Como os Estados Unidos se estão a preparar para responder a um eventual ataque nuclear da Rússia

CNN , Jim Sciutto, Correspondente-chefe de Segurança Nacional
4 out, 16:00
Um membro da Guarda Nacional da Ucrânia na ponte sobre o rio Siverskyi Donets, na região de Donetsk, a 1 de Outubro de 2022 (Reuters)

Com a crescente preocupação de que Vladimir Putin irá agravar a guerra da Rússia na Ucrânia, os Estados Unidos estão a ponderar sobre como responder a uma série de cenários potenciais, incluindo o receio de que os russos possam utilizar armas nucleares tácticas, segundo as informações dadas por três fontes diferentes acerca das últimas investigações.

Desde o início do conflito que os Estados Unidos têm vindo a desenvolver planos de contingência para fazer face aos problemas acrescidos, incluindo a possibilidade de que o Presidente da Rússia possa agravar a guerra através de um ataque nuclear contra a Ucrânia. Uma fonte descreve-o como uma “exibição nuclear”: um potencial ataque militar à central nuclear de Zaporizhzhia, ou a detonação de um dispositivo nuclear a alta altitude ou longe de áreas povoadas.

As autoridades advertem que os Estados Unidos não detetaram preparativos para um ataque nuclear. Contudo, os peritos consideram que são opções potenciais para as quais os Estados Unidos se devem preparar à medida que a invasão da Rússia vacila e que Moscovo ganha mais território ucraniano.

As autoridades norte-americanas também já se deram conta das repetidas ameaças públicas por parte do Presidente russo relativamente à utilização de armas nucleares. Durante a sua intervenção televisiva no final do mês passado, Putin afirmou: “Se a integridade territorial do nosso país for ameaçada, utilizaremos sem dúvida todos os meios disponíveis para proteger a Rússia e o nosso povo. Isto não é bluff”.

Na sexta-feira, numa cerimónia em que anunciou a anexação ilegal de quatro regiões ucranianas, Putin disse que a Rússia utilizaria “todos os meios disponíveis” para defender as zonas, acrescentando que os Estados Unidos tinham “criado um precedente” para os ataques nucleares nos bombardeamentos de Hiroshima e Nagasaki na Segunda Guerra Mundial.

“O Putin é capaz de tudo”, disse o Deputado Democrático Mike Quigley, do Illinois, membro do Comité de Inteligência da Câmara, à CNN. Apesar de salientar que ainda não existem indícios de preparação para tal ataque, Quigley acrescentou: “Têm de o levar a sério”.

Os Estados Unidos estão a analisar a vasta variedade de potenciais cenários de modo a disporem de planos de contingência sobre a forma como o país e os seus parceiros irão responder a quaisquer ataques deste género. A possibilidade de uma “exibição nuclear” é considerada uma opção se Putin deixar de solicitar um ataque nuclear às forças ou centros populacionais ucranianos, optando em vez disso por aquilo que um funcionário descreveu como uma “exibição de vanglória”.

Considera-se ainda improvável um ataque nuclear, embora a preocupação entre os funcionários dos Estados Unidos quanto ao potencial ataque tenha aumentado nas últimas semanas. “A derrota”, disse uma fonte informada, “não é uma opção para Putin”.

Lloyd Austin, Secretário da Defesa, disse numa entrevista exclusiva à CNN transmitida no domingo que não tinha visto nada que sugerisse que Putin tivesse decidido utilizar armas nucleares na Ucrânia.

“Para que fique claro, a pessoa que toma essa decisão, é um só homem”, disse Austin sobre as ameaças russas de armas nucleares numa entrevista com o Fareed Zakaria da CNN no Fareed Zakaria GPS.

“Ninguém controla o Sr. Putin. Tal como ele tomou a decisão irresponsável de invadir a Ucrânia, ele poderá tomar outra decisão. Mas não vejo nada neste momento que me leve a acreditar que ele já o tenha feito”.

Embora tenha havido uma oposição pública crescente à guerra dentro da Rússia, os Estados Unidos acreditam que Putin está a ser alvo de uma maior pressão por parte dos nacionalistas intransigentes, que estão a insistir no agravamento do conflito, disse uma fonte informada dos serviços secretos.

Ao ser questionado sobre o relatório da CNN sobre o "Novo Dia" na segunda-feira, John Kirby, coordenador do Conselho Nacional de Segurança para as comunicações estratégicas, disse que, dado às preocupações de que a guerra possa agravar, os Estados Unidos estão acompanhar atentamente as ações da Rússia na central nuclear de Zaporizhzhia e tem estado “a pensar” na resposta para qualquer potencial utilização de armas nucleares pela Rússia.

Embora os Estados Unidos não tenham visto nenhuma mudança que possa mudar a postura estratégica americana, “estamos a observar isto o mais atentamente possível”, disse Kirby, acrescentando: “Levamos estas ameaças a sério”.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados