"Vladimir Putin só responde à força bruta". Líderes da NATO reúnem-se em Washington mas, a 8.000 quilómetros, o desespero instala-se

CNN , Opinião de Michael Bociurkiw
8 jul, 16:33
Washington DC, Capitólio.  Foto J. David Ake/Getty Images

OPINIÃO || Os Estados Unidos acolhem a cimeira da NATO deste ano em Washington DC, de 9 a 11 de julho. Trinta e dois aliados reunir-se-ão no Capitólio, 75 anos depois de 12 países terem assinado pela primeira vez o Tratado do Atlântico Norte. Catapultar a Ucrânia para uma posição vencedora deveria ser o principal objetivo da cimeira: Vladimir Putin só responde à força bruta

Enquanto Washington se preparava para receber os líderes mundiais para uma cimeira histórica que comemora os 75 anos da NATO, a quase 8.000 quilómetros eu estava a ter uma conversa ao jantar de cortar a respiração.

Michael Bociurkiw, foto Chrystia Chudczak.

"Os meus sonhos foram destruídos", dizia-me uma amiga ucraniana, Inna Ivanova, num restaurante escondido num canto obscuro de Odessa.

Antiga residente desta cidade portuária do sul da Ucrânia, Inna estava a visitar a família durante uma pausa do seu trabalho como contabilista na Alemanha.

Até à invasão total da Rússia, há mais de dois anos, Inna estava a estudar teatro na esperança de se tornar atriz. Mas com as frequentes sirenes de ataque aéreo e cortes de eletricidade, tal como milhões de outros ucranianos, Inna optou por uma vida mais calma noutro lugar.

No entanto, o seu tumulto continua.

Esta semana, 32 aliados da NATO vão reunir-se em Washington, no meio daquilo que descrevem, com razão, como "o ambiente de segurança mais perigoso desde a Guerra Fria".

A mensagem geral dos ucranianos com quem tenho falado nas últimas semanas, incluindo Inna, é: "Ajudem-nos a parar esta guerra - agora".

E, de facto, catapultar a Ucrânia para uma posição vencedora deveria ser o principal objetivo da cimeira de Washington. Não conseguir fazer recuar o Presidente russo, Vladimir Putin, um homem que só responde à força bruta, só irá prolongar a guerra e torná-la mais dispendiosa para a Europa - especialmente se muitos milhares de ucranianos, incapazes de aquecer as suas casas, procurarem asilo no país, este inverno.

A questão na boca de toda a gente

A questão da adesão da Ucrânia à NATO, que o país tanto quer, vai pairar sobre a cimeira.

A antiga vice-primeira-ministra para a Integração Europeia e Euro-Atlântica da Ucrânia, Ivanna Klympush-Tsintsadze, disse-me que se os líderes da NATO deixarem passar a oportunidade de "assinalar a irreversibilidade da adesão da Ucrânia (...) será um erro drástico da aliança".

Ela acrescentou que seria um erro muito maior para a região e para o mundo do que a "decisão mal gerida da cimeira da NATO de Bucareste, em 2008", que abriu a porta à adesão da Ucrânia e da Geórgia à aliança, mas sem qualquer plano para lá chegar. (Os críticos argumentaram que, no fundo, era uma bandeira vermelha para Moscovo em relação a dois antigos países soviéticos, mas sem o benefício da proteção da NATO).

Tendo em conta as medidas já tomadas por Bruxelas no sentido de integrar a Ucrânia e de lhe dar mais previsibilidade, Kiev poderá sentir que faz praticamente parte da família da NATO - exceto no que diz respeito à proteção colectiva (conhecida pelo Artigo 5º) que a adesão plena supostamente traz.

A administração norte-americana de Joe Biden tem falado da ideia de uma "ponte" para a eventual adesão da Ucrânia à NATO, mas a aliança ainda não apresentou a Kiev um calendário concreto. No entanto, os líderes da NATO poderiam dar-se ao luxo de contornar a questão da adesão, dando a Kiev uma capacidade drasticamente melhorada para repelir a agressão de Putin, ao mesmo tempo que fornecem um roteiro sólido para um lugar à mesa da aliança.

As duas faces da Ucrânia

Após mais de dois anos de guerra, aqueles de nós que ficaram reconhecem os recém-chegados ou os que regressam, como Inna. A cada sirene de ataque aéreo que passa, eles percorrem ansiosamente os canais do Telegram para avaliar a ameaça (os mísseis de cruzeiro e os mísseis balísticos são os mais importantes).

Mas um breve passeio mostra uma Odessa que se está a abrir, que se parece cada vez menos com uma zona de guerra. O porto, o motor da economia local e uma parte crucial da cadeia de abastecimento alimentar global, está de volta aos níveis de tráfego anteriores à guerra. Este verão, os visitantes encontrarão as famosas Escadas Potemkin e muitas outras atracções reabertas após a remoção dos bloqueios militares.

Mas, por baixo da superfície, é inegável que a guerra ainda está a cobrar o seu preço. São cada vez menos os homens visíveis nas ruas, apanhados na guerra ou escondidos das brigadas de recrutamento que os tentam alistar. O moral dos soldados, muitos dos quais serviram durante mais de dois anos com pouco tempo de folga, está em mau estado, dizem-me aqueles que os visitam regularmente. Os cemitérios militares em cidades como Lviv estão a rebentar pelas costuras. E as empresas estão a lutar para continuar a funcionar no meio de uma grave falta de mão de obra e de cortes de energia.

Um edifício em chamas na cidade portuária de Odessa, no sul da Ucrânia, após um ataque de mísseis russos em 24 de junho. Oleksandr Gimanov/AFP/Getty Images

Em todo o país, incluindo aqui em Odessa, os ataques a infraestruturas críticas têm sido tão brutais que grande parte da capacidade de produção da Ucrânia foi destruída - levando a cortes de energia de várias horas por dia. O ucraniano-canadiano Bohdan Chomiak, que vive em Kiev, disse-me que "grosso modo, mais de metade do dia é sem eletricidade".

Alguns especialistas prevêem que, quando chegarem as primeiras geadas, no final deste ano, partes da Ucrânia poderão ficar com menos de quatro horas de eletricidade por dia, criando as condições para uma catástrofe humanitária.

Para piorar a situação, a Rússia terá começado a atacar instalações de energias renováveis, como parques solares e eólicos.

O que é que se segue para a Ucrânia?

Não nos enganemos: a última coisa que os ucranianos querem é que os seus compatriotas vivam mais um minuto do que o necessário sob a brutal ocupação russa. Mas tenho visto uma mudança notável no estado de espírito das pessoas comuns, com muitos a dizer-me que não aguentam muito mais de uma guerra que, só em maio, custou a vida a dezenas de milhares de soldados e a pelo menos 174 civis.

A amargura também se está a acumular em relação à abordagem de ajuda à Ucrânia, que tem sido feita gota a gota. Se Kiev tivesse recebido tudo o que precisava no início da guerra, argumenta-se, a Rússia não teria sido capaz de explorar os atrasos para se apoderar de mais território, construir defesas e reutilizar velhos mísseis para atingir cidades ucranianas.

Os ucranianos estão também a aperceber-se de que as suas alianças tradicionais com as capitais ocidentais podem não ser tão sólidas, depois de os eleitores se terem virado para os partidos de extrema-direita nas recentes eleições europeias. A espera angustiante de cinco meses para que os deputados norte-americanos aprovassem 61 mil milhões de dólares (57 mil milhões de euros) em ajuda militar e outras ajudas a Kiev deveria ter sido um sinal para a administração Zelensky de que também já não pode contar com o apoio irrestrito dos Estados Unidos.

Ainda mais com a perspetiva de um regresso do antigo Presidente dos EUA, Donald Trump, que, no debate presidencial da CNN, fez a afirmação ultrajante de que teria a guerra "resolvida" antes do dia da tomada de posse - duvidosamente a favor da Ucrânia.

Entretanto, em Washington

O calor recorde previsto não será a única coisa a fazer suar os líderes da NATO em Washington.

As crescentes dúvidas sobre a capacidade de governação do Presidente Joe Biden, o forte resultado de Trump nas sondagens pós-debate e a incerteza política que paira sobre outros líderes da aliança, na sequência das eleições europeias, farão com que esta cimeira pareça mais uma dolorosa reunião de despedida do que uma celebração da unidade da NATO.

O relógio para as eleições de novembro nos EUA está a contar - e bem alto. Os membros da NATO parecem agora certos de concordar com a proposta do secretário-geral, Jen Stoltenberg, de garantir pelo menos 40 mil milhões de euros de apoio militar anual à Ucrânia, "enquanto for necessário" - um aparente esforço para proteger o financiamento da Ucrânia de uma presidência Trump.

Dada a importância do que está em jogo para a Ucrânia, as pessoas estarão a acompanhar de perto os desenvolvimentos em Washington. Como me disse um membro do parlamento ucraniano, Kira Rudik, líder do Partido Golos: "A melhor maneira de honrar a luta da Ucrânia pela liberdade é permitir-nos finalmente ganhar esta guerra."

Nota do Editor: Michael Bociurkiw (@WorldAffairsPro) é analista de assuntos globais. É membro sénior do Conselho do Atlântico e antigo porta-voz da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. É colaborador regular da CNN. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

Opinião

Mais Opinião

Patrocinados