Marinha russa volta a movimentar a "arma do apocalipse". EUA alertam para possível teste de novo torpedo nuclear

CNN , Jim Sciutto
12 nov, 11:00
O submarino Belgorod (Foto: FriskyAnYantos/Wikimedia Commons)

Nas últimas semanas, os EUA observaram navios russos a prepararem-se para um possível teste a um novo torpedo movido a energia nuclear, disse à CNN um alto funcionário dos EUA com conhecimento direto do assunto. Entre as embarcações envolvidas nos preparativos estava o Belgorod, um submarino de mísseis de cruzeiro modificado para operações especiais, capaz de lançar veículos submarinos não tripulados, incluindo o Poseidon, também conhecido como "arma do apocalipse".

Na última semana, as embarcações foram vistas a sair da área de testes no Oceano Ártico e a regressar ao porto sem realizarem qualquer teste. Os EUA julgam que os russos podem ter-se deparado com dificuldades técnicas. “Isso pode ser visto como uma parte do panorama geral e da prática militar recente da Rússia, o envio de tropas mal treinadas e mal equipadas para a Ucrânia”, disse um diplomata ocidental à CNN. “A indústria militar russa está a passar por tempos conturbados, e também é notório que as sanções ocidentais sobre os artigos militares de alta tecnologia estão – e devem continuar - a surtir efeito.”

As autoridades dos EUA disseram que a Rússia pode voltar a tentar testar o torpedo, mas observam que as águas na área de testes vão começar a ficar cobertas de gelo muito em breve, restringindo a janela para as operações.

Um teste do torpedo teria provavelmente inflamado ainda mais as tensões com os EUA, num momento em que Washington e os seus aliados monitorizam cuidadosamente qualquer sinal de que a Rússia possa estar a preparar-se para usar armas nucleares na guerra na Ucrânia. Os EUA também estão a prestar uma atenção especial a quaisquer possíveis testes do torpedo Poseidon. 

O torpedo Poseidon é um veículo submarino não tripulado, movido a energia nuclear, capaz de transportar munições convencionais e nucleares. O sistema de propulsão nuclear que possui dá ao Poseidon um alcance virtualmente ilimitado. Os EUA não acreditam que qualquer teste envolvesse a detonação de um dispositivo nuclear: qualquer perigo potencial viria de uma avaria do sistema de propulsão nuclear, que poderia representar um risco de radioatividade.

O presidente Vladimir Putin anunciou pela primeira vez a existência do sistema Poseidon durante o discurso sobre o Estado da Nação em 2018, exibindo-o como uma nova e “inovadora” arma.

“A unidade de energia nuclear é única pelo seu tamanho reduzido, oferecendo uma incrível relação peso-potência. É 100 vezes mais pequena do que as unidades que alimentam os submarinos modernos, mas, ainda assim, é mais potente e pode entrar em modo de combate, ou seja, pode atingir a capacidade máxima, 200 vezes mais depressa”, disse Putin na altura.

O Belgorod é o submarino mais comprido a cruzar atualmente os oceanos e foi entregue à Marinha russa em junho. Com mais de 185 metros, é ainda mais comprido do que os submarinos de mísseis balísticos e teleguiados da classe Ohio da Marinha dos EUA, que medem 173 metros. O Belgorod foi lançado à água em 2019 e devia ter sido entregue à Marinha russa em 2020, após vários testes e ensaios, que tiveram de ser adiados devido à pandemia de covid-19, informou a agência de notícias estatal russa TASS. Não foi dada qualquer data para o primeiro destacamento do submarino.

A TASS já tinha revelado que o submarino transportaria os torpedos com capacidade nuclear Poseidon, em desenvolvimento, que estão a ser projetados para poderem ser lançados a centenas de quilómetros de distância do alvo e para evitarem as defesas costeiras deslocando-se muito perto do leito do mar. Em novembro de 2020, Christopher Ford, então Secretário de Estado adjunto para a segurança internacional e a não-proliferação de armas nucleares, disse que os Poseidon estão a ser projetados para “inundar as cidades costeiras norte-americanas com tsunamis radioativos”.

Um relatório de abril do Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA disse que os Poseidon foram pensados para serem armas de retaliação, criados para ripostar contra um inimigo após um ataque nuclear à Rússia. Segundo o relatório do Serviço de Pesquisa, o Belgorod deve ser capaz de transportar até oito Poseidon, embora alguns especialistas em armas afirmem que a carga útil deverá ser de seis torpedos.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados