Porque é que a Google não sai da Rússia?

CNN , Rishi Iyengar
4 jun, 10:00
Google quer usar apenas energia limpa até 2030

Análise à "dança delicada" entre a Google e a Rússia

A Rússia passou meses a expulsar empresas tecnológicas americanas ou a vê-las partir de livre vontade, por causa da sua guerra na Ucrânia. Mas o país encontra-se agora preso num impasse com uma grande empresa de tecnologia: a Google.

 

Muitos dos serviços da Google, incluindo o motor de pesquisa, mapas, Gmail e, talvez o mais importante, o YouTube, continuam a estar disponíveis na Rússia, numa altura em que o Facebook, Instagram e Twitter não o estão. A situação ilustra a difícil posição em que ambos os lados se encontram agora e o ténue estado atual do ecossistema da Internet na Rússia. A Rússia tem tentado emparedar a sua Internet face ao mundo, mas parece reconhecer a potencial reação dos cidadãos em relação à proibição dos serviços mais populares. Da sua parte, a Google pronunciou-se contra as ações da Rússia, mas também tem incentivos estratégicos e morais para permanecer.

O governo russo continua a tentar apertar a empresa de Silicon Valley, abrindo um novo processo contra a Google na sexta-feira passada por alegadamente ter falhado na armazenagem de dados de utilizadores russos no interior do país. (A Google não respondeu a um pedido de comentários sobre a ação da Rússia). Semanas antes, a filial russa da Google declarou falência e fez uma pausa na maioria das suas operações comerciais, após o governo ter tomado o controlo das suas contas bancárias no país.

"O congelamento da conta bancária da Google na Rússia pelas autoridades tornou insustentável o funcionamento do nosso escritório na Rússia, incluindo o trabalho e o pagamento de empregados sediados na Rússia, o pagamento de fornecedores e vendedores, e o cumprimento de outras obrigações financeiras", disse um porta-voz da Google numa declaração à CNN.

No entanto, a Google ficou aquém de se retirar completamente da Rússia e a Rússia ficou aquém de forçá-la a fazê-lo.

"As pessoas na Rússia confiam nos nossos serviços para aceder a informação de qualidade e continuaremos a manter disponíveis serviços gratuitos tais como a pesquisa, YouTube, Gmail, Mapas, Android e Play", acrescentou o porta-voz. (A Google tomou algumas medidas para retirar os seus serviços na Rússia, proibindo os canais estatais de comunicação social russos e impedindo-os de venderem anúncios, ao mesmo tempo que reprimia a desinformação em torno da guerra na Ucrânia).

Entretanto, o ministro russo do desenvolvimento digital, Maksut Shadayev, excluiu uma proibição total ndo YouTube - um dos serviços online mais populares da Rússia. "Não pretendemos bloquear o YouTube", afirmou Shadayev, citado pela agência noticiosa russa Interfax. "Sempre que bloqueamos algo, devemos compreender claramente que não será feito nenhum mal aos nossos utilizadores", acrescentou.

 

“O último homem de pé”

Para a Google, há um claro valor estratégico em manter os seus serviços ativos num país com mais de 100 milhões de utilizadores da Internet - e num mercado em que já tem uma forte posição.

"Vários serviços Google obtiveram uma quota de mercado significativa na Rússia, que a empresa poderá querer manter na esperança do fim da guerra e do levantamento das sanções", disse Mariëlle Wijermars, professora assistente de cibersegurança e política na Universidade de Maastricht, na Holanda, cujo trabalho se centra na política russa da Internet. "Dado o impulso da Rússia no sentido de estabelecer a soberania digital, pode ser difícil reentrar no mercado".

Mas alguns peritos em governança da Internet argumentam que a escolha da Google de manter os serviços a funcionar no país pode ter mais um imperativo moral do que um imperativo empresarial.

"Penso que o lado moral é uma questão maior", disse Daphne Keller, directora do programa sobre regulamentação de plataformas no Cyber Policy Center da Universidade de Stanford. "Manter o fluxo de informação para dissidentes na Rússia, ou pessoas que querem informação de uma fonte que não os meios de comunicação social estatais, é incrivelmente importante".

A Google não respondeu a perguntas sobre os seus motivos para manter os seus serviços ativos na Rússia, mas a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, expôs na semana passada o papel que a plataforma de vídeo se vê a desempenhar no país.

"A razão pela qual ainda estamos a servir na Rússia e acreditamos que isso é importante é que somos capazes de transmitir notícias independentes na Rússia", disse Wojcicki a uma audiência no Fórum Económico Mundial em Davos, Suíça. "E assim o cidadão médio na Rússia pode aceder gratuitamente à mesma informação que pode aceder aqui a partir de Davos, o que acreditamos ser realmente importante para poder ajudar os cidadãos a saber o que se está a passar e a ter perspetivas do mundo exterior".

O YouTube é utilizado por cerca de três quartos da população online da Rússia, ou mais de 77 milhões de pessoas, de acordo com estimativas da Insider Intelligence. Apesar dos contínuos avisos do governo russo para retirar conteúdos, o YouTube continua a ser uma das poucas ligações digitais entre a Rússia e o mundo exterior, especialmente desde que outras plataformas globais foram bloqueadas.

"O YouTube, em particular, é, se quiser, uma espécie de ‘último homem de pé’", disse Alina Polyakova, presidente e CEO do Center for European Policy Analysis, com sede em Washington, à CNN. "A Google encontra-se como a última empresa de pé nesta batalha mais vasta entre um governo autoritário e uma empresa tecnológica ocidental que fornece um dos últimos espaços de livre expressão que restam na Rússia" (a Google é uma das várias empresas de que a CEPA recebe "uma pequena parte" do seu financiamento sob a forma de donativos, de acordo com a Polyakova).

 

Porque é que a Rússia pestanejou com Google

A Rússia utilizou a guerra na Ucrânia para intensificar os seus esforços no sentido de murar a sua Internet do resto do mundo, construindo o que alguns descreveram como uma Cortina de Ferro digital. Mas a sua decisão de não proibir os vários serviços da Google mostra as limitações da Internet de origem doméstica mais restrita da Rússia.

Não só o YouTube é popular no país, como as autoridades russas há muito utilizam a plataforma para difundir as suas próprias mensagens, com os canais estatais de comunicação como a RT e a Sputnik a atingirem milhões de assinantes antes de serem banidos.

"A Rússia utiliza ativamente o YouTube para divulgar propaganda", disse Wijermars. "Para chegar às gerações mais jovens que veem menos televisão tradicional, a difusão online tanto de programas de televisão como de formatos online mais adaptados tem sido importante para expandir o alcance das suas narrativas".

Ao contrário da rede social VK e do motor de busca Yandex, não existem alternativas locais comparáveis ao YouTube na Rússia (o RuTube, apoiado pelo governo, não conseguiu atingir o mesmo nível de popularidade).

"Eles não têm uma verdadeira alternativa doméstica, e penso que temem uma reação negativa porque muitos russos a utilizam", disse Polyakova. "E, francamente, isso dá ao YouTube uma grande vantagem".

O YouTube não é a única plataforma tecnológica ocidental popular que a Rússia tem deixado em paz. O WhatsApp, o mensageiro móvel propriedade da Meta, empresa-mãe do Facebook, ainda está operacional, com o governo russo a dizer que está isenta porque é um serviço de mensagens privado e não uma rede social pública. Mas enquanto a clemência da Rússia em relação ao YouTube se estendeu até agora à Google como um todo, as outras plataformas da Meta, Facebook e Instagram, foram das primeiras a serem bloqueadas.

O YouTube é também apenas um dos vários serviços da Google em que os russos confiam.

"Não é claro o que aconteceria, por exemplo, ao seu sistema operativo Android, que é amplamente utilizado na Rússia, se a Rússia obrigasse o YouTube a sair", disse Wijermars. "A longa lista de empresas tecnológicas que anunciaram que deixarão o mercado russo, juntamente com o impacto das sanções, torna a economia digital russa muito vulnerável a tais perturbações".

De momento, parece que tanto a Rússia como a Google estão dispostas a arrastar os pés e a ousar deixar ser o outro lado a cortar o cordão.

"Penso que o governo russo está a jogar aqui um jogo muito delicado", disse Polyakova. "Há obviamente uma linha que eles não querem atravessar, forçando esta empresa a sair completamente".

 

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados