Estão as sanções económicas que iam "vergar a Rússia" mesmo a afetá-la muito?

CNN , Análise por Clare Sebastian
28 ago, 15:07
Russos nas ruas de Moscovo na guerra

ANÁLISE. "Queima mais lenta". A Rússia esquiva-se ao colapso económico mas o declínio já começou

Seis meses após a invasão da Ucrânia, a Rússia está atolada numa guerra de atrito que não antecipou, mas está a ter sucesso noutra frente - a sua economia dependente do petróleo está numa profunda recessão, mas mostra-se muito mais resistente do que o esperado.

"Estou a conduzir através de Moscovo e vejo os mesmos engarrafamentos de trânsito de antes", diz Andrey Nechaev, que foi ministro da Economia da Rússia no início dos anos 90.

A prontidão da China e da Índia para obter petróleo russo barato ajudou, mas Nechaev e outros analistas dizem que a economia russa começou a declinar e provavelmente enfrenta um prolongado período de estagnação em consequência das sanções ocidentais.

À superfície, não mudou muita coisa, excepto algumas frentes de loja vazias que em tempos abrigaram marcas ocidentais que fugiram do país às centenas. A McDonalds chama-se agora "Vkusno i tochka", ou "Saboroso, e é isso" e os cafés Starbucks estão agora a reabrir gradualmente sob a mal disfarçada marca Stars Coffee.

O êxodo das empresas ocidentais, e a onda após onda de sanções ocidentais, que visam as vitais exportações de energia da Rússia e o seu sistema financeiro, estão a causar impacto, mas não da forma que muitos esperavam.

Nechaev, que presidiu a alguns dos períodos económicos mais turbulentos da Rússia e ajudou a orientar a sua transição para uma economia de mercado, atribui parte do crédito ao banco central.

O rublo caiu para um recorde em baixa face o dólar americano no início deste ano, na sequência da invasão, quando o Ocidente congelou cerca de metade das reservas de moeda estrangeira da Rússia, no valor de 600 mil milhões de dólares. Mas recuperou desde então para o seu nível mais forte em relação ao dólar americano desde 2018. (Lembra-se da ameaça do Presidente Joe Biden de o reduzir a "escombros"?...)

Isso resulta, em grande parte, de controlos de capital agressivos e de aumentos de taxas de juro na Primavera, muitos dos quais foram agora invertidos. As taxas de juro são agora mais baixas do que antes da guerra, e o banco central diz que a inflação, que atingiu um pico de quase 18% em abril, está a abrandar e situar-se-á entre 12% e 15% durante todo o ano.

O banco central também reviu em alta a sua previsão do PIB para o próximo ano, e espera agora que a inflação diminua de 4% a 6%. Em abril, a previsão era de uma contracção do PIB de 8% a 10%. O Fundo Monetário Internacional também prevê agora uma contracção de 6%.

Também ajudou o facto de que o Kremlin tenha tido oito anos para se preparar, enfrentando sanções impostas pelo Ocidente após Moscovo ter anexado a Crimeia em 2014. Moscovo tinha estado a tentar construir uma "economia fortaleza" desde então.

"A saída da Mastercard Visa mal teve impacto nos pagamentos domésticos, porque o banco central tinha o seu próprio sistema alternativo de pagamentos", diz Nechaev.

A Rússia criou o cartão de crédito Mir, e o seu próprio sistema de processamento de transacções em 2017.

E há uma razão pela qual os fãs russos da McDonalds e da Starbucks ainda conseguem obter o seu fast-food, diz Chris Weafer, sócio fundador da Macro Advisory Ltd, uma consultora que aconselha empresas multinacionais na Rússia e na Eurásia.

Desde 2014, muitas marcas ocidentais na Rússia cederam à pressão do governo e localizaram no país algumas ou todas as suas cadeias de abastecimento. Assim, quando estas empresas partiram, foi relativamente fácil para os compradores russos comprá-las e mantê-las em funcionamento simplesmente mudando o invólucro e a embalagem.

"As mesmas pessoas, os mesmos produtos, o mesmo fornecimento", diz Weafer.

Não é uma estratégia totalmente estanque, no entanto. As lojas McDonald's com a nova marca relataram uma escassez de batatas fritas em meados de julho, quando a colheita de batatas da Rússia ficou aquém do esperado, e os fornecedores estrangeiros não preencheriam a lacuna devido a sanções.

Poderá o boom energético da Rússia continuar?

A continuidade da fast food é uma coisa. A estabilidade a longo prazo da Rússia assenta no seu sector energético, ainda de longe a maior fonte de receitas estatais.

Dizer que os preços elevados da energia isolaram até agora a Rússia seria um eufemismo.

A Agência Internacional de Energia (AIE) diz que as receitas da Rússia provenientes da venda de petróleo e gás à Europa duplicaram entre março e julho deste ano, em comparação com a média dos últimos anos. Isto apesar do declínio dos volumes. Dados da AIE mostram que os fornecimentos de gás à Europa diminuíram cerca de 75% durante os últimos 12 meses.

O petróleo é uma questão diferente. A previsão da AIE de março de que sairiam do mercado a partir de abril três milhões de barris por dia de petróleo russo devido a sanções, ou à ameaça das mesmas, ainda não se materializou. As exportações têm-se aguentado, embora os analistas da Rystad Energy notem uma ligeira queda durante o Verão.

O principal factor tem sido a capacidade da Rússia de encontrar novos mercados na Ásia.

De acordo com Houmayoun Falakshali, da consultora de matérias-primas Kpler, a maior parte das exportações de petróleo marítimo da Rússia foram para a Ásia desde o início da guerra. Em julho, a quota era de 56%, em comparação com apenas 37% em julho de 2021.

As exportações de petróleo russo por via marítima para a Ásia aumentaram este ano.

Entre janeiro e julho deste ano, a China aumentou em 40% as suas importações marítimas de crude com fortes descontos dos Urais russos, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Kpler. Isto apesar dos esforços iniciais da China para evitar a aparência de tomar partido na guerra da Rússia contra a Ucrânia. As importações marítimas da Índia da Rússia aumentaram mais de 1.700% durante o mesmo período, de acordo com a Kpler. A Rússia tem também vindo a aumentar as exportações de gás para a China através de um gasoduto siberiano.

O que acontecer quando o embargo da Europa a 90% do petróleo russo entrar em vigor em Dezembro será crítico. Estima-se que dois milhões de barris por dia de petróleo russo estarão no limbo, e embora seja provável que parte desse petróleo vá para a Ásia, os especialistas duvidam que a procura seja suficientemente elevada para absorver tudo isso.

Falakshali diz que a China não pode comprar muito mais petróleo russo do que já compra, devido a um abrandamento interno da procura, e porque simplesmente não precisa de muito mais do tipo específico de petróleo que a Rússia exporta.

O preço também desempenhará um papel crítico, na medida em que a Rússia pode dar-se ao luxo de continuar a vender a desconto para assegurar novos mercados.

"Um desconto de 30% de 120 dólares por barril é uma coisa", salienta Nechaev. "Um desconto a partir de 70 dólares é outra questão".

"Queima mais lenta"

Embora a inflação global esteja a ajudar o sector energético da Rússia, está a prejudicar a sua população. Tal como o resto da Europa, os russos já estão a sofrer uma crise do custo de vida, agravada muito mais pela guerra na Ucrânia.

Nechaev, que ajudou a guiar a Rússia através de um colapso económico muito mais dramático nos anos 90, está preocupado.

"Em termos do nível de vida, se o medirmos pelos rendimentos reais, retrocedemos cerca de 10 anos", diz.

O governo russo está a aumentar a despesa para tentar combater isto. Em maio, anunciou que iria aumentar as pensões e o salário mínimo em 10%.

Criou um sistema em que os trabalhadores das empresas que "suspenderam as suas actividades" podem transferir-se temporariamente para outro empregador sem quebrar o seu contrato de trabalho. E está a gastar 17 mil milhões de rublos (280 milhões de dólares) a comprar os títulos das companhias aéreas russas, afectadas pelas proibições e sanções do espaço aéreo que impedem a manutenção e o fornecimento de peças por fabricantes estrangeiros.

São as sanções tecnológicas, como as que afectam a indústria aérea, que podem ter o impacto mais profundo nas perspectivas económicas a longo prazo da Rússia. Em junho, a secretária do comércio dos EUA, Gina Raimondo, afirmou que as exportações globais de semicondutores para a Rússia tinham sofrido um colapso de 90% desde que a guerra começou. Isto é uma produção paralisante de tudo, desde automóveis a computadores, e, dizem os especialistas, irá atrasá-la ainda mais na corrida tecnológica global.

"O impacto das sanções será mais uma queima mais lenta do que um golpe rápido", diz Weafer. "A Rússia está agora a olhar para um período potencialmente longo de estagnação".

Nechaev é ainda mais definitivo. "Neste momento, o declínio económico começou", remata.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados