O que são as “fléchettes”, pequenos dardos da Primeira Guerra que os russos usam para destruir e matar na Ucrânia

CNN , Ivana Kottasová, Oleksandra Ochman e David von Blohn
15 mai, 14:24
Russos usam fléchettes em Irpin

Projéteis letais “flechette” russos atingiram casas na cidade ucraniana de Irpin. “Estão em todo o lado”, dizem os moradores.

Mais de um mês depois de o exército ucraniano recuperar Irpin aos russos, Volodymyr Klimashevskyi ainda encontra os pequenos projéteis parecidos com pregos espalhados pelo jardim e embutidos nas paredes da sua casa.

"Não se pode tirá-los com as mãos, é precisa usar um alicate", diz Klimashevskyi, apontando para a parede pontilhada de dardos escuros.

Chamados de fléchettes - francês para "pequenos dardos" -, estes projéteis afiados de 2,5 centímetros de comprimento foram uma invenção brutal da Primeira Guerra Mundial, quando os Aliados as usaram para atingir o maior número possível de soldados inimigos. São envolvidas em projéteis disparados por tanques. Quando o projétil é detonado, milhares de dardos são pulverizados sobre uma área grande.

Os projéteis fléchette não são proibidos, mas a sua utilização em áreas civis é proibida pelo direito humanitário, dada a sua natureza indiscriminada. Causam danos graves à medida que, torcendo e dobrando, rasgam o corpo - e podem ser letais.

Os Estados Unidos usaram-nos durante a Guerra do Vietname e Escritório das Nações Unidas Para a Coordenação de Assuntos Humanitários acusou os militares israelitas de usarem-nos contra civis em 2010 em Gaza, segundo um relatório do Departamento de Estado dos EUA. Mas fora isso, eles raramente foram usados ​​na guerra moderna.

Vadim Bozhko segura as fléchettes que encontrou perto de sua casa em Andriivka.

Depois de as forças russas se retirarem das cidades e vilas ao norte de Kiev que tinham ocupado em março, surgiram indícios de que as usaram durante o ataque.

Irpin, um subúrbio de Kiev, não é o único lugar onde surgiram esses indícios.

Na vila de Andriivka, a cerca de 20 quilómetros a oeste de Irpin, o agricultor Vadim Bozhko disse à CNN que encontrou fléchettes espalhadas ao longo da estrada que segue até à sua casa. Bozhko e a sua mulher esconderam-se na cave, enquanto a sua casa era bombardeada. Foi quase completamente destruída por um projétil.

Foram encontrados dardos também em corpos de pessoas mortas no subúrbio de Bucha, em Kiev, de acordo com Liudmila Denisova, agente de direitos humanos da Ucrânia. Denisova afirmou no mês passado que após “a libertação das cidades da região de Kiev, novas atrocidades das tropas russas ficam reveladas”.

"Peritos forenses encontraram fléchettes nos corpos de moradores de Bucha e Irpin. Os [russos] lançaram bombas usaram-nas para bombardear prédios residenciais em cidades e subúrbios", disse Denisova em comunicado. Não ficou claro se foram as fléchettes que mataram as vítimas.

Centenas de dardos de metal ainda estão embutidos nas paredes da casa de Volodymyr Klimashevskyi em Irpin.

 

Esta foto tirada na sexta-feira, 13 de maio, mostra projéteis de fléchette presos na parede de outra casa civil em Irpin.

Klimashevskyi, 57 anos, ainda se lembra claramente do dia em que as fléchettes começaram a chover sobre ele. Era 5 de março e ele estava deitado no chão da sua casa, longe da janela, protegendo-se. Um projétil atingiu a casa do lado, mas não explodiu. Os dardos cobriram a área e destruíram a janela da seu carro.

Os seus vizinhos Anzhelika Kolomiec, 53 anos, e Ihor Novohatniy, de 64, fugiram de Irpin no meio dos piores combates em março. Quando voltaram após várias semanas, disseram que encontraram várias fléchettes espalhadas pelo jardim e no cimo do telhado.

Eles mantêm-nas numa jarra de vidro no pátio. De vez em quando, acrescentam mais uma.

"Estamos a encontrá-los em toda a parte", disse Novohatniy, apontando para os dardos que ainda estão alojados no telhado do pátio. "Eles estão a sair [do telhado], mas geralmente estão espalhados."

Anzhelika Kolomiec e Ihor Novohatniy mostram ao amigo Olegh Bondarenko os dardos de metal que encontraram espalhados pela propriedade.
Esta fotografia tirada na sexta-feira, 13 de maio, mostra projéteis fléchette encontrados em casas de civis em Irpin, na Ucrânia.

Quando finalmente puderam voltar para casa, Kolomiec fez o que faz todas as primaveras. Ela cuidava do seu jardim, plantando folhas de alface, cebolas e outras plantas. Cavando ao redor, continuou a encontrar os pequenos dardos de metal que os soldados russos estavam a disparar contra ela e contra a sua casa. Mas a memória daqueles dias aterrorizantes não a impediu de fazer o que ama.

"Adoro jardinagem. Não tenho muito espaço, mas no ano passado tinha centenas de tomates, dava-os a todos os meus amigos. Este ano não conseguimos ter tomates, mas tenho rúcula, cebola e algumas flores."

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados