Armas nucleares táticas de Putin podem ter o mesmo impacto que as bombas atómicas lançadas no Japão

CNN , Brad Lendon
26 set, 15:00
Vladimir Putin. Foto: Gavriil Grigorov, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

OPINIÃO. O que significa a ameaça nuclear russa

Com as suas forças a recuar na Ucrânia, o Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou mais uma vez recorrer às armas nucleares, muito provavelmente referindo-se àquilo a que muitas vezes se chama de armas nucleares táticas.

Num discurso na semana passada, advertiu que “no caso de uma ameaça à integridade territorial do nosso país e para defender a Rússia e o nosso povo, faremos certamente uso de todos os sistemas de armas à nossa disposição. Isto não é um bluff”.

Os sistemas de armamento russos incluem 4.477 ogivas nucleares colocadas e de reserva, das quais cerca de 1.900 são ogivas “não estratégicas”, também conhecidas como armas nucleares táticas, de acordo com a Federação de Cientistas Americanos.

Mas o que é uma arma nuclear tática e de que forma difere de uma arma nuclear normal?

Eis o que precisa de saber.

Tática vs. estratégica

As ogivas táticas referem-se a ogivas concebidas para utilização num campo de batalha limitado, por exemplo para destruir uma coluna de tanques ou um grupo de batalha de porta-aviões, se utilizadas no mar. Estas ogivas, com capacidade de poder explosivo de 10 a 100 quilotoneladas de dinamite, são também chamadas de “baixa poder”.

Em contraste, as ogivas nucleares “estratégicas” mais poderosas da Rússia têm poder explosivo de 500 a 800 quilotoneladas e são concebidas para destruir cidades inteiras.

A referência a “baixo poder” para armas táticas é algo enganador, uma vez que poderes explosivos de 10 a 100 quilotoneladas de dinamite são suficientes para causar uma grande destruição - como o mundo descobriu em 1945 quando os EUA lançaram bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki, no Japão.

Essas bombas eram o equivalente a cerca de 15 e 21 quilotoneladas de dinamite, respetivamente – o que está dentro do parque de armas nucleares táticas da Rússia.

As explosões iniciais em Hiroshima e Nagasaki mataram instantaneamente cerca de 70 mil e 35 mil pessoas, e dezenas de milhares morreram mais tarde devido à radiação libertada, de acordo com os arquivos do governo dos EUA.

Alex Wellerstein, diretor de estudos científicos e tecnológicos do Stevens Institute of Technology em Nova Jersey, nos EUA, diz que a verdadeira diferença nas armas nucleares não está realmente no seu poder explosivo, mas no que são os seus alvos.

“Os bombardeamentos atómicos no Japão tinham sido ataques 'estratégicos' destinados principalmente a destruir o moral e aterrorizar o alto comando japonês para levar à rendição”. O que fez das 15 quilotoneladas um poder 'estratégico' dependia do seu destino", escreveu Wellerstein no blogue sobre segurança Outrider, no início deste ano.

Outros, incluindo o antigo secretário da Defesa dos EUA, James Mattis, dizem que não há qualquer diferença.

“Não creio que exista qualquer coisa como uma 'arma nuclear tática'. Qualquer arma nuclear usada em qualquer altura é uma mudança estratégica de jogo", disse numa audiência do Congresso dos EUA em 2018.

O que aconteceria se a Rússia ativasse uma?

A Rússia (e, antes dela, a União Soviética) construiu e manteve um grande arsenal de armas nucleares táticas.

O pensamento inicial era que a utilização de uma bomba nuclear num campo de batalha dava aos líderes a opção de fazer um ataque decisivo que pudesse evitar a derrota sem recorrer à utilização das suas armas nucleares maiores, o que depois de uma contrarresposta traria uma “troca nuclear de fim da civilização”, de acordo com a União de Cientistas Preocupados.

No seu website, a organização chama a este pensamento "falho e perigoso".

“As armas nucleares táticas... introduzem uma maior ambiguidade, levantando a possibilidade de um país poder pensar que pode escapar com um ataque limitado”, disse a organização.

Algumas análises apoiam essa teoria.

Um comentário publicado durante o Verão por Sidharth Kaushal e Sam Cranny-Evans, no Royal United Services Institute britânico (RUSI), diz que o uso de armas nucleares táticas contra centros de comando ou bases aéreas na Europa poderá limitar as baixas civis nas áreas circundantes.

Por exemplo, o relatório da RUSI diz que o uso de uma bomba nuclear tática em Sulwaki Gap, a fronteira terrestre entre a Polónia e a Lituânia (aliada da NATO) que separa Kaliningrado russo da sua vizinha Bielorrússia, causaria apenas centenas de baixas civis.

É provável que a realidade esteja longe disso.

“Os jogos de guerra dos EUA preveem que um conflito envolvendo o uso de armas nucleares táticas irá rapidamente fugir do controlo”, de acordo com o blogue da União de Cientistas Preocupados.

“Uma simulação de um conflito EUA-Rússia pela da Universidade de Princeton que começa com o uso de uma arma nuclear tática prevê uma rápida escalada que deixaria mais de 90 milhões de pessoas mortas e feridas", afirmou.

Respondendo à ameaça de Putin na semana passada, a Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (ICAN) diz que a Europa de 2022 é um lugar muito mais perigoso para utilizar armas nucleares do que o Japão de 1945, que tinha uma população menor e estava relativamente isolado.

Na Europa de hoje, “uma única detonação nuclear mataria provavelmente centenas de milhares de civis e feriria muitos mais; a precipitação radioativa poderia contaminar grandes áreas em múltiplos países”, disse a ICAN no seu website.

“Os serviços de emergência não seriam capazes de responder eficazmente e o pânico generalizado desencadearia movimentos maciços de pessoas e graves perturbações económicas. As detonações múltiplas seriam, evidentemente, muito piores”, acrescentou.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados