Como está Lyman depois da retirada das tropas russas. A CNN esteve lá

CNN , Nick Paton Walsh e Victoria Butenko
4 out, 09:02

O vazio fantasmagórico das ruas de Lyman no leste da Ucrânia desmente o significado estratégico desta cidade.

Não há quaisquer sinais de tropas russas neste domingo - poucos tanques russos danificados, ou corpos russos, ou prisioneiros russos. Poucos membros da Guarda Nacional Ucraniana da unidade Dnipro-1 circulam em algumas ruas.

O ruído ocasional de tiroteio ou alguns ruídos de artilharia penetram o silêncio. Alguns habitantes locais emergem, de bicicleta, à procura de comida, desconcertados com o que está a acontecer.

Bandeiras russas e material de propaganda queimados no exterior do edifício da administração local em Lyman, Ucrânia, no domingo, a 2 de outubro de 2022. Brice Lâiné/CNN

 

Um soldado ucraniano da divisão Dnipro-1 passa por um edifício danificado no centro de Lyman, na Ucrânia, no domingo, 2 de outubro de 2022.
Brice Lâiné/CNN

“Um dia visto a camisola de um dos lados, no dia seguinte já visto a do outro lado”, disse uma mulher em lágrimas, fingindo que despia uma camisola.

“Como é que podemos viver assim?”, perguntou, referindo-se à mudança do controlo da cidade.

A CNN esteve entre os primeiros meios de comunicação social a entrar na cidade recentemente libertada, chegando 30 minutos após o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky ter declarado que a cidade estava completamente livre das tropas russas.

Oficiais e tropas ucranianas tinham referido, por diversas vezes, que um grande número das melhores unidades de Moscovo se encontrava ali encurralado. No entanto, no domingo, havia poucos sinais de cerco à vista.

Alguns oficiais disseram que os cadáveres russos já tinham sido retirados e que os prisioneiros tinham sido retirados. Mas os habitantes locais deram outra explicação: que as forças russas tinham deixado a cidade de forma ordeira na sexta-feira.

“Entraram nos seus tanques, e abandonaram o local”, afirmou Tanya, que regressava de bicicleta para o abrigo anti-bombas, onde ainda se refugia durante a noite com outras 15 pessoas.

Um porta-voz do exército ucraniano, convidado a responder ao relatório da CNN, negou ter havido uma retirada russa há dois dias, afirmando que tinha havido combates na área ainda no sábado.

Sergiy Cherevatiy, do Grupo Oriental das Forças Armadas da Ucrânia, referiu que as tropas russas tinham formado caravanas de escoltas para quebrar o cerco da cidade. Alguns conseguiram sair, disse ele, mas outros foram atingidos.

Um membro da tropa ucraniana derruba uma bandeira da República de Donetsk hasteada sobre um monumento em Lyman, Ucrânia, nesta captura de ecrã obtida a partir do vídeo das redes sociais divulgado a 1 de outubro de 2022.
Olenksly Biloshytskyi/Reuters

 

As forças armadas ucranianas fazem uma declaração em frente ao gabinete da administração municipal de Lyman, em Lyman, na Ucrânia, nesta captura de ecrã retirada de um vídeo das redes sociais, divulgado a 1 de outubro.
Cortesia da 81ª Brigada Aérea das Forças Armadas Ucranianas/Reuters

A possibilidade de as forças russas terem conduzido, mesmo em parte, uma retirada pacífica na sexta-feira levanta uma importante questão de timing para o Kremlin. Durante esse dia, o Presidente russo Vladimir Putin estava a assinar documentos que alegavam falsamente anexar Lyman, e outras partes do leste e sul da Ucrânia, e a realizar um comício na Praça Vermelha de Moscovo, alegando que a vitória seria da Rússia.

Ao mesmo tempo, parece que agora as forças militares estavam a retirar-se de Lyman, numa das mais significativas derrotas russas ao longo de várias semanas - uma retirada que pode ter um efeito de repercussão no controlo russo das áreas ocupadas de Donetsk e Luhansk.

O retorno do controlo ucraniano em Lyman foi rápido, com um habitante local já a pintar as cores douradas e azuis ucranianas novamente no portão da esquadra da polícia local. No interior do edifício, os danos já tinham sido varridos e os quartos arrumados.

No edifício da administração local, Roman sentou-se sobre uma mesa perto de uma bandeira do partido “Rússia Unida”. “Foi mau”, disse ele, descrevendo os meses de controlo russo. “Sem eletricidade ou água”. Acrescentou que o edifício da administração foi utilizado para gerir e encurralar os habitantes locais para participarem no recente referendo, que em Lyman deve ter ocorrido sob um bloqueio total a informações sobre o avanço da Ucrânia.

Balas descartadas num posto de controlo russo abandonado na periferia de Lyman, na Ucrânia, a 2 de outubro de 2022. Brice Laîné/CNN

 

Muitas das lojas e edifícios-chave de Lyman sofreram danos significativos, como se pôde observar a 2 de outubro de 2022. Brice Lâiné/CNN

 

A cidade de Lyman está dividida em dois por múltiplas vias-férreas, fotografia de 2 de outubro de 2022. Brice Lâiné/CNN

A infraestrutura ferroviária, significativamente relevante, de Lyman foi fortemente danificada, os telhados do edifício da estação atingidos e o material circulante das vias-férreas danificado. Vários edifícios da cidade foram substancialmente destruídos, mas, no domingo, as ruas pareciam ter já sido limpas em algumas áreas.

Muitas das tropas ucranianas já tinham avançado em direção ao próximo alvo nas linhas de defesa russas - Kremmina, mais a leste, as quais rapidamente vacilaram.

Um morador local transporta lenha recolhida das ruínas através do caminho-de-ferro que divide Lyman em dois a 2 de outubro de 2022. Brice Lâiné/CNN

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados