a Rússia iria avançar com a anexação dessas quatro regiões, após os chamados referendos nessas áreas terem apresentado resultados que pretendiam mostrar que a maioria das pessoas que ali vivem votaram a favor da adesão à soberania russa.

As disputas têm sido duramente criticadas como farsas que não cumpriram as normas internacionalmente reconhecidas de eleições livres e justas. Relatórios do terreno sugerem que a votação decorreu essencialmente e literalmente à mão armada.

Países de todo o mundo rapidamente condenaram o anúncio de Putin de que as regiões seriam anexadas. Membros do G7, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, e a União Europeia disseram que nunca reconheceriam a soberania do Kremlin sobre as regiões e prometeram "impor mais custos económicos à Rússia".

Os estados-membros da UE começaram, na sexta-feira, a convocar embaixadores russos de forma coordenada para "transmitir uma forte condenação destas ações" e exigir a "paragem imediata das medidas que enfraquecem a integridade territorial da Ucrânia e violam a Carta das Nações Unidas e o direito internacional", disse um porta-voz do bloco.

Chris Liakos, Mick Krever, Anna Chernova e Uliana Pavlova, da CNN, contribuíram para este relatório.

Europa

Mais Europa

Patrocinados