Mais um magnata russo encontrado morto em circunstâncias misteriosas. Foi encontrado na piscina de casa

6 jul, 20:22

Yuri Voronov foi encontrado morto, com ferimentos de bala na cabeça, numa das zonas mais ricas de Leningrado

Yuri Voronov é o mais recente milionário russo com ligações ao Kremlin a ser encontrado morto sob circunstâncias misteriosas. O magnata foi encontrado na piscina da sua casa, em Leningrado, com ferimentos de bala na cabeça. Voronov era diretor-executivo e fundador de uma empresa subcontratada pela Gazprom, a energética estatal da Rússia.

O corpo de Yuri Voronov, de 61 anos, foi encontrado na tarde de segunda-feira na cidade de Vyborgsky, uma das mais ricas de Leningrado. De acordo com o jornal The Times, uma pistola estava próxima do corpo e invólucros de bala foram encontrados no fundo da piscina.

De acordo com os dados apurados pela CNN Portugal, este é o nono caso de milionários com ligações diretas ou indiretas ao Kremlin encontrados mortos num cenário de mistério, desde o início do ano, e também não é o primeiro com ligações à Gazprom.

NOME IDADE LOCAL DA MORTE DATA
Leonid Shulman 60 anos São Petersburgo, Rússia 30 de janeiro
Alexander Tyulyakov 61 anos São Petersburgo, Rússia 25 de janeiro
Mikhail Watford 66 anos Surrey, Reino Unido 28 de fevereiro
Vladislav Avaev 51 anos Moscovo, Rússia 21 de abril
Sergey Protosenya 55 anos Lloret del Mar, Espanha 22 de abril
Vasily Melnikov 43 anos Nizhny Novgorod, Rússia 24 de março
Andrei Krukovsky 37 anos Sochi, Rússia 2 de maio
Alexander Subbotin 43 anos Moscovo, Rússia 8 de maio
Yuri Voronov 61 anos Leningrado, Rússia 4 de julho

Antes da guerra, e de acordo com uma investigação do jornal norte-americano USA Today, entre 2014 e 2017 morreram 38 empresários e oligarcas russos próximos do Kremlin em circunstâncias misteriosas ou suspeitas.

Quem era Yuri Voronov?

Voronov era o diretor-executivo e fundador da Astra-Shipping, uma empresa de transporte e logística, que era subcontratada da Gazprom para operações no Ártico.

Segundo a imprensa russa, as autoridades locais avançaram que a arma terá sido disparada à queima-roupa e que análises ao corpo mostram que a vítima teria morrido cerca de 14 horas antes de ser encontrada. De acordo com a mesma fonte, a mulher da vítima disse aos investigadores que Voronov tinha saído de São Petersburgo no dia 1 de julho, depois de ter discutido com parceiros de negócio e que desde então estava a viver na casa em Leningrado.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados