Casa Branca diz que Irão se prepara para fornecer à Rússia drones com capacidade para armas

CNN , Natasha Bertrand e Maegan Vázquez
12 jul, 15:24
Drones militares Ucrânia

Irão tem estreitado relações com a Rússia para, juntos, confrontarem "o poder dos americanos com uma sinergia crescente". Que pode estar a chegar aos drones, material que tem sido usado - e destruído - na guerra na Ucrânia

Novas informações de inteligência norte-americana recentemente desclassificadas indicam que se espera que o Irão forneça à Rússia "centenas" de drones - incluindo drones com capacidade para armas - para utilização na guerra na Ucrânia, com o Irão a preparar-se para começar a treinar as forças russas sobre a forma de os operar já em finais de julho, segundo funcionários da Casa Branca.

"As informações indicam que o governo iraniano se prepara para fornecer à Rússia até várias centenas (veículos aéreos não tripulados), incluindo UAV com capacidade para armas numa linha temporal expedita", disse o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan aos repórteres na conferência de imprensa da Casa Branca de segunda-feira.

"As nossas informações indicam ainda que o Irão está a preparar-se para treinar as forças russas para utilizar estes UAV, com uma sessão de treino inicial prevista para o início de julho. Não é claro se o Irão já entregou algum destes UAV à Rússia", continuou.

Um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca disse à CNN que a informação que Sullivan detalhou aos repórteres se baseia em informações recentemente desclassificadas.

Sullivan argumentou que a notícia de que o Irão a fornecer os drones é uma prova de que os ataques da Rússia contra a Ucrânia nas últimas semanas estão a chegar com o custo "severo" de esgotamento das suas próprias armas.

A notícia do fornecimento de drones do Irão à Rússia chegou um dia antes da primeira viagem do Presidente dos EUA, Joe Biden, ao Médio Oriente desde que tomou posse, com paragens em Israel e na Arábia Saudita. Espera-se que as ações do Irão na região e o seu programa nuclear sejam um tema importante de discussão.

Biden continua sob pressão crescente dos aliados do Médio Oriente para apresentar um plano viável para restringir o Irão, uma vez que as esperanças de reavivar o acordo nuclear de 2015 se desvaneceram na sequência de conversações em Doha, no Qatar, no mês passado.

Sullivan, na segunda-feira, referiu-se ao facto de o Irão ter fornecido drones semelhantes aos rebeldes Houthi do Iémen para atacar a Arábia Saudita antes de um cessar-fogo ter sido posto em prática no início deste ano.

Os drones têm sido uma componente chave da guerra na Ucrânia, de ambos os lados, com os militares ucranianos a utilizarem UAV Bayraktar construídos na Turquia para destruir postos de comando, tanques e sistemas de mísseis terra-ar russos; e os russos a utilizarem drones Orlan-10 feitos em “casa” para reconhecimento e guerra eletrónica. Mas em quase cinco meses de guerra, o número de drones de cada lado tem vindo a diminuir, à medida que são abatidos ou caem.

Os aliados da Ucrânia, incluindo a Lituânia e a Polónia, iniciaram campanhas de financiamento por crowdfunding para a aquisição de novos drones Bayraktar para os militares ucranianos, e os EUA forneceram à Ucrânia pequenos drones kamikaze chamados Switchblades. Os EUA também têm vindo a ponderar se devem fornecer à Ucrânia drones maiores que possam ser armados com mísseis Hellfire.

Mas, acreditam agora os EUA, a Rússia aparentemente virou-se para o Irão para ter ajuda no reabastecimento dos arsenais de mísseis. No entanto, não é claro quão sofisticados ou eficazes serão esses mísseis.

A Rússia tinha anteriormente recorrido à China para obter ajuda no apoio à sua guerra na Ucrânia, revelaram em março autoridades norte-americanas. Até finais de maio, os EUA não tinham visto qualquer prova de que a China tivesse fornecido qualquer apoio militar ou económico à Rússia para a invasão, disse na altura Sullivan aos jornalistas.

O Irão, no entanto, tem procurado estreitar relações com a Rússia nos últimos meses. Em janeiro, o Presidente iraniano, Ebrahim Raisi, visitou o Presidente russo, Vladimir Putin, em Moscovo e disse-lhe que aquela era a altura de a Rússia e o Irão confrontarem "o poder dos americanos com uma sinergia crescente entre os nossos dois países", de acordo com o New York Times.

Europa

Mais Europa

Patrocinados