Como lidar com os países aliados de Putin na UE e na NATO?

CNN , David A. Andelman
17 mai, 21:53
Erdogan e Putin

OPINIÃO. Hungria e Turquia estão a criar obstáculos às sanções europeias à Rússia e à entrada da Suécia e da Finlândia na NATO. Mas há forma de contornar estes amigos de Vladimir Putin

Aliados úteis de Putin estão a pôr paus na engrenagem

David A. Andelman, colaborador da CNN, duas vezes vencedor do Deadline Club Award, é um cavaleiro da Legião de Honra Francesa, autor de "A Red Line in the Sand: Diplomacy, Strategy, and the History of Wars That Might Still Happen" e de  blogs no Andelman Unleashed. Anteriormente, foi correspondente do The New York Times e da CBS News na Europa e na Ásia. As opiniões expressas neste texto são exclusivamente do autor.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem aliados suficientes em lugares suficientes para pôr paus na engrenagem dos esforços das alianças ocidentais para frustrar as suas ambições - aprofundando a divisão entre os estados membros de uma forma que encaixa nos seus propósitos.

O aliado mais próximo de Putin na União Europeia, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, ameaçou vetar a proposta de sanções ao petróleo russo que os outros 26 estados-membros aprovaram.

Da mesma forma, na NATO, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, não vê com bons olhos a possível adesão das potências historicamente neutras da Finlândia e da Suécia, cuja adesão é apoiada pelo resto da aliança.

Com este tipo de amigos úteis, Orban e Erdogan, Putin pode estar perfeitamente posicionado para continuar o seu atual caminho na Ucrânia ou mesmo além - impunemente.

Apareceram várias ideias diferentes sobre como lidar com essas crises que ameaçam minar a capacidade, se não a vontade, de confrontar diretamente o Kremlin.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foi a Budapeste enfrentar Orban na semana passada. Mas, no final, von der Leyen pôde relatar apenas que conseguiu "esclarecer questões" com o homem forte húngaro.

Foram também feitos consideráveis esforços diplomáticos para persuadir Erdogan a mudar de rumo, embora ele continue a condenar a ajuda que a Finlândia e a Suécia deram ao grupo de independência curdo PKK, que a Turquia classifica como organização terrorista. E poucos querem arriscar perder o maior exército permanente da NATO, a seguir ao dos EUA, especialmente por ser aquele que também comanda o estratégico Bósforo e o acesso ao Mar Negro.

Então, o que fazer com estes atrasos tóxicos, que estão a ser forçados pela Hungria e pela Turquia? A resposta é tristemente simples – jogar o mesmo jogo que Putin joga há anos. Quando não pode vencer pelas regras tradicionais, contorne-as.

Neste caso, ponha-os de lado. Torne Orban e Erdogan irrelevantes. Todos os outros 26 membros da UE deveriam simplesmente implementar o embargo do petróleo. E a NATO deve simplesmente preparar o caminho para a adesão da Suécia e da Finlândia.

Qual é a pior coisa que a Hungria ou a Turquia poderiam fazer - processar? Sair? De qualquer forma, houve muita reflexão sobre banir a Turquia da NATO - especialmente depois de Erdogan ter comprado os sistemas de defesa aérea russos S-400 à Rússia há três anos.

Talvez agora seja precisamente o momento para simplesmente enfrentar estes solitários homens fortes que conseguiram penetrar profundamente nas instituições democráticas.

Pode não ser assim tão improvável. "Você está absolutamente certo em exortar a UE a seguir em frente sem a Hungria", disse-me o professor de Harvard Robert I. Rotberg, diretor fundador do programa Intrastate Conflict na Kennedy School of Government, numa troca de e-mails.

"A regra da 'unanimidade' foi tola, para começar, e agora é hora de testá-la", acrescentou Rotberg. Embora admita o que outros já recearam– que a Hungria possa encaminhar a decisão para o Tribunal de Justiça Europeu –, isso é tão mau quanto bom.

"Levaria anos a resolver", continuou Rotberg, "amarrando a UE em vários nós". Ainda assim, o Tribunal de Justiça Europeu já rejeitou contestações húngaras sobre retaliações financeiras impostas pela UE por violações de direitos e liberdades democráticas por parte de Orban.

Enquanto isso, se os outros 26 membros da UE implementarem o seu boicote, a Rússia perderá um grande mercado para o seu petróleo, que pode tornar-se permanente se o continente continuar a sua missão de livrar-se dos recursos energéticos de Moscovo.

Uma solução para o problema colocado pelos líderes da Hungria e da Turquia, que está a ser ativamente defendida por Rotberg juntamente com um grupo formado por cerca de 40 ex-chefes de Estado e igual número de vencedores do Prémio Nobel, é a criação de um Tribunal Internacional Anti-Corrupção. Este "seria um bom lugar para testar Erdogan, Orban, Putin e muitos outros”, observou. “É por isso que é necessário. Por isso, estamos a movimentar-nos".

Putin tem estado a jogar com o conceito de unanimidade há anos. Na verdade, a Rússia tem jogando essa cartada desde que Joseph Estaline montou a tenda na Conferência de Ialta, em 1945, quando exigiu o veto para todos os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU como preço para concordar em participar numa ONU - e Franklin Roosevelt e Winston Churchill, também desesperados por terem a ajuda soviética para acabar com as potências do Eixo, concordaram, embora aparentemente com pouca avaliação real das eventuais consequências.

O problema não é diferente do dilema estabelecido pelos “pais fundadores” da América, ao criarem o Colégio Eleitoral. O seu objetivo original era, pelo menos em parte, persuadir os estados americanos menores a concordar com uma união que eles pensavam – com razão – que seria dominada por um punhado de estados maiores.

Esse medo e compromisso há muito perderam a sua utilidade, e agora estão a ser usados ​​para manter refém a maioria da população dos EUA aos caprichos de uma minoria. No caso da UE e da NATO, para não mencionar o Conselho de Segurança da ONU, isso foi errado.

Agora é a hora de as democracias fincarem os pés e proclamarem que já basta – esse direito será forçado a triunfar. No final, todos seremos mais fortes por causa disso.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados