G7 nunca reconhecerá fronteiras que Rússia pretende impor pela força

Agência Lusa , DCT
14 mai, 12:27
Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 iniciaram, na quinta-feira, uma reunião de três dias, na Alemanha, país que ocupa atualmente a presidência anual rotativa do grupo, tendo convidado os homólogos da Ucrânia e da Moldava a participar no encontro (Foto de Marcus Brandt/piscina via AP)

Este sábado prometeram ainda “expandir as sanções” económicas contra a Rússia, visando setores em que o país “é particularmente dependente”, e instaram a China a não 'minar' essas medidas.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 afirmaram este sábado que o grupo nunca reconhecerá as fronteiras que a Rússia pretende impor pela força da guerra na Ucrânia.

Não reconheceremos nunca as fronteiras que a Rússia está a tentar mudar com a sua intervenção militar”, disseram os ministros, numa declaração difundida no âmbito de uma reunião de três dias em Wangels, no norte da Alemanha.

Na declaração, os chefes de diplomacia apelaram de novo à Bielorrússia para que “pare de facilitar a intervenção da Rússia e respeite os seus compromissos internacionais”.

G7 quer expandir sanções à Rússia e pede à China que não 'mine' as medidas

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 iniciaram, na quinta-feira, uma reunião de três dias em Schloss Weissenhaus, na costa do Mar Báltico, na Alemanha, país que ocupa atualmente a presidência anual rotativa do grupo..

Este sábado prometeram ainda “expandir as sanções” económicas contra a Rússia, visando setores em que o país “é particularmente dependente”, e instaram a China a não 'minar' essas medidas.

No comunicado divulgado esta manhã, dia em que termina a reunião de três dias, os chefes da diplomacia dos países do G7 (as sete maiores economias mundiais) referem que querem “acelerar os esforços” para “acabar com a dependência da energia russa”.

Os chefes da diplomacia pedem ainda à China que “não apoie a Rússia” no ataque à Ucrânia, segundo avança a agência AFP.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 iniciaram, na quinta-feira, uma reunião de três dias, na Alemanha, país que ocupa atualmente a presidência anual rotativa do grupo, tendo convidado os homólogos da Ucrânia e da Moldava a participar no encontro.

Além da Alemanha, o G7 integra Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, com a União Europeia (UE) a participar também nas reuniões do grupo.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados