"Bullying" de Putin volta-se contra ele, Finlândia e Suécia aproximam-se da adesão à NATO

CNN , Análise de Luke McGee
15 abr, 08:00
A guerra uniu o Ocidente contra Moscovo de formas que pareciam inimagináveis em janeiro. Foto: Virginia Mayo/AP

Tendo em conta que Putin iniciou a sua guerra exigindo que a NATO revogasse as suas fronteiras para onde estavam na década de 1990, este facto está mesmo a ser considerado um desastre diplomático para Moscovo

Quando Vladimir Putin iniciou a sua invasão à Ucrânia, os seus objetivos eram claros. Queria vergar o seu vizinho, afirmar a autoridade russa na Europa oriental e fazer com que o Ocidente pensasse duas vezes sobre expandir-se militar e politicamente para as fronteiras da Rússia.

Mas num aspeto importante, o plano de Putin parece ter falhado: a guerra uniu o Ocidente contra Moscovo de formas que pareciam inimagináveis em janeiro.
Agora, a Finlândia e a Suécia, nações que estão oficialmente não alinhadas, estão cada vez mais próximas de aderir à NATO, a aliança militar liderada pelos EUA.

Falando numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo sueco, em Estocolmo, na quarta-feira, a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, disse que a decisão do seu país sobre a possibilidade de se candidatar à adesão será tomada dentro de "semanas, não dentro de meses".

"Precisamos de ter uma visão sobre o futuro e estamos a usar este tempo para analisar e também construir pontos de vista comuns sobre o futuro no que diz respeito à segurança", disse Marin. "Não darei qualquer tipo de calendário quando tomarmos as nossas decisões, mas acho que vai acontecer muito rápido. Dentro de semanas, não dentro de meses."

O Governo finlandês apresentou na quarta-feira um relatório alargado ao Parlamento do país, que considerou os efeitos da adesão à NATO. O relatório diz que, se a Finlândia e a Suécia se tornarem membros plenos da NATO, "o limiar para a utilização da força militar na região do Mar Báltico aumentará", reforçando "a estabilidade da região a longo prazo".

O relatório diz que o "efeito mais significativo" da adesão à NATO "seria que a Finlândia faria parte da defesa coletiva da NATO e estaria abrangida pelas garantias de segurança consagradas no artigo 5.º", acrescentando que o efeito dissuasor de ser membro da NATO seria "consideravelmente mais forte do que é atualmente, uma vez que se basearia nas capacidades de toda a Aliança.

O documento assinala ainda que "uma cooperação estreita entre a Finlândia e a Suécia durante possíveis processos de adesão seria importante", e que "os processos de adesão simultânea" para os dois países poderiam também "facilitar a preparação e a resposta à possível reação da Rússia".

Entretanto, a Suécia deverá concluir uma análise da sua política de segurança até ao final de maio. Um funcionário sueco disse anteriormente à CNN que o seu país poderia tornar a sua posição pública mais cedo, dependendo de quando a vizinha Finlândia o fizer.

Na quarta-feira, a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, disse na conferência de imprensa que "o panorama da segurança mudou completamente" após a invasão da Ucrânia pela Rússia e "perante esta situação, temos de pensar realmente no que é melhor para a Suécia e para a nossa segurança e para a nossa paz nesta nova situação".

"Este é um momento muito importante na história. Há um antes e depois de 24 de fevereiro", disse Andersson, referindo-se à data em que a invasão da Rússia começou. "Temos de ter um processo na Suécia para pensar bem nisto."

Andersson foi também convidado a comentar os relatos nos meios de comunicação social suecos de que a Suécia já decidiu aderir à aliança.

"Às vezes, se lermos algumas declarações nos meios de comunicação suecos, é como se devêssemos decidir o mais rápido possível", respondeu. "Acho que é preciso analisar a nova situação, fazê-lo muito a sério, pensar nas consequências, nos prós e nos contras de todos os caminhos potenciais a seguir."

A opinião pública de ambos os países mudou significativamente desde a invasão, e os aliados e funcionários da NATO apoiam totalmente a adesão dos dois países. A única objeção séria poderia vir da Hungria, cujo líder é próximo de Putin, mas os funcionários da NATO acham que seria possível contornar o Primeiro-Ministro Viktor Orban.

Tendo em conta que Putin iniciou a sua guerra exigindo que a NATO revogasse as suas fronteiras para onde estavam na década de 1990, este facto está mesmo a ser considerado um desastre diplomático para Moscovo. E se a Finlândia, em particular, se juntasse, Putin encontraria a Rússia de repente a partilhar uma fronteira adicional de 1335 quilómetros com a NATO.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, advertiu na segunda-feira que a expansão da NATO não traria mais estabilidade à Europa.

"Temos dito repetidamente que a Aliança em si é mais uma ferramenta para o confronto. Esta não é uma aliança que proporcione paz e estabilidade, e uma maior expansão da aliança, naturalmente, não conduzirá a mais estabilidade no continente europeu", disse.

Rob Bauer, chefe do comité militar da NATO, disse aos jornalistas na terça-feira que a aliança não excluiu novos membros, mas disse que, em última análise, cabe à Finlândia e à Suécia decidir se querem aderir, relatou a Reuters.

"É uma decisão soberana de qualquer nação que queira aderir à NATO para se candidatar à adesão, o que até agora não fizeram. Não estamos a obrigar ninguém a entrar na NATO", disse Bauer.

Nem a invasão de Putin motivou a Ucrânia a recuar do seu desejo de uma integração mais estreita com o Ocidente. Embora seja pouco provável que o país adira à NATO, os seus esforços de adesão à União Europeia aceleraram desde o início da guerra. Isto levaria muito tempo e poderia também enfrentar uma forte oposição por parte da Hungria, que já está numa dura batalha com Bruxelas sobre as suas violações do Estado de direito, levando a UE a propor a suspensão do financiamento central a Budapeste.

No entanto, mais uma vez, o facto de estar a ser falado e o nível de apoio entre os líderes e funcionários da UE é mais uma indicação de como o Ocidente se tornou unido contra a Rússia.

Vale a pena notar que, desde o início da guerra, o Ocidente tem permanecido em grande parte unido na sua resposta à Rússia, seja através de sanções económicas ou de apoio militar à Ucrânia.

No entanto, estão a surgir alguns desafios que irão testar a união desta aliança contra a Rússia.

Em primeiro lugar, se se souber que a Rússia utilizou armas químicas na Ucrânia, haverá uma enorme pressão para que o Ocidente, em particular a NATO, assuma um papel ainda mais ativo na guerra - algo que a aliança tem sido relutante em fazer até agora.

Os membros da NATO já discutiram linhas vermelhas e que medidas devem ser tomadas em caso de armas químicas, mas esses pormenores ainda são privados para impedir a Rússia de tomar medidas de proteção preventivas.

No entanto, qualquer intervenção da NATO conduziria certamente a uma situação de segurança menos estável na Europa, uma vez que o Ocidente arriscaria um confronto militar com a Rússia - uma potência nuclear, que provavelmente responderia intensificando os seus ataques à Ucrânia e, possivelmente, noutras áreas de influência tradicional russa.

Em segundo lugar, o custo de vida da crise em muitos países europeus poderá em breve testar a unidade das futuras sanções ocidentais à Rússia e embargos à energia russa.

Se, em última análise, a economia da Europa Ocidental for considerada mais importante do que responsabilizar a Rússia por travar uma guerra contra o seu vizinho pacífico, então Putin poderia, em certa medida, escapar à invasão de um país inocente.

Mas, por agora, como essa unidade se mantém em grande parte, é evidente que o desejo de Putin de menosprezar a aliança ocidental recuou e que o homem forte assegurou o estatuto de pária para a sua nação, possivelmente para os anos vindouros.

Jennifer Hansler contribuiu para este artigo de Washington.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados