Justiça francesa abre investigação por crimes de guerra após morte de jornalista

Agência Lusa , FMC
31 mai, 00:18
 Frédéric Leclerc-Imhoff, jornalista francês morto na Ucrânia (Twitter)

Pelo menos cinco outras investigações por atos cometidos contra cidadãos franceses na Ucrânia foram abertos pela Procuradoria Nacional Antiterrorismo de França

A Procuradoria Nacional Antiterrorismo (PNAT) de França determinou esta segunda-feira a abertura de uma investigação por crimes de guerra, após a morte do jornalista francês Frédéric Leclerc-Imhoff, perto de Sverodonetsk, no leste da Ucrânia.

A investigação foi confiada ao departamento central de combate aos crimes contra a humanidade, genocídio e crimes de guerra (OCLCH) e diz também respeito “aos ferimentos sofridos pelo seu colega, Maxime Brandstaetter, que o acompanhava em reportagem, especificou a PNAT.

“A investigação foi aberta por suspeita de ataques intencionais à vida de uma pessoa protegida pelo direito internacional de conflitos armados, ataques deliberados contra pessoas que não participam diretamente nos conflitos e ataques deliberados contra pessoal e veículos empregados como parte de uma missão de ajuda humanitária”, pode ler-se na nota de imprensa.

Pelo menos cinco outras investigações por atos cometidos contra cidadãos franceses na Ucrânia foram abertas pela Pnat desde o início da guerra, noticia a agência France-Presse (AFP).

Segundo o Presidente francês, Emmanuel Macron, Frédéric Leclerc-Imhoff estava na Ucrânia “para mostrar a realidade da guerra” e encontrava-se “a bordo de um autocarro humanitário, ao lado de civis [que foram] obrigados a fugir para escapar das bombas russas”, quando foi fatalmente atingido.

Esta era a segunda missão do repórter de 32 anos, que trabalhava há seis anos no canal de notícias BFMTV.

Através da rede social Twitter, o chefe de Estado francês adiantou ainda que Léclerc-Imhoff foi atingido no pescoço por um estilhaço do Exército russo.

Em declarações à AFP, a governante pediu ao Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky "que faça todo o possível para que as autoridades ucranianas ajudem" a França e "permitam a devolução" do corpo do jornalista "à sua família o mais rápido possível".

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, também já condenou o “assassínio” de Frédéric Leclerc-Imhoff, pedindo também “a abertura de um inquérito para que autores deste crime possam ser identificados e perseguidos pela justiça”.

Já o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia referiu, através do Twitter, que "o exército russo bombardeou um veículo que deveria evacuar civis da zona de guerra, perto de Severodonetsk".

“Condenamos veementemente este assassinato. A lista de crimes russos contra profissionais dos ‘media’ na Ucrânia continua a crescer", acrescentou.

Segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras, este é o segundo jornalista francês morto neste conflito, depois do franco-irlandês da estação norte-americana Fox News, Pierre Zakrzewski, e o oitavo repórter morto na Ucrânia desde a invasão da Rússia.

Desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia, pelo menos oito jornalistas já foram mortos no terreno no exercício da profissão, de acordo ainda com os RSF.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados