Opinião: Não acordem o gigante nuclear à nossa porta

CNN , Por Sasha Dovzhyk
3 set, 15:46
Restabelecida energia na central nuclear de Zaporizhzhia

Sasha Dovzhyk sabe o que é viver com o medo do envenenamento nuclear. A tragédia de Chornobyl, escreve, faz parte da memória coletiva na Ucrânia. Se os russos causarem um acidente de radiação na central nuclear de Zaporizhzhia, a sua cidade natal sofrerá - e a propagação da radiação, avisa, não se manterá dentro de zonas e fronteiras.

Nota do editor: Sasha Dovzhyk é curadora de projetos especiais no Instituto Ucraniano de Londres e professora associada em ucraniano na School of Slavonic and East-European Studies, University College London. Tem um doutoramento em Inglês e Literatura Comparada pela Birkbeck, da Universidade de Londres. Divide o seu tempo entre o Reino Unido e a Ucrânia. As opiniões expressas neste comentário são as suas.

 

Que inimigo tinha de combater nos seus pesadelos quando era criança? O meu não tinha forma, voz, cheiro ou sabor, mas podia rastejar debaixo da minha pele e corroer-me por dentro.

Desde os 10 anos, quando deparei com um livro sobre as consequências do desastre nuclear de Chornobyl*, tive pesadelos regulares sobre envenenamento por radiação. A minha melhor amiga e parceira de escrita teve de sofrer com as minhas interpretações desses pesadelos, em prosa e verso, ao longo dos nossos anos escolares.

Sasha Dovzhyk com a sua melhor amiga Diliara Didenko em Zaporizhzhia, 2002. Cortesia: Sasha Dovzhyk

Crescendo em Zaporizhzhia, a cidade do sudeste da Ucrânia a cerca de 50 quilómetros da maior central nuclear da Europa - agora local de bombardeamentos da Rússia e dos crescentes receios de desastre nuclear -, não éramos estranhos à ansiedade atómica.

Afinal, a catástrofe de Chornobyl, que tinha acontecido apenas dois anos antes de eu nascer, aparecia regularmente no currículo escolar.

À parte os livros escolares, a minha tia estava entre os cidadãos soviéticos que marcharam incógnitos no centro de Kyiv durante o desfile do Dia de Maio em 1986, enquanto, cerca de 110 quilómetros a norte, o Reactor 4 de Chornobyl respirava radiação para o céu.

Enquanto o mundo ocidental chora a morte de Mikhail Gorbatchov, os ucranianos lembram-se do último governante soviético para aquelas festividades numa Kyiv irradiada e o que camuflou sobre Chornobyl.

No nosso último ano na escola, fizemos uma viagem a Enerhodar, uma pequena cidade que alberga a central nuclear de Zaporizhzhia. Fiquei secretamente desiludida com a monotonia ordeira da estação. Ao longo da década de 2000, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) classificou a central como uma das mais bem geridas do mundo.

A estação parecia limpa, bem organizada, tal como os milhares de funcionários encarregados dos seus seis reatores nucleares. A minha memória mais forte dessa viagem foi o autocarro a avariar-se nos campos no nosso regresso a casa.

A tia de Sasha Dovzhyk, Tetiana Kulihina, com amigos em Kyiv, em maio de 1986. Cortesia: Sasha Dovzhyk

Agora, duas décadas mais tarde, esses campos estão em chamas, a minha cidade natal está sob o domínio da guerra e os profissionais da central nuclear de Zaporizhzhia foram feitos reféns pelos ocupantes e trabalham sob enormes pressões físicas e psicológicas.

Pergunto-me como estará ordenada a estação com cerca de 50 itens de equipamento militar armazenados no local a partir do qual os russos bombardeiam regularmente a vizinha cidade ucraniana de Nikopol, lançando até 120 rockets por noite. Duvido que a comissão da AIEA que está prestes a atravessar a linha da frente e inspecionar a estação a classifique novamente entre as mais seguras do mundo.

O exército russo capturou a central nuclear de Zaporizhzhia em março, com o pessoal alegadamente a operar sob ameaça das armas. Aconteceu numa rara noite que passei sozinha num apartamento alugado em Lviv. Durante essas primeiras semanas da invasão em grande escala, era normal partilhar alojamento com muitos amigos e estranhos: Ucranianos do leste, sul e norte do país deslocavam-se para oeste, fugindo das tropas invasoras e dos bombardeamentos.

Entre eles estavam os meus pais, que tinham acabado de partir para a Alemanha. A minha melhor amiga, a fiel destinatária da minha escrita adolescente de inspiração nuclear, estava a caminho de Zaporizhzhia para Lviv juntamente com a sua jovem família. Um alerta noticioso despertou-me após meia hora de sono ansioso. Vi um vídeo do bombardeamento militar russo da central nuclear que tinha ensombrado a minha infância. Nos meus pesadelos, as pessoas eram mais inteligentes do que isso. Isto não era um sonho. A realidade acabou por ser muito mais sinistra.

Os militares russos que bombardeavam os reatores podiam ser bombistas suicidas. Ou poderia faltar-lhes a escolaridade básica sobre riscos de radiação que uma criança ucraniana média aprende sem fim. A mesma falta de conhecimento estava patente na decisão dos invasores de cavar trincheiras na Floresta Vermelha durante a sua missão abortada em Kiyv. Situada no coração da Zona de Exclusão de Chornobyl, a floresta é um dos locais nucleares mais contaminados do mundo. É impossível imaginar um ucraniano a perturbar este enterro de resíduos radioativos.

A tragédia de Chornobyl faz parte da memória coletiva na Ucrânia. Entrou na literatura nacional e impulsionou a política. Documentando a experiência dos sobreviventes, escritores ucranianos como Ivan Drach e Volodymyr Yavorivskyi tornaram-se ativistas antinucleares, fundaram organizações políticas e fizeram campanha pela independência em relação a Moscovo - que tinha permitido que o pior desastre nuclear da história ocorresse em solo ucraniano e minimizou as consequências.

De facto, a camuflagem do Kremlin sobre a catástrofe tornou-se uma causa poderosa que permitiu aos ambientalistas e dissidentes ucranianos abalar as fundações do domínio soviético. Cinco anos após a catástrofe, os ucranianos votaram-se a si próprios para fora da União Soviética. A independência do Estado ucraniano moderno tem um sinal de nascença nuclear. Esta associação política faz da energia nuclear um tema de recordação na Ucrânia - e um local da amnésia na Rússia.

Em março, abracei a minha melhor amiga, que estava prestes a atravessar a fronteira, e procurei segurança para os seus filhos na Europa Ocidental. Como lembrança, dei-lhe o meu livro de poesia preferido. É tanto com palavras como com armas que os ucranianos estão habituados a combater os seus inimigos.

No caso de enfrentarmos um inimigo que não pudesse ser combatido com qualquer deles, a minha amiga deu-me quatro comprimidos de iodo. Carreguei o seu presente de despedida na minha carteira durante os seis meses de terrorismo nuclear russo.

Sasha Dovzhyk com a sua tia Tetiana na região de Zaporizhzhia, 1994. Cortesia: Sasha Dovzhyk

Agora, a minha tia, que há 36 anos foi chamada a marchar sob a nuvem radioativa de Chornobyl, é uma das residentes na fila para a distribuição de iodo pelo governo em Zaporizhzhia. Se os ocupantes causarem um acidente de radiação na central nuclear ocupada de Zaporizhzhia, a nossa cidade natal acabará provavelmente numa nova zona de exclusão - e a propagação da radiação não se mantém dentro de zonas e fronteiras.

Durante os oito anos em que a Rússia travou a sua guerra contra a Ucrânia, os ucranianos têm vindo a alertar a comunidade internacional para os perigos de combates ativos nas proximidades da maior central nuclear da Europa. Os seus avisos não têm sido ouvidos. O agressor tem sido apaziguado.

Cabe agora à comunidade internacional devolver o controlo sobre os objetos das infraestruturas nucleares civis na Ucrânia àqueles que os tratam com conhecimento da história, respeito pelo passado e responsabilidade pelo futuro: aos ucranianos.

 

Nota: a autora utiliza a ortografia ucraniana de Chornobyl e Kyiv.

Europa

Mais Europa

Patrocinados