Aviões, iates e mansões apreendidos. Como é que as sanções estão a afetar os oligarcas russos

CNN Portugal , MJC
10 mar, 11:56
Roman Abramovich (AP/Lefteris Pitarakis)

Afetados pela crise na economia russa, muitos dos milionários estão também a ser sancionados pelos Estados Unidos, União Europeia e Reino Unido

O Reino Unido juntou, esta quinta-feira, Roman Abramovich à sua lista de sanções, apesar de o oligarca russo ter ficado de fora das sanções individuais impostas pela União Europeia. 

A agência Reuters reuniu o que se sabe sobre as sanções aos principais oligarcas da Rússia e seus bens, até ao momento:

Alisher Usmanov 

Alisher Usmanov, 68 anos, magnata dos metais e telecomunicações, com um património líquido estimado de 14,7 mil milhões de euros. Foi sancionado pelo Estados Unidos e União Europeia.

Viu apreendida a sua villa no Golfo del Pevero, na ilha da Sardenha, no valor de aproximadamente 17 milhões de euros.

O super-iate Dilbar de 546 milhões de euros está retido pelas autoridades em Hamburgo.

O Everton suspendeu todas as relações de patrocínio (que ascendiam a 13,6 milhões de euros) com empresas ligadas a Usmanov.

Usmanov abandonou a presidência da Fédération Internationale d'Escrime, órgão máximo da esgrima.

Um jato da Bombardier ligado a Usmanov é um dos vários aviões russos que ficaram retidos no aeroporto EuroPort, na Alsácia francesa, devido ao encerramento do espaço aéreo suíço.
 
O tesouro dos EUA bloqueou os ativos pessoais de Usmanov, deixando as empresas por ele controladas fora da lista de sanções.

Roman Abramovich

Roman Abramovich, 55 anos, milionário conhecido como "o banqueiro de Putin", com uma fortuna estimada em 11,2 mil milhões de euros. Sancionado pelo Reino Unido. 

O dono do Chelsea tem os bens no Reino Unido congelados e enfrenta também uma proibição de negócios com indivíduos ou empresas do Reino Unido e proibição de viagem. Antes disso, Abramovich tinha anunciado que o Chelsea estava à venda e que doaria os lucros para as vítimas da guerra na Ucrânia. A venda fica agora suspensa.

Tem uma mansão de 15 quartos em Kensington Palace Gardens, que foi comprada por 90 milhões de libras (109 milhões de euros) em 2011.

Uma aeronave ligada a Abramovich está retida no Aeroporto Europort devido às restrições do espaço aéreo suíço. Ele tem ainda o iate Solaris (de 546 milhões de euros) e um Boeing 787-8.

Oleg Deripaska

Oleg Deripaska, 54 anos, industrial que fundou a gigante do alumínio Rusal, foi sancionado pelos Estados Unidos em 2018.

Em outubro, agentes do FBI invadiram uma casa histórica de Nova Iorque, em Greenwich Village, e uma mansão em Washington D.C., ligadas a Deripaska. O magnata respondeu nas redes sociais, dizendo que ninguém morava naquelas propriedades

Através de uma LLC (sociedade de risco limitado) nas Ilhas Virgens Britânicas, Deripaska possui uma outra casa em Nova Iorque, que custou mais de 37 milhões de euros, em 2008, de acordo com os registos. 
 
Essas propriedades não foram apreendidas pelo governo, apesar das sanções que o impedem de fazer negócios ou possuir propriedade nos Estados Unidos.

A holding das Ilhas Virgens Britânicas de Deripaska também possui uma mansão em Belgrave Square, em Londres, que foi adquirida por 30 milhões de euros em 2003. 

As sanções dos EUA contra a Rusal foram levantadas em 2019, quando Deripaska reduziu a sua participação para 44,95%.

O iate de 59 milhões de euros, Clio, é uma das várias embarcações de bilionários ancoradas nas Maldivas, que não tem um tratado de extradição com os EUA.

Vladimir Potanin

Vladimir Potanin, 61 anos, CEO da Norilsk Nickel, com um património líquido estimado em 20 mil milhões de euros, não foi sancionado pela
UE ou Estados Unidos.
 
Na semana passada, o Museu Guggenheim disse que Potanin iria deixar de ser um dos seus mecenas. Ele ocupava o cargo desde 2002, atuando como grande patrocinador, incluindo a exposição de Kandinsky, atualmente em Nova Iorque.
 
O iate Nirvana, de 88 metros, navegou para as Maldivas, que não tem tratado de extradição com os Estados Unidos.

Estima-se que Potanin tenha perdido quase um quarto de sua riqueza desde que as sanções tiveram efeitos sobre a economia russa, segundo a Bloomberg.

Igor Sechin

Igor Sechin, 61 anos, CEO da petrolífera Rosneft, considerado uma das pessoas mais poderosas na Rússia, foi sancionado pelos Estados Unidos, UE e Grã-Bretanha.

Oficiais da alfândega francesa apreenderam o iate Amore Vero, no valor de 109 milhões de euros, impedindo-o de sair de um porto da Riviera Francesa.

Alexey Mordashov

Alexey Mordashov, 56 anos, filho de um operário que se tornou um magnata do aço, com um património líquido estimado em 26 mil milhões de euros. Está na lista de sanções da UE.
 
Mordashov alterou as suas participações no grupo de viagens e turismo TUI, depois de as sanções serem impostas. Além disso, também segundo a Bloomberg, o magnata transferiu cerca de mil milhões de dólares da participação na empresa de minério Nordgold para a sua esposa, Marina.

As autoridades italianas apreenderam o iate Lady M, atracado em Imperia, e avaliado em 65 milhões de euros.

Eugene Shvidler

Eugene Shvidler, 57 anos, sócio de Roman Abramovich, com um património líquido estimado em 1,5 mil milhões de dólares. 

O Reino Unido apreendeu um jato particular que dizia estar ligado a Shvidler no aeroporto de Farnborough, no âmbito das novas sanções sobre a aviação
que lhe dão autoridade para deter qualquer aeronave russa.

Vladimir Soloviev

Vladimir Soloviev, 58 anos, político e banqueiro pró-Putin que está na lista de sanções da UE
 
Duas propriedades no Lago Como no valor de 8 milhões de euros pertencentes a Soloviev foram apreendidas pelas autoridades italianas.

Gennady Timchenko

Gennady Timchenko, 69 anos, presidente da Associação Nacional Russa de hóquei, com participações em empresas de petróleo e gás. Foi sancionado pelos Estados Unidos e UE.

 A Itália apreendeu o iate Lena, no valor de 50 milhões de euros, que estava ancorado em San Remo.

Oleg Savchenko

Oleg Savchenko, membro do parlamento da Rússia, viu a sua villa toscana Lazzareschi, do século XVII, no valor de 3 milhões de euros, apreendida pelas autoridades italianas.

Petr Aven

Petr Aven, investidor petrolífero que construiu um império empresarial europeu, com um património líquido estimado em 4,3 mil milhões de euros.

A participação de Aven na empresa LetterOne Investment, com participações na cadeia de supermercados Dia da Espanha e uma empresa alemã de energia, foi congelada na sequência das sanções da UE.

O governo da Letónia está a tentar revogar a sua cidadania, apesar de, uma semana antes do início da guerra, o magnata ter anunciado planos de abrir um museu lá.

Aven renunciou ao cargo de administrador da Royal Academy of the Arts em Londres. A organização artística garantiu que devolveria a sua doação para a atual exposição Fancis Bacon.

Mikahil Fridman

Mikhail Fridman, com um património líquido estimado em 11 mil milhões de euros, está na lista de sanções da UE.
 
Retirou-se da empresa de investimento LetterOne que ele tinha fundado com Aven. Várias empresas anunciaram que vão deixar de negociar com a LetterOne.
 
Tem uma casa no norte de Londres, que comprou por 78 milhões de euros em 2016, que para já parece ter ficado fora das sanções.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados