“Não à guerra! Não à mobilização!" Cenas de lágrimas e protestos no início da mobilização na Rússia

CNN , Simone McCarthy, Matthew Chance, Tim Lister, Anna Chernova e Mick Krever
23 set, 14:00
Polícia de choque detém manifestante num protesto contra a mobilização em Moscovo, a 21 de setembro de 2022 AP Photo Alexander Zemlianichenko

Protestos na Rússia são sinal forte do desespero sentido por alguns. A dissidência é tipicamente esmagada rapidamente na Rússia.

Quando a primeira fase da nova “mobilização parcial” da Rússia se iniciou na quinta-feira, surgiram vídeos nas redes sociais com o objectivo de mostrar homens recém mobilizados a prepararem-se para serem destacados.

Na cidade de Neryungi - seis fusos horários a leste da Ucrânia - um canal de vídeo comunitário publicou vídeos de famílias a despedirem-se de um grande grupo de homens, enquanto embarcavam nos autocarros. Um vídeo mostra uma mulher a chorar e a abraçar o marido a despedir-se, enquanto ele pega na mão da sua filha pela janela do autocarro.

Mais homens foram mostrados noutros vídeos, aparentemente à espera de transporte na região de Yakutiya, um vasto território siberiano, e no aeroporto de Magadan, no extremo oriente russo. A CNN não foi capaz de geolocalizar ou datar independentemente todos os vídeos publicados.

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou no início desta semana à "mobilização parcial" da população russa para apoiar a guerra na Ucrânia, numa altura em que uma súbita contraofensiva de Kiev recapturou milhares de quilómetros quadrados de território e pôs Moscovo na retaguarda. Especialistas dizem que as forças da Rússia se esgotaram significativamente.

De acordo com o Ministro da Defesa, Sergei Shoigu, o anúncio irá chamar 300 mil reservistas.

Num sinal precoce de quão seriamente Moscovo está a intensificar os seus esforços, o Conselho de Direitos Humanos da Rússia propôs que os imigrantes de países da Ásia Central que tenham a cidadania russa há menos de 10 anos sejam submetidos ao serviço militar obrigatório na Rússia durante um ano.

“Estamos a preparar propostas para novos cidadãos da Federação Russa que tenham a cidadania russa há menos de 10 anos para cumprir o serviço militar obrigatório durante um ano para pessoas de países da Ásia Central: Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Uzbequistão", escreveu o membro do conselho Kirill Kabanov na quinta-feira na rede social Telegram.

“A recusa em cumprir o dever militar deve implicar a privação da cidadania russa não só para uma pessoa responsável pelo serviço militar, mas também para os membros da sua família", acrescentou.

Controvérsia na Rússia

No seu discurso, Putin disse que aqueles com experiência militar estariam sujeitos a recrutamento, e salientou que o decreto de acompanhamento - já assinado - era necessário para "proteger a nossa pátria, a sua soberania e a sua integridade territorial".

Mas o decreto parece permitir uma mobilização mais ampla do que ele sugeriu no seu discurso. Ekaterina Schulmann, uma cientista política russa e colega associada no grupo de reflexão da Chatham House, disse no Telegram que, embora o decreto “descreva a mobilização como parcial”, ele “não estabelece parâmetros desta parcialidade, nem territorial nem categórica”.

"De acordo com este texto, qualquer pessoa pode ser chamada, exceto aqueles que trabalham no complexo militar-industrial e que estão isentos durante o período do seu emprego. O facto de a mobilização se aplicar apenas aos reservistas ou àqueles com algumas competências particularmente necessárias é mencionado no discurso, mas não no decreto”.

O advogado russo de direitos humanos Pavel Chikov disse que o decreto estabelece a mobilização “nos termos mais amplos”.

“O Presidente está a deixá-la ao critério do Ministro da Defesa. Assim, de facto, é o Ministério da Defesa russo que decidirá quem será enviado para a guerra, de onde e em que número”, disse Chikov no Telegram.

Após o discurso, pelo menos 1.300 pessoas foram detidas em toda a Rússia na quarta-feira por participarem em protestos anti-guerra a nível nacional - com algumas delas a serem diretamente recrutadas para as forças armadas, de acordo com um grupo de monitorização, depois do líder Vladimir Putin ter anunciado uma “mobilização parcial” de cidadãos pela sua tropeçante invasão da Ucrânia.

Imagens e vídeos mostram a repressão policial contra manifestantes em várias cidades, com imagens mostrando vários manifestantes numa manifestação no centro de Moscovo a serem levados pela polícia e com as autoridades em São Petersburgo a tentar conter uma multidão a cantar “não à mobilização” no exterior da Catedral de Isakiivskiy.

A polícia deteve manifestantes em 38 cidades na Rússia na quarta-feira, de acordo com números divulgados pouco depois da meia-noite pelo grupo independente de vigilância OVD-Info. A porta-voz do grupo, Maria Kuznetsova, disse à CNN por telefone que, em pelo menos quatro esquadras de polícia em Moscovo, alguns dos manifestantes detidos pela polícia de choque estavam a ser recrutados diretamente para as forças armadas da Rússia.

Uma das pessoas detidas foi ameaçada com uma acusação por se recusar a ser convocada, disse ela. O governo disse que a punição por recusar é agora de 15 anos de prisão. Das mais de 1.300 pessoas detidas em todo o país, mais de 500 estavam em Moscovo e mais de 520 em São Petersburgo, de acordo com o OVD-Info.

Pouco mais de metade dos manifestantes detidos, cujos nomes foram tornados públicos, são mulheres, disse também a OVD-Info, o que torna este o maior protesto antigovernamental por mulheres na história recente. Contudo, a mesma entidade especificou que a escala total das detenções permanece desconhecida.

Nove jornalistas e 33 menores estão também entre os detidos, disse, acrescentando que um dos menores foi “brutalmente espancado” pelas forças da lei.

O espectro das armas nucleares

Putin também levantou no seu discurso o espectro das armas nucleares, dizendo que utilizaria "todos os meios à nossa disposição", se considerasse que a "integridade territorial" da Rússia estava a ser posta em risco. Aprovou também referendos sobre a adesão à Rússia que os líderes nomeados pela Rússia em quatro regiões ocupadas da Ucrânia anunciaram que iriam realizar esta semana.

A preocupação entre os cidadãos russos era palpável na quarta-feira, com os websites das agências de viagens a mostrarem um aumento dramático na procura de voos para lugares onde os russos não precisam de visto. Os sítios de venda de voos mostram voos diretos para esses países esgotados pelo menos até sexta-feira.

Na quinta-feira, um porta-voz da Comissão Europeia reconheceu que tinha havido numerosos pedidos de cidadãos russos que esperavam entrar nos países da União Europeia. Afirmaram que a UE está a planear estabelecer uma posição conjunta sobre o assunto.

A Comissão Europeia observou também que, por enquanto, cada Estado membro terá de avaliar os pedidos de entrada numa base casuística, acrescentando que a gestão das fronteiras externas da UE deve ser efetuada em conformidade com a legislação da UE e cumprir "os direitos fundamentais e toda a legislação em vigor em matéria de procedimentos de asilo".

Os protestos na Rússia, a maioria dos quais parecia ter atraído algumas dezenas de pessoas, foram outro sinal forte do desespero sentido por alguns. A dissidência é tipicamente esmagada rapidamente na Rússia e as autoridades colocaram mais restrições à liberdade de expressão após a invasão da Ucrânia.

As imagens das redes sociais mostraram vários manifestantes em Ulan Ude, na Sibéria Oriental, carregando cartazes com “Não à guerra! Não à mobilização!" e "Os nossos maridos, pais e irmãos não querem matar outros maridos e pais!"

"Queremos que os nossos pais, maridos e irmãos permaneçam vivos ... e que não deixem os seus filhos como órfãos. Parem a guerra e não levem o nosso povo!" disse um manifestante.

Um vídeo de Yekaterinburg, na Rússia ocidental, mostrou a polícia a lutar com vários manifestantes. A CNN não pôde verificar independentemente as filmagens de nenhuma das cidades.

Outro vídeo postado por um jornalista da publicação da Internet de Moscovo The Village mostra dezenas de pessoas na rua Arbatskaya a cantar "Larguem-no " enquanto um homem é levado.

O Ministério Público de Moscovo também advertiu na quarta-feira os cidadãos contra a adesão a protestos ou a distribuição de informações que apelassem à participação - recordando às pessoas que poderiam enfrentar até 15 anos de prisão.

Quando questionado na quinta-feira sobre relatos de pessoas detidas em comícios anti-guerra a serem intimadas para o recrutamento militar, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a prática "não é contra a lei. Não há aqui qualquer violação da lei".

"A Rússia quer a guerra”

O anúncio de Putin foi condenado na quarta-feira pelos líderes ocidentais, muitos dos quais se encontravam reunidos na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque.

Numa rara declaração conjunta, a primeira-ministra britânica, Liz Truss, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disseram que ambas concordam que o anúncio de Putin de uma mobilização parcial de cidadãos russos é um sinal de "fraqueza".

Os ministros dos negócios estrangeiros da União Europeia concordaram em Nova Iorque em avançar com uma nova ronda de sanções contra a Rússia, disse o chefe da política externa da UE, Josep Borrell, aos jornalistas.

A Ucrânia permaneceu desafiadora face ao anúncio de Putin, com o Presidente Volodymyr Zelensky a dizer à Assembleia Geral das Nações Unidas, num discurso pré-gravado na quarta-feira, que a Rússia tinha "medo de verdadeiras negociações (de paz)", e a apontar o que ele caracterizava como "mentiras" russas.

A Rússia “fala sobre as conversações mas anuncia uma mobilização militar”, disse Zelensky. “A Rússia quer a guerra”.

Na quinta-feira, a ministra alemã da Defesa, Christine Lambrecht, afirmou que a “mobilização parcial” de Putin apenas reforça o apoio do país à Ucrânia. O ministro francês da Defesa, Sebastien Lecornu, disse que o seu país iria continuar a apoiar a Ucrânia em termos de armas e formação, mas acrescentou que a França precisava de cooperação no seio da NATO para o fazer.

Entretanto, análises de investigadores do Instituto para o Estudo da Guerra afirmaram que a mudança não terá um impacto marcante no resultado imediato da guerra.

A análise disse que levaria semanas ou meses a trazer reservistas para a prontidão de combate, que os reservistas russos estão "mal treinados para começar", e que as "fases deliberadas" de destacamento delineadas pelo ministro da defesa russo são suscetíveis de impedir “qualquer afluxo súbito de forças russas que possa mudar dramaticamente a maré da guerra”.

Europa

Mais Europa

Patrocinados