Quem está a ganhar a guerra na Ucrânia? A invasão da Rússia entra no 3º ato - estes são os próximos focos do conflito

CNN , Rob Picheta
13 jul, 10:08
Rubizhne, em Lugansk. (OLGA MALTSEVA/AFP via Getty Images)

ANÁLISE “Na primeira ronda a Ucrânia ganhou por K.O, na segunda, os russos ganharam por pontos". Agora os combatentes de ambos os lados estão a acirrar-se para um terceiro ato de luta que poderá fazer pender o equilíbrio do conflito. A próxima fase da luta vai desencadear-se em grande escala.

Dois exércitos exaustos lutam pelo leste da Ucrânia. Algum deles pode dar um golpe decisivo?

Quando Vladimir Putin reorientou a sua guerra na Ucrânia para o leste do país, há três meses, fê-lo ferido pelos fracassos da sua investida inicial em direção a Kiev e desesperado por um sucesso para salvar a face. Após uma lenta e sangrenta marcha através de Luhansk ter sido finalizada com a captura da cidade de Lysychansk, o Presidente russo poderá considerar-se a meio caminho de consegui-lo.

Mas a guerra chegou a outra encruzilhada e os combatentes de ambos os lados estão a acirrar-se para um terceiro ato de luta que poderá fazer pender o equilíbrio do conflito.

“É uma luta de muito atrito”, diz Justin Bronk, um investigador sénior para Força Aérea e Tecnologia do Royal United Services Institute (RUSI), descrevendo o tom da guerra após três meses de combates em Donbass. “É uma luta entre dois exércitos, ambos sofreram enormes perdas e estão muito perto da exaustão”.

Prevê-se que o próximo passo de Putin seja um impulso para Donetsk, que, se capturado cumpriria o objetivo principal do Kremlin: tomar toda a região de Donbass no leste da Ucrânia, que tem albergado fações separatistas apoiadas pela Rússia desde 2014.

Mas não é claro quando e como isso acontece. Enquanto a Rússia continua a realizar intensos ataques aéreos em várias frentes na Ucrânia, o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW), sediado nos EUA, declarou no domingo que as tropas terrestres russas estavam numa pausa operacional para “descansar, reequipar e reconstituir”.

Isso poderia dar tempo ao exército da Ucrânia para se preparar para defender as partes de Donetsk que ainda detém; principalmente o cinturão industrial que corre para sul a partir da cidade de Sloviansk. E a ameaça de contra-ofensivas ucranianas noutras partes do país, incluindo à principal cidade do sul de Kherson, permanece.

A próxima fase de luta em grande escala, quando se desencadear, poderá não ser a última. Mas pode determinar o futuro da região do coração da Ucrânia - e os analistas dizem que irá contribuir de forma considerável para determinar os resultados da guerra.

A Rússia está a marchar lentamente pelo leste da Ucrânia

Lições de Luhansk

Os últimos três meses de guerra exaustiva no Donbass não se assemelharam em quase nada ao ato de abertura da invasão russa, que viu incursões armadas do norte, leste e oeste e terminou num fracasso decisivo na invasão de Kiev e de outras cidades importantes da Ucrânia.

Em vez disso, o esforço reorientado do Kremlin apertou os limites da guerra, afunilando num rumo chave através do Luhansk e em direção a Donetsk, para onde foi canalizada a maior parte dos recursos da Rússia.

"Na segunda fase desta guerra assistiu-se à Rússia a regressar ao básico", afirma à CNN Max Bergmann, o diretor do programa Europa no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

Isto resultou num progresso lento mas constante para a Rússia, que ganhou várias semanas de batalhas em cidades estratégicas e expôs limitações do arsenal da Ucrânia. "Utilizaram a sua massa, os seus recursos de artilharia e (têm estado) a esmagar as forças ucranianas enquanto operavam num esmagamento lento", diz Bergmann.

As suas vantagens em armamento e poder de fogo começaram a manifestar-se. "Todas as formações (da Rússia) de guerra eletrónica, defesa aérea e de blindados podem concentrar-se em áreas muito pequenas", permitindo-lhes "criar superioridade local" sobre as posições mais alongadas e defensivas da Ucrânia, afirma Bronk.

"Na primeira ronda a Ucrânia ganhou por K.O. Na segunda ronda, os russos ganharam por pontos", diz Bergmann na sua avaliação das fases de abertura da guerra.

Mas três meses de guerra custaram o seu preço nos dois exércitos, e a captura de Luhansk traz duas forças militares exaustas a um ponto de inflexão.

"As forças russas continuarão provavelmente a limitar-se a ações ofensivas de pequena escala à medida que reconstruírem forças e criarem condições para uma ofensiva mais significativa nas próximas semanas ou meses", disse o ISW na quinta-feira.

Os combates continuaram perto da fronteira Donetsk-Luhansk; os militares ucranianos na sexta-feira enumeraram mais de 40 cidades e aldeias no Donbass que foram atacadas nas 24 horas anteriores, reconhecendo "sucesso parcial" de uma tentativa russa de avançar numa frente perto da cidade de Bakhmut.

Mas o ISW no entanto avaliou que está em curso uma pausa operacional para as tropas terrestres russas, e que o ritmo dos ganhos territoriais russos diminuiu na semana passada após a sua tomada de posse do Luhansk.

Os benefícios do acalmar para ambos os exércitos são de alguma forma óbvios; as forças empobrecidas da Rússia precisam de ser recuperadas, enquanto as forças militares da Ucrânia estão numa corrida para receber, entregar e familiarizarem-se com o equipamento ocidental.

"As tropas russas que lutaram através de Severodonetsk e Lysychansk muito provavelmente precisam de um período significativo para descansar e reequiparem-se, antes de retomarem as operações ofensivas em grande escala", de acordo com o ISW.

"Parece que estamos numa estase, mas é um equilíbrio muito instável e não sabemos para que lado irá quebrar", analisa Bergmann. "Nos bastidores, haverá um esforço frenético de ambos os lados para se prepararem para futuras ofensivas". Qualquer dos lados que utilize este período de forma mais eficaz poderá ser capaz de aproveitar a vantagem quando a luta em todas as frentes for retomada.

Severodonetsk, dias antes de a Rússia assumir o controlo da cidade chave.

Os próximos focos da guerra

O próximo passo antecipado da Rússia será continuar o caminho que forjou através do Luhansk, avançando para partes de Donetsk controladas pela Ucrânia e tentando desgastar e cercar as tropas ucranianas também nesse avanço.

Fazendo-o, entregaria a região simbolicamente significativa do Donbass a Moscovo - e completaria o objetivo principal que Putin estabeleceu ao lançar a sua invasão em fevereiro, quando falsamente afirmou que essas regiões são espiritual e culturalmente russas, e que os falantes de russo estavam a ser perseguidos aí.

Mas se a linha temporal e as táticas utilizadas no Luhansk se repetirem na região vizinha, será necessária outra luta amarga e sangrenta.

"Há dois nomes que infelizmente se vão tornar muito familiares" com as batalhas chave na próxima fase de luta - as cidades de Sloviansk e Kramatorsk, no norte de Donetsk. "Suspeito que serão os próximos Severodonestk e Mariupol", diz Samir Puri, um membro sénior em segurança urbana e guerra híbrida do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), que trabalhou como observador de cessar-fogo no Donbass entre 2014 e 2015.

Estas cidades foram preparadas para se tornarem pontos de inflamação na guerra durante meses; encontram-se agora rodeadas a leste e a sul por território controlado pela Rússia e a sua captura seria um grande avanço para o Kremlin.

"Provavelmente, eles [atacarão Sloviansk]. Provavelmente, é por isso que os ataques se tornaram mais frequentes", disse na quarta-feira o chefe da administração militar-civil da cidade, Vadym Liakh, acrescentando que atualmente as forças ucranianas estão a deter os exércitos de Moscovo no rio Siverskyi Donets.

Escombros de casas na cidade de Sloviansk no mês passado.

"Penso que assim que o inimigo for capaz de realizar operações de assalto, começará a destruição das infraestruturas e da própria cidade", disse Liakh.

É provável que o teor dos combates na região se assemelhe aos ataques da Rússia a cidades como Severodonetsk e Lysychansk, cuja queda marcou o fim da defesa do Luhansk por parte da Ucrânia.

Espera-se que a defesa da Ucrânia seja de novo perseverante. "Eles querem tornar isto o mais duro e longo possível para os russos", diz Bergmann. "Foi assim que prosseguiram esta guerra; combateram os russos por cada centímetro de território, e quando se torna um erro tático continuar a lutar, eles retiram-se, mas não precipitadamente".

"Retiram-se, mas à medida que se retiram, lutam".

Mas, tal como com o Luhansk, a Rússia esperará firmar o pé da frente e esmagar a resistência ucraniana, que lutará para lançar ofensivas eficazes. "(A Ucrânia) terá a capacidade de sangrar lentamente os russos ao longo de Donetsk", mas poderá faltar "a disponibilidade de infantaria e formações blindadas que estejam equipadas e suficientemente frescas para empurrar para a frente", diz Puri.

"Têm de experimentar uma metamorfose militar para chegarem a essa capacidade ofensiva".

Entretanto, haverá surtos noutras regiões que poderão perturbar os principais objetivos da Rússia no Donbass.

Nas últimas semanas, a Ucrânia recuperou a Ilha das Serpentes e teve algum sucesso com as contra-ofensivas perto de Kherson, no sul da Ucrânia, que estão agora a acelerar e a forçar a Rússia a entrar na defensiva.

Na segunda-feira à noite, os militares ucranianos atacaram o que foi dito ser um depósito de munições russo na cidade de Nova Kakhovka, na região de Kherson, no que pareceu ser um dos maiores ataques dentro do território ocupado pela Rússia desde que a guerra começou. Um funcionário russo disse que o ataque ucraniano foi realizado com um sistema de artilharia de longo alcance HIMARS fornecido pelos Estados Unidos, mas alegou que o ataque atingiu um armazém de fertilizantes e casas.

A Ucrânia começou a atacar postos de comando e depósitos de munições russos muito atrás das linhas da frente, tanto em Kherson como no Donbass, utilizando armamento ocidental recentemente fornecido que tem um alcance muito maior do que os seus sistemas de artilharia anteriores.

Serhii Khlan, um conselheiro do chefe da administração civil militar de Kherson, disse terça-feira: “Já lançámos ataques ao longo de quase toda a linha da frente” - e os russos estavam agora a reforçar os seus postos de controlo “porque o movimento partisan está a intensificar-se na região de Kherson. E acrescentou que a Rússia está "a preparar-se para batalhas de rua" na cidade.

Entretanto, a agência noticiosa ucraniana Ria-Melitopol informou na semana passada que grandes quantidades de equipamento militar russo foram vistas a passar por Melitopol, incluindo comboios de tanques e veículos blindados, em direção a Kherson e Zaporizhzhia. Na semana passada, autoridades nomeadas pela Rússia na região de Kherson prenderam o presidente eleito da câmara ucraniana da cidade, Ihor Kolykhaiev, horas antes de anunciarem os planos para um referendo de adesão à Rússia.

"O foco para os russos ainda está muito concentrado naquela pequena área (no Donbass), enquanto para os ucranianos parece estar a avançar e a criar um avanço em Kherson", diz Bronk. Fazê-lo "criaria realmente um problema bastante sério para a Rússia".

Kherson foi capturada e ocupada pela Rússia nos primeiros dias da invasão. Se os ucranianos conseguissem apreendê-la de volta, isso iria perturbar as linhas de abastecimento russas, cortar a sua ponte terrestre para a Crimeia e representar um impulso significativo para o moral.

Procurando poder de fogo

A guerra da Rússia na Ucrânia está a avançar para a marca dos seis meses, e o curso da sua próxima fase dependerá muito do poder de fogo e do armamento que cada lado ainda pode utilizar.

O chefe da administração militar da região de Luhansk, Serhiy Hayday, disse esta semana que a Ucrânia está a infligir perdas significativas aos exércitos russos no Donbass, e afirmou que com a ajuda de armamento adicional ocidental de longo alcance, "a vantagem do inimigo em pessoal será nivelada".

O Ministério da Defesa russo não comunica regularmente o número de mortos e feridos entre as suas forças e a CNN não pôde verificar de forma independente as reivindicações de Hayday sobre as baixas russas. No entanto, analistas e observadores independentes, incluindo alguns bloggers militares russos, criticaram o esforço feito por Moscovo para capturar a cidade de Lysychansk, afirmando que implicava demasiados custos.

"Vamos ter uma boa noção da profundidade das reservas militares russas", afirma Bergmann, ao entrarem no Donbass. "A estratégia de bombardeamento funciona se tivermos uma base industrial de defesa que esteja a bombear munições ... (mas) eles têm enormes reservas, enormes reservas". Também obriga a um esforço dispendioso e moroso de reconstrução de cidades dizimadas como Mariupol, onde praticamente todas as infraestruturas foram destruídas durante o assalto da Rússia.

Os socorristas ucranianos trabalham no exterior de um edifício residencial atingido por mísseis russos em Kiev, em junho.

Alguns analistas têm especulado sobre a crescente utilização pela Rússia de mísseis mais antigos e menos precisos como o KH-22, desenvolvido pela primeira vez nos anos 60, dizendo que isso sugere que as suas reservas estão a esgotar-se.

Os tanques da era soviética também foram introduzidos nas linhas de frente; já em maio, tanques T-62 com 50 anos estavam a ser retirados do "armazenamento profundo" para ajudar no esforço, de acordo com os serviços secretos britânicos.

A Ucrânia enfrenta o problema oposto. Estão a ser enviadas vastas áreas de alta tecnologia para o país, armamento ocidental do qual depende fortemente, e os oficiais em cada oportunidade estão a pedir mais. Mas as chegadas de vários sistemas de combate de dezenas de países está a fornecer aos militares ucranianos tanto uma linha de vida como uma dor de cabeça.

"É um pesadelo logístico; estão a receber muitas versões diferentes (de armamento) de diferentes países", diz Bronk. "Eles não levam as mesmas munições - têm diferentes preocupações logísticas (e) de manutenção diferentes".

Quando as armas chegam às linhas da frente -- e esse processo requer uma cadeia de fornecimento complexa -- os soldados precisam de ser ensinados a usá-las.

Em alguns casos, isso requer mesmo que tropas deixem o país. O exército britânico treinou nas últimas semanas centenas de tropas ucranianas em Wiltshire, no sul de Inglaterra, enquanto a Alemanha disse que planeia treinar soldados sobre como utilizar o sistema de foguete de lançamento múltiplo Mars II.

"A Ucrânia tem um imenso desafio logístico: eles têm de deslocar um exército que estava enraizado em equipamento russo e soviético, e modernizar-se para utilizar equipamento da NATO - enquanto combatem numa guerra", diz Bergmann.

"A grande questão em aberto é se (eles) podem realmente incorporar o armamento ocidental que estão a receber sendo a Rússia capaz de reconstituir as suas forças".

Uma guerra longa

O foco das forças armadas ucranianas e do Ocidente de observação está em repelir o próximo assalto da Rússia no leste.

Mas se o ritmo do movimento da Rússia através de Luhansk for replicado no Donetsk, a guerra estender-se-á até ao Outono e até ao Inverno - e alguns analistas estão a começar a pesar as implicações a longo prazo dos combates.

Está longe de ser certo que Putin irá parar a sua invasão se tomar a totalidade do Donbass. "Não creio que as ambições dos russos (além do leste) se tenham dissolvido completamente", diz Bergmann. "Eles estão realmente determinados a controlar o Donbass, mas se conseguirem obter ganhos, vão tentar obter mais ganhos".

Se Putin olhar além das fronteiras do Donbass, pode decidir empurrar para as margens do rio Dnipro, que divide a Ucrânia de norte a sul. Fazê-lo representaria um esforço para confiscar metade do país, um movimento que iria aterrorizar o Ocidente e prolongar consideravelmente a guerra.

As nações da NATO comprometeram-se repetidamente a apoiar a Ucrânia, independentemente do tempo que a guerra demorar.

Mas os fatores económicos começarão a morder todos os lados se a guerra ainda estiver a decorrer no próximo ano. "Mesmo que se tenha a vontade (de apoiar a Ucrânia), é possível que a capacidade diminua significativamente se a economia estiver a afundar-se", diz Bronk, notando a inflação em espiral e a saúde financeira em dificuldades das nações ocidentais. Mas o mesmo é ainda mais verdadeiro para a Rússia, cuja economia tem sido gravemente atingida por sanções.

A Ucrânia também tem um potencial desastre económico a aproximar-se, pelo que continuará a contar com o apoio financeiro ocidental, bem como com ajuda militar. "A sua economia foi essencialmente destruída pela invasão russa", observa Bronk, com a capacidade de importar e exportar através do Mar Negro a ser varrida e a sua produção interna de cereais severamente diminuída este ano. Em abril, o Banco Mundial previu que a economia da Ucrânia iria encolher em 45% este ano.

Nesse contexto, muitos países ocidentais poderiam procurar nas negociações de paz uma linha de salvação. Os EUA e os seus aliados colocaram nas últimas semanas uma ênfase renovada na necessidade de um acordo negociado para pôr fim à guerra.

Mas independentemente de quando e como a guerra termina, países de todo o Ocidente já estão a procurar reforçar as suas próprias defesas para combater a ameaça russa - mesmo enquanto transportam armas e informações para a Ucrânia.

"A Rússia definiu um rumo para um confronto sério e a longo prazo com o Ocidente", diz Bronk. "(Portanto) o Ocidente precisa de equilibrar o abastecimento da Ucrânia com a geração das suas próprias capacidades militares". A Rússia também procurará preservar grande parte da sua capacidade militar para atuar como contrapeso para as forças da NATO na Europa.

Zelensky disse aos líderes do G7 no mês passado que queria acabar com a guerra em meses, não em anos. "Ele acredita que um conflito de esmagamento não é do interesse do povo ucraniano", disse o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, após a reunião.

Se isso é possível depende de numerosos fatores, muitos dos quais estão para lá do seu controlo. Mas os peritos concordam que as próximas semanas e meses de guerra na Ucrânia oriental irão longe na determinação do futuro da maior guerra terrestre da Europa em décadas.

"O campo de batalha vai determinar que tipo de acordo diplomático é possível, e se um é possível", disse Bergmann. "É bastante imprevisível a forma como isto irá progredir".

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados