Putin acaba de pôr uma mina debaixo do seu regime

CNN , Andrei Kolesnikov
22 set, 11:00
Vladimir Putin. Foto: Gavriil Grigorov, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

OPINIÃO. Putin quebrou um contrato não escrito com os russos: nós, os cidadãos, permitimos que vocês, as autoridades, roubem e lutem, mas em troca ficam fora das nossas vidas privadas.

Nota do editor: Andrei Kolesnikov é membro sénior da Carnegie Endowment for International Peace. É autor de vários livros sobre a história política e social da Rússia, incluindo "Cinco Anos de Reformas Liberais. Origens da Modernização Russa e o Legado de Egor Gaidar". As opiniões expressas neste comentário são as suas próprias.

 

Num discurso à nação na televisivo esta quarta-feira de manhã, o Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma mobilização parcial. Isto significa que ele quebrou essencialmente um contrato social não escrito com os russos: nós, os cidadãos, permitimos que vocês, as autoridades, roubem e lutem, mas em troca ficam fora das nossas vidas privadas.

Começando uma nova fase da guerra, o encurralado Putin está a arrastar uma porção significativa de russos atrás de si. Ele declarou de facto guerra na frente interna - não apenas à oposição e à sociedade civil, mas à população masculina da Rússia.

Porque é que Putin está a assumir o risco? Porque ele próprio tem há vários meses encorajado a falta de atenção pública para a guerra. A mobilização provoca um grave descontentamento na sociedade. Foi precisamente por isso que ele decidiu fazer uma mobilização parcial, em vez de uma mobilização total. A longo prazo, ele colocou uma mina sob o seu regime; a curto prazo, enfrentará sabotagem.

Durante muito tempo, Putin fomentou uma desinclinação das massas para a guerra, uma desinclinação que agora vai custar aos russos, que estão a ser transformados em carne para canhão.

Como poderá o anúncio de quarta-feira tirar os russos da sua zona de conforto – aos que permaneceram indiferentes à “operação especial” nas circunstâncias atuais?

Até agora, pelo menos, a principal emoção (ou melhor, a sua ausência) sentida aqui era a indiferença. Essa indiferença vem em tons diferentes - genuína, imitativa ou auto-cultivada.

O russo que se enquadra nos 30% que “por pouco” apoiam a “operação especial” (quase 50% "definitivamente" apoiam-na, ligeiramente menos de 20% não a apoiam) não tem opinião própria, prefere pedi-la emprestada à TV ou a Putin, bloqueia para si as más notícias e as fontes alternativas de informação. Mas por vezes não gosta da guerra em si, e uma pessoa nestes 30% pode potencialmente mudar a sua atitude em relação a Putin e às suas iniciativas.

A indiferença das pessoas comuns beneficia Putin. Nós, os cidadãos, não interferimos nos assuntos da nossa classe política e apoiamos as suas iniciativas, mas em troca pedimos-lhes que mantenham uma impressão de normalidade.

Que é o que Putin faz, combinando habilmente a mobilização parcial em apoio da guerra e a ele próprio (o que aconteceu imediatamente após o início da invasão) e a desmobilização. Os programas de entretenimento estão de volta à televisão, os fogos de artifício explodiram nas festividades anuais do Dia da Cidade de Moscovo (uma piada irónica deste dia foi que o Presidente da Câmara de Moscovo, Sergei Sobyanin, celebrou o início da contra-ofensiva ucraniana), e as pessoas vivem as suas vidas normais - o interesse pelos acontecimentos na Ucrânia tem sido baixo durante todo o Verão.

Mas mesmo aqueles que ficaram indiferentes não puderam ignorar o contra-ataque ucraniano. Embora também aqui tenha prevalecido uma relutância em saber a verdade: se os oficiais disseram que não se tratava de um recuo, mas de um reagrupamento de tropas, então foi esse o caso. No entanto, mesmo os talk shows oficiais do Kremlin estavam cheios de confissões de fracasso.

Isto não provocou um desejo de paz - que também está presente no estado de espírito mesmo daqueles que geralmente apoiam a operação - mas provocou uma explosão de agressão e discurso de ódio. Houve apelos a “tirar as luvas brancas" e punir realmente a Ucrânia. Foi o que Putin fez ao lançar ataques de mísseis sobre infraestruturas - centrais elétricas e instalações hidroelétricas. Isto é vingança e raiva, mas raiva que revela fraqueza em vez de força.

Os radicais estão descontentes com Putin e exigem uma guerra até ao amargo fim e mobilização geral. Mas falta ao ditador do Kremlin os recursos para uma vitória rápida, incluindo, acima de tudo, os recursos humanos (razão pela qual ele começa a recrutar carne para canhão, mesmo de condenados a cumprir as suas penas).

Dito isto, não é rentável para Putin provocar o descontentamento da classe média, que está feliz por ver a guerra do seu sofá na televisão mas não está prestes a ir para as trincheiras. Além disso, a mobilização geral desviaria o capital humano necessário para a economia - dito de uma forma simples, não haveria praticamente ninguém para trabalhar.

O descontentamento com Putin por parte de falcões radicais não é um fenómeno novo. Mas, no entanto, ainda não se manifestou de forma tão vívida. Contudo, não têm qualquer hipótese de competir com Putin - os radicais ultraconservadores serão suprimidos com a mesma energia que os liberais pró-ocidentais: o ditador não tolerará qualquer concorrência no nicho da guerra e do imperialismo.

A opinião pública na Rússia é muito inerte, e algo de extraordinário terá de acontecer para que o humor mude a sério. O mesmo se aplica aos problemas económicos. Até agora, a crise sócio-económica não era tão visível. O seu início pleno está a ser adiado, mas, como dizem alguns economistas, irá provavelmente manifestar-se em finais de 2022/início de 2023.

Enquanto a opinião pública está num estado de inércia, Putin tem uma oportunidade de encontrar palavras para fazer passar as derrotas por vitórias. Ele poderá parar a guerra agora mesmo, descrevendo as perdas como ganhos. E em parte fê-lo, quando decidiu corrigir as perdas anunciando a realização urgente de referendos nos quatro territórios ocupados da Ucrânia sobre a sua adesão à Rússia.

É evidente que Putin não está pronto para parar o que começou. Ele presume que a Rússia será bem sucedida no campo de batalha. Ou pelo menos ganhará uma posição mais forte nos territórios ocupados, declarando-os russos, caso em que qualquer luta neles seria avaliada como um ataque à Rússia. E terá então a oportunidade de transferir a "operação especial" para o estatuto oficial de guerra e de criar a possibilidade de mobilização geral. Agora Putin anunciou apenas uma mobilização limitada e "parcial".

E tudo isso pode ser um erro. Quanto mais tempo Putin demorar a pôr fim à guerra - mesmo tendo em conta a já publicamente expressa cautela dos seus principais "amigos", o Presidente chinês Xi Jinping e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi - mais difícil será para ele fazer a paz mais tarde em termos que poderiam ser retratados como uma vitória.

Sim, a opinião pública está mentalmente preparada para uma longa guerra, mas quem sabe quando a fadiga da tensão constante, que tem de ser aliviada pela indiferença cuidadosamente alimentada, irá romper e mudar o estado de espírito. Putin diz que tem tempo e que o exército russo não tem pressa.

Mas à medida que o tempo passa, as derrotas tornar-se-ão cada vez mais difíceis de apresentar como vitórias - sobretudo pelos 30% hesitantes que "por pouco" o apoiam.

Europa

Mais Europa

Patrocinados